sábado, 31 de março de 2018

Caso Lady Snippy


Nesses últimos dias, casos de mutilações de animais volta a ocorrer! Não acredito que nenhum deles tenha algo ligados a Ufologia! Pelo menos esses mais recentes.
Um dos casos mais impressionantes é o Caso Lady Snippy! Vamos a matéria.
Em 7 de setembro de 1965 ocorreu um dos mais impressionantes casos ufológicos já registrados. O episódio envolve a morte misteriosa de uma égua de três anos de idade, da raça Appaloosa, em um pasto de uma fazenda na região do Vale de São Luiz, no estado do Colorado, nos Estados Unidos. A fazenda situa-se a 20 milhas (32 Km) a nordeste de Alamosa, aos pés de Mount Blanca.

Na manhã da fatídica data, a égua não voltou do pasto, como de costume. Os donos logo notaram a ausência do animal e preocupados começaram a procurá-la. Dois dias depois, em 9 de setembro, o animal foi encontrado morto em uma clareira em um bosque, a menos de um quilômetro da sede da fazenda. Seu corpo estava mutilado. Estava descarnado do pescoço até a cabeça e não havia quaisquer sinais de sangue, luta ou rastros no local. O osso do pescoço e da face estava limpo evidenciando um trabalho preciso e limpo. O resto do corpo do animal estava intacto. No que restou do corpo não havia indícios de sangue. Todavia foi verificado uma substância semelhante ao alcatrão embaixo dos ossos do pescoço e do crânio. A carne do animal apresentava-se rosada, como se tivesse acabado de ser cortada.

Achando tudo muito estranho e ainda assustados com o ocorrido, os donos resolveram fazer uma inspeção nos arredores na tentativa de encontrar alguma pista sobre os autores da morte do animal. Próximo à carcaça não havia nenhum rastro perceptível. Entretanto, a alguma centena de metros do local, havia uma marca circular, se grama achatada, com seis pontos de penetração idênticos entre si, de posicionamento simétrico, idêntico ao que verifica-se em casos de pousos de OVNIs pelo mundo afora. Estas marcas tinham 5 cm de largura por 10 cm de profundidade. O círculo interno tinha aproximadamente 1 metro de diâmetro

Durante a inspeção também encontraram os rastros deixados pela égua. Eles estendiam-se por onde ela havia caminhado e terminava abruptamente a 30 metros do local onde foi encontrada morta. Entre o fim das pegadas e o local onde o corpo estava não havia marcas definidas.

Posteriormente, verificaram que o cérebro e o coração do animal estavam ausentes e dias depois o animal começou a desprender um forte cheiro de formaldeído. Os ossos do pescoço e do crânio, depois de alguns dias, adquiriram uma coloração branca, como se tivessem sido submetidos a um processo de branqueamento.

Nellie Lewis e Harry King, donos do animal, tocaram em algumas partes da carcaça. Nellie segurou a crina do cavalo com as mãos e de imediato sentiu como se elas queimassem suas mãos. Mais tarde, através de contador geiger, foi constatado índices de radiação acima do normal tanto na carcaça quanto nas botas dos donos da fazenda.

Eles, de imediato, entraram em contato com o Serviço Florestal dos Estados Unidos que enviou um guarda florestal, Duane Martin, para investigar. Martin checou a área com contador geiger e identificou índices radioativos bem acima do normal na carcaça, nas marcas próximas e nas botas dos fazendeiros.

Posteriormente coletou informações de pessoas na tentativa de descobrir possíveis causas para a estranha morte. Uma das pessoas entrevistadas foi Agnes King, 87 anos na época, mãe do dono da fazenda, Harry King. Ela declarou que na noite de 7 de setembro, que seria a data presumida da morte de Snippy, observou um estranho objeto voador luminoso passar sobre a fazenda a baixa altura. Mais tarde descobriram-se outras testemunhas de aparecimento de OVNIs sobre a mesma região.

Três semanas após a morte de Snippy, o cadáver apresentava-se inalterado. Não havia sinais de decomposição. Não havia odores característicos. Animais carniceiros não se aproximavam da carcaça. Nos 24 meses seguintes nenhuma planta cresceu no local onde o corpo de Snippy foi encontrado.

Uma das pessoas que investigou o caso foi um patologista de Denver, que realizou uma autópsia no animal logo no dia seguinte. Por muito tempo ele permaneceu no anonimato por motivos profissionais, só se apresentando publicamente anos depois, no início dos anos 90.

