domingo, 26 de maio de 2019

OVNI: O vôo 510 da Guatemala 1997


18 de junho de 1997, o voo 510 do TACA, que ia de Guatemla para Los Angeles, foi seguido por um OVNI, testemunhado pela tripulação do avião, bem como a Torre de Controle e outras tripulações que voaram naquela noite sobre a Guatemala.

A noite de 18 de junho de 1997 nunca será esquecida pela tripulação do voo 510 do TACA com destino a Los Angeles, que depois de descolar do Aeroporto Internacional La Aurora na Cidade da Guatemala, foi seguido por um Objeto Voador Não Identificado por cerca de 175 quilômetros, até se aproximar da fronteira com o México. Para evitar o pânico a bordo, os passageiros não foram informados do incidente.

Às 19h15 de 18 de junho de 1997, a torre de controle do Aeroporto Internacional La Aurora começou a receber relatórios da Mixco, sobre uma estranha luz no céu que se movia emitindo flashes.

Os operadores de controle de tráfego aéreo detectam visualmente o objeto e descartam a existência de uma aeronave que deveria ir nesse curso, para que os técnicos iniciem imediatamente o procedimento de identificação. No ecrã do radar, na radial 275 (Oeste-Noroeste), aparece um claro eco, de modo que os técnicos Rodrigo Ochaeta, Mario Morales e Maynor Choy confirmam que é um objeto sólido. 
Eles são invadidos por intensa preocupação com as possíveis conseqüências do tráfego pesado para esta hora da noite. O objeto apresentou um movimento vertical, que às vezes o leva a se esconder nas montanhas que cercam a Cidade da Guatemala.

Cronologia dos acontecimentos - Flight 510 of TACA


19h30 - Um vôo "courrier" de Salvador começa a sua manobra de aproximação para a pista. É uma manufatura LET da Checoslováquia pilotada por Luis Urrutia, um jovem aviador. Ele é informado imediatamente sobre a luz a oeste. O piloto do avião de turbo-hélice confirma à torre que tem o objeto visível, que "brilha extremamente" e pede que se aproxime para visualizar melhor aquela luz estranha. 
Depois de fazer a manobra, não há dúvida sobre o que eles e os operadores estavam vendo, além disso, o objeto para então tinha se movido em direção ao radial 215 (Sudoeste).
19h45 - O voo 510 da TACA, um Boeing 767 com destino a Los Angeles, preparava-se para descolar. O capitão de vôo com mais de 100 passageiros é notificado do que está acontecendo, indicando que há uma luz no lado da pista em cerca de 13 ou 16 quilômetros de acordo com a informação do radar.

19h50 - O TACA 767 descola e o capitão está em alerta. É relatado para a torre e manifesta a intenção de investigar o fenómeno luminoso.
19h55 - Ao atingir 7.500 pés (2.300 m) de altitude, a visibilidade é ilimitada e o comandante do voo 510 HW relata estar sob a luz, que mudou de rumo e agora está rumo ao oeste. A luz está à frente e ligeiramente à esquerda do avião, às 11:30 da manhã, de acordo com o relógio de orientação relativo da cabine (no qual as 12h00 estão na frente e 6h00 logo atrás). 
O operador da torre vê como a luz se moveu para o radial 300, isto é, para o noroeste. Todos os itens acima foram seguidos com atenção pelo radar do aeroporto internacional "La Aurora", equipe que também observa o movimento vertical.


19h57 - O avião de passageiros dirige-se para Los Angeles, enquanto o capitão e a torre de controle continuam comunicando a identificação do objeto que continua a ligar e desligar. A comunicação se torna dramática porque em certos momentos a luz parece brincar. O operador da torre diz ao piloto do 767 que " deve ser um espetáculo para os passageiros ". O capitão HW responde que nada foi comunicado a eles para não os alarmar. 
19h59 - Outro avião que se prepara para descolar para Detino na América Central intervém na comunicação. Quando eles lhe dão permissão para descolar, ele diz: " Espero não encontrar nada lá em cima! "
20h05 - Do chão, a luz não é visível no céu que tem algumas nuvens, por isso acredita-se que o objeto está escondido por de trás delas. 
20h25 - O voo 510 para Los Angeles e mais de 30.000 pés (10.000 m) de altitude continua o seu percurso e se aproxima do território mexicano. O capitão continua a relatar a estranha luz, eventualmente, manifestando-se mais tarde que às vezes sentia incerteza quando a luz intensa repentinamente se posicionava ligeiramente à esquerda ou à frente do avião, como se os acompanhasse na viagem. O fenômeno terminou abruptamente, em uma das vezes em que o objeto foi ligado e desligado.


Reflexões sobre o caso

O objeto era sólido, sempre refletia um "eco" no ecrã do Radar, a sua localização ficava entre 8 e 13 quilômetros no começo, para então seguir para o norte e seguir o ôo 510 por mais de 175 quilômetros. 

A evidência é dada pelo facto de que os operadores de radar observavam o objeto apenas por meio do ecrã de Radar, já que ao contrário dos da torre, eles não têm visibilidade para o exterior. Estes deram a voz de alerta ao piloto do vôo 510, o que não acontece com frequência. No caso envolveu observadores terrestres, controladores de vôo, pelo menos três pilotos de linhas aéreas e técnicos de radar.


O planeta Vênus apareceu naquela época naquela direção, no entanto, o fez há dois meses e em nenhuma outra ocasião houve voz de advertência. Além disso, Vênus não reflete ecos nos radares, nem liga e desliga, muito menos acompanha um vôo comercial em viagem. 
O fenômeno foi analisado por um grupo consultivo da organização local Sky Cam Ovni na Cidade da Guatemala. Envolvendo um piloto com mais de 30 mil horas de vôo, um especialista do Instituto de Meteorologia da Guatemala, um membro da Associação Astronômica, psicólogos, um físico de um Instituto de Meteorologia e membros da Sky Cam Ovni. 
A conclusão foi a seguinte: Não é possível identificar o objeto, isto é, é um OVNI (objeto voador não identificado).

Todos os itens acima parece uma simples história de ficção científica, mas a incrível história está gravada na fita que regista toda a comunicação que é transmitido ou recebido pela torre de "La Aurora" Aeroporto Internacional de controle. 
Este documento dramáticoe na posse de Eduardo Mendoza Palacios, autor do artigo que serviu de fonte para este relatório.

Áudios e vídeos sobre o voo TACA 510

No vídeo a seguir (a partir do minuto 6:20), Eduardo Mendoza explica o que aconteceu naquela noite de 6 de junho de 1997.



Estes fenómenos ainda ocorrem com alguma frequência um pouco por todo o mundo, embora a informação de avistamentos seja controlada a fim de evitar o pânico.

Sem comentários:

Enviar um comentário