Transcrevemos aqui um trecho de seu depoimento:
"(Quando tudo ocorreu) eu era jovem. Temia perder meu trabalho. Minha carreira terminaria ali se meus colegas soubessem que eu estava investigando estes fenômenos.

Quando eu me aproximei da égua vi que ela tinha um corte preciso, uma incisão limpa e vertical, nas bordas do qual havia uma cor escura, como se a carne tivesse sido aberta e cauterizada por um instrumento cirúrgico cauterizante, como um laser moderno. Mas, em 1967, não existia tecnologia para uma cirurgia laser como aquela. Quando, hoje em dia, cauterizamos para controlar o sangramento, a carne se mantém suave ao tato. Mas as bordas do corte daquela égua eram rígidas com couro endurecido. Retirei amostras dos tecidos destas bordas e, mais tarde, analisei-as ao microscópio. No nível celular havia descoloração e destruição consistentes com as mudanças causadas por queimaduras.



O mais assombroso era a ausência de sangue. Realizei centenas de autópsias. É impossível cortar um corpo sem que se deixe algum sangue. Mas não havia sangue nenhum na pele, no animal ou no solo. Diversos órgãos haviam sido retirados. Era uma dissecação incrível de órgãos, sem nenhuma evidência de sangue".


Jornal da época noticiando o fato

Os donos do animal observando os restos de Snippy logo após ter sido descoberto

Estado do corpo do animal quando foi encontrado


Mais uma ótima matéria do amigo Jackson Luiz Camargo.






sexta-feira, 30 de março de 2018

Avistamentos curiosos no céu nocturno de Cascais 'Hotspot'

Vários relatos de testemunhas oculares de fenómenos de luzes invulgares no céu nocturno, dentro e arredores de Lisboa, foram relatados ao longo dos últimos anos, provocando especulações sobre a origem de determinados fenómenos.

A atividade de luzes estranhas foram relatadas em diversas ocasiões...(6 de julho 2016) Shannon Parris, que vive em Cascais há seis anos, conta que viu algo de extraordinário, “uma das coisas mais bonitas” que alguma vez viu.
“Estava sentada na varanda com o meu marido quando vimos um grupo de luzes estranhas se movendo pelo céu.
Essas luzes surgiram inicialmente no Guincho frente a Cascais.
Descartei serem estrelas devido ao seu movimento, luminosidade, ponderei ser um enxame de insectos mas era muito improvável.


Uma amiga da Sra. Parris também testemunhou o respectivo fenómeno.

“Era uma coisa muito bonita, foi a primeira vez que vi algo parecido na minha vida ”, comentou.

Naquela mesma noite, um morador da Quinta da Marina, em Cascais, testemunhou uma ocorrência muito idêntica.
No entanto o UFO Portugal Network, recebia vários relatos que mencionavam avistamentos semelhantes no Porto e Lisboa semanas antes ao avistamento de Cascais.

Outra testemunha conta que: “Eu e dois amigos estávamos no jardim e vimos luzes no céu, que se moviam muito rápido mas não eram aviões.
Outro relato a 26 de junho, por um morador da Torre (Guia, Cascais), também descrevia a mesma actividade.

Um porta-voz do Parque Natural Sintra-Cascais (PNSC) disse que as luzes podiam ser "pirilampos", visto que os relatos são mencionados numa época do ano em que se faz sentir mais calor, estes insectos são mais activos com temperaturas altas.
Isto se estiverem a baixa altitude, podendo criar algum tipo de ilusão.

As testemunhas descartaram essa possibilidade, devido às sua luminosidade, altitude e velocidade.
O Instituto Nacional de Aviação Civil, na época também não conseguiu encontrar uma explicação para as estranhas e anómalas observações.


Desde então que as observações não param de chegar ao UFO Portugal Network, inclusive a grupos internacionais de investigação do fenómeno OVNI, solicitado algum apoio na obtenção de mais informações sobre estes avistamentos.

De mencionar também que muitos dos avistamentos reportados foram identificados... Apenas um em cada dez relatos, apresentava algum teor de mistério.

Ao longo dos anos os relatos tem sido reportados por residentes, turistas inclusive jornalistas e actores de TV na região de Cascais.
Se observou algo, partilhe connosco a sua experiência

quinta-feira, 29 de março de 2018

Objectos Voadores Não Identificado em S. Mamede de Infesta

Objectos Voadores são registrados em vídeo em plena luz do dia.

A testemunha e autor do vídeo Sr. Carlos Costa no dia 08/08/2017, regista algo da qual não encontra uma explicação procurando respostas para a origem daqueles artefactos misteriosos.

O mesmo referência " Pode até não ser nada de especial, mas alguém me pode dizer o que são ".



Balões em altitudes!
Aves!
Drones!
Aeronaves!

segunda-feira, 26 de março de 2018

Vídeo: Luz anómala avistada a sobrevoar Moita da Serra, Concelho de Tábua

Localização - Moita da Serra - Concelho de Tabua

Data, hora - 25/03/2018 - 20:25H

Testemunha - Anónimo

A testemunha que por motivos pessoais e profissionais, optou manter anonimato perante algo que não consegue explicar, ou não seja a pessoa em questão "testemunha" conhecedora de Ovnilogia e Astronomia.
A testemunha conta que viu uma luz fixa inicialmente, muito forte, branca com uma luminosidade superior a qualquer estrela visível e o seu comportamento de movimento ortodoxo lhe chamou atenção nesse preciso momento após se mover rapidamente.
Com o seu smartphone Samsung S4 realizou o registo dessa misteriosa luz que tanto se movia para trás como para a frente.
A testemunha menciona ausência de ruído durante tito a observação, como também a incapacidade do seu equipamento conseguir realizar qualquer captura em vídeo de estrelas ou aeronaves, o que conclui que o objecto luminoso não podia estar a grande altitude o que lhe pareceu naquele momento da observação.
O objecto estaria com movimento rápido surgido a Sul da sua posição seguindo sentido Norte.

Menciona também que em determinado momento o objecto luminoso se move com a velocidade de um avião a jato deixando de o ver.
Após observação averiguou que a Estação Espacial Não se encontrava visível no espaço aéreo nacional o que descartou de imediato, como também qualquer tipo de balão.
Menciona que o local é isolado, não existindo qualquer possibilidade de alguém manobrar um drone naquele local.
Satélites, Estações Espaciais não se movem para trás e para a frente!
A testemunha é conhecedora do fenómeno OVNI e de extrema confiança.
Referenciou o muro do seu portão de forma a se poder ter uma referência de distância e tamanho do objecto luminoso.



O relato foi reportado de imediato ao UFO Portugal Network, da qual procedeu a um alerta imediato através do seu Grupo no Facebook aos mais de 3000 mil associados para ficarem vigilantes ao céu sobre qualquer anomalia aérea, da qual sem muita informação algo foi visto também em Aveiro!

Portanto o UFO Portugal Network está a investigar esta situação e solicita o apoio da população.

Se viu ou registou o mesmo fenómeno reporte através do e-mail: ufo_portugal@sapo.pt

sábado, 24 de março de 2018

1954/2004 - Avistamentos na Europa e em Portugal

A França foi o país central nos avistamentos de fenómenos aéreos não identificados, durante esta vaga de 1954, que deu origem a vários trabalhos de investigação, dos quais destaco as
teorias ortoténicas de Aimé Michel, cientista francês que editou vários trabalhos relacionados com esta vaga e que descobriu a conhecida linha de BAVIC, que relacionava vários avistamentos ovni, ocorridos entre as localidades francesas de Bayonne e Vichy (daí o nome de BAVIC).

No presente texto irei abordar de forma superficial o impacto da vaga de 1954,
em Portugal, e muito especialmente as últimas ocorrências ovni neste ano de 2004, também centralizando-me no nosso país.
Tentarei ainda explicar o porquê de podermos estar na eminência, ou já a meio, de uma nova vaga ovni. 


No final especularei um pouco sobre o
fenómeno “vaga”, dentro da fenomenologia ovni, e ainda sobre os fenómenos ovni de uma
forma geral.

A Vaga de 1954 em Portugal

Como é normal, não foi só a França que foi “atingida” pelo crescimento anormal de avistamentos ovni e mesmo EI 3º Grau (Encontros Imediatos de 3º Grau – Hynek), durante o distante ano de 1954.
O nosso território nacional, incluindo as regiões autónomas, também teve um crescimento anormal de observações ovni e mesmo EI 3º Grau.
Consultando algumas das fontes disponíveis, com as quais construí o gráfico exposto abaixo, verificamos que as ocorrências ovni, no ano de 1954, começaram com dois EI 3º Grau, no mês de Maio, ocorridos na região norte do país.

[2] No mês de Junho não é referida
nenhuma ocorrência e no mês de Julho o cenário começa a alterar-se.
Nesse mês houve alguma actividade ovni, com um total de três avistamentos, centralizados sobre a região das Beiras Alta e Baixa. 

No mês de Agosto houve uma nova quebra, havendo um novo crescimento de ocorrências em Setembro, com culminação em Outubro, seguida de decréscimo em Novembro e término com o fim do ano.

Houve ainda um caso sem data definida, ocorrido durante o verão, na localidade algarvia de Olhão, onde foi observado um disco brilhante. O mês de Setembro ficou marcado pelo EI 3º Grau ocorrido no aeroporto da Ilha de Santa Maria, nos Açores, na noite de 20 de Setembro, tendo como protagonista o guarda nocturno Vitorino Lourenço Monteiro, que viveu uma experiência bastante insólita. Nessa noite pôde assistir à aterragem de um objecto charutóide na pista do aeroporto, de onde saiu um ser de aspecto completamente humano, que chegou a cumprimentar, com aperto de mão, o guarda, dirigindo-lhe ainda algumas palavras em língua estranha.
O ocupante do veículo voltou a entrar no mesmo e partiu.

Este caso foi incluído no Passaporte para Magónia, da autoria de Jacques Vallée.
É um caso bastante estranho, principalmente devido ao comportamento e aspecto demasiado humano do ocupante do ovni.
Este mês ficou também marcado pela fraude de Almaceda, nas imediações da Gardunha.
É no mês de Outubro que se verifica o pico da actividade nesse ano, coincidindo com a vaga ovni em França.
Nesse mês o aspecto dominante dos objectos observados, foi o de “charuto”, e várias vezes de charuto preto, havendo alguma correlação com o caso de 20 de Setembro.

Abaixo poderão observar o gráfico das ocorrências ovni, em Portugal, entre 1953 e 1954, sendo bastante perceptível a vaga ovni de 1954.
O gráfico expõe as ocorrências em bruto, ou seja, estão incluídos todos os casos, mesmo as confusões ou fraudes, o que neste caso não altera os valores, pois só existem duas ocorrências desse tipo.
Os dois casos, de Junho e Agosto de 1953, não têm data certa, podendo não ter ocorrido nesses meses. O caso de Agosto de 1954, não tem mês certo e o de 1955, do mesmo mês, também é indefinido.

Avistamentos em 2004 


O estudo dos ovni, no nosso país, sofreu uma quebra acentuada com a chegada do final da década de noventa.
Alguns grupos importantes, como a Associação Portuguesa de Pesquisa
OVNI (APPO) e a Comissão Nacional de Investigação do Fenómeno OVNI (CNIFO), acabaram por assistir à sua dissolução com a chegada do novo milénio.
Sendo assim, na actualidade, a investigação de campo, recolha de depoimentos ou informação sobre alguma ocorrência ovni em território nacional, passou a ser demasiado escassa, ou quase nula.
Com isto quero dar-vos uma imagem mais fiável do cenário actual da ovnilogia portuguesa.

E é esse cenário, que se vem sentindo nos últimos anos, mais um dos motivos pelos quais penso estarmos perante um acréscimo anormal de ocorrências ovni neste ano de 2004.
A lista dos casos de que tive conhecimento, e a qual exponho abaixo, refere-se a casos em bruto, ou casos
“virgens”, ou seja, avistamentos ovni que não tiveram uma investigação mais profunda.

Exceptuando alguns, os restantes são apenas pequenos avistamentos sem investigação posterior.

Lista de ocorrências de teor ovni em 2004 (até 1 de Agosto):

# 17 de Março de 2004, Bairro Alto Lisboa. Foi observado um objecto em forma de triângulo,
negro e com algumas luzes no interior do triângulo. Investigado pela APO.

# 10 de Abril de 2004, de noite, Fonte da Telha. Foi observado, durante algum tempo, um total
de três luzes, que executavam movimentos em ziguezague. Investigado pela APO.

# 26 de Abril de 2004, de noite, Guarda. Foi observado durante algum tempo uma luz
estacionária, semelhante a astro, e que mudava de cores. Informação da testemunha.

# Maio de 2004, Porto(?). Vídeo de luz avermelhada. Informação insuficiente.

# 11 de Maio de 2004, Figueira da Foz. A testemunha fez vídeo da observação, mas não tive a possibilidade de ver o resultado até ao momento.

# 16 de Maio de 2004, de noite, Portimão. Observado objecto luminoso, em deslocamento rápido, fazendo algumas evoluções, ao longe, e que parecia ter um aspecto de disco branco.
Informação de uma das testemunhas.

# 16 de Maio de 2004, ao crepúsculo, Cacém. Foto de fenómeno luminoso. Informação da testemunha.

# 30 de Maio de 2004, à tarde, Lisboa. Observado objecto negro, em evoluções. Informação de amigo da testemunha.

# 31 de Maio de 2004, à tarde, Barragem de Monte Novo, Évora. Foto de ovni, noticiada em vários meios de comunicação social.[3] Foto bastante curiosa, provavelmente uma das mais
interessantes alguma vez feita em Portugal.

# 1 de Junho de 2004, de noite, Portugal Continental e várias regiões de Espanha. O caso mais mediático dos últimos tempos. Observado em todo o país continental, com um grande número
de testemunhas e a horas diferentes. Detectado a horas diferentes em radar, filmado e fotografado. Possibilidade de vários objectos. Forma fusiforme, com rasto e foco potente.
Provavelmente um dos casos, senão o caso mais interessante da história ovnilógica do nosso país. Mais um apoio à possibilidade de vaga ovni.

# 4 de Junho de 2004, fim de tarde, Crel-Lisboa. Objecto com rasto. Feita foto com telemóvel, mas com resultado pouco satisfatório. Informação de irmã da testemunha.

# 7 (?) de Junho de 2004, de noite, Sacavém. Observado fenómeno luminoso pulsante, que executou ângulo de noventa graus. Informação da testemunha.

# 8 de Junho de 2004, de dia, Vendas Novas. Foto de objectos fantasma (não visto na altura). Consultar http://ovnis.esoterica.pt

# 11 de Junho de 2004, de noite, Vila Nova de Gaia. Observadas vários luzes durante algum tempo. Informação de NUFORC www.nuforc.org

# 25 de Junho de 2004, de noite, Coruche. Observada luz alaranjada em movimento.
Informação da testemunha.

# 26 de Junho de 2004, de madrugada, Cabo da Roca. Observado durante algum tempo luzes pulsantes (vermelho e branco), que deslocavam-se em sentidos norte-sul ou vice-versa. A certo momento dois dos fenómenos luminosos pareciam ir de encontro um ao outro, mas no final um deles desviou-se ascendentemente. As testemunhas participavam no Alerta OVNI 2004, que teve alguns participantes em Portugal, mas foi organizado no país vizinho. Na região da Ericeira estiveram vigilantes entre as 01h00 e as 02h00, mas não viram nada de anormal.
Foi feita foto que mostra anomalia. Informação de uma das testemunhas.

# 26 de Junho de 2004, de noite, Algoso-Vimioso. Possível queda de meteorito, com recuperação de vestígios do mesmo. Bolas de fogo. Uma das mesmas caiu e provocou incêndio. O caso não é muito normal, mas poderá tratar-se de algo perfeitamente identificável.
De salientar que nessa noite toda a península ibérica observava o céu, e não foi observado nenhum bólide de grandes proporções, que desse origem ao meteorito. No alerta ovni dessa noite foram observados alguns ovni em Espanha, e pelos vistos em Portugal também.
Informação dos média.[4]

# 27 de Junho de 2004, de noite, zona de Vila Real. O JN fala de duas luzes vermelhas observadas em vários localidades próximas de Vila Real, relacionando o facto com o meteorito
de Algoso.

# 28 de Junho de 2004, de noite, Porto. Observada luz avermelhada. Informação datestemunha.

# Julho de 2004, Ilha do Faial, Açores. Observados três discos em formação. Informação de forum Apovni http://apovni.proboards33.com Informação insuficiente.

# 2 de Julho de 2004, Ponte 25 de Abril, Lisboa. Ovni observado por vários automobilistas na Ponte 25 de Abril. Informação de Nuno Silveira-APO. Informação insuficiente.

# 3 de Julho de 2004, de dia, Lisboa. Observado ovni com névoa. Mesma testemunha do caso de 30 de Maio. Informação de amigo da testemunha.
# 4 de Julho de 2004, de madrugada, Beja. Observada luz branco-azulada. Informação da testemunha.

# 4 de Julho de 2004, de noite, Pontinha, Lisboa. Observada luz vermelha em movimento.
Possível confusão com helicóptero (final do Euro 2004). Informação da testemunha.

# 9 de Julho de 2004, de noite, Penafiel. Observada luz vermelha. Informação de primo da testemunha.

# 10 de Julho de 2004, de madrugada, Caparica(?). Observada luz branca em movimento rápido. Horas depois a testemunha observa luz idêntica na Ponte 25 de Abril.

# 10 de Julho de 2004, à tarde, Palmela. Observado objecto negro, ao longe. Possível confusão com avião de carga dirigindo-se para a base do Montijo. Observação pessoal.

# 21 de Julho de 2004, de noite, Paúl da Serra, Madeira. Caso extremamente interessante testemunhado por várias pessoas. Trata-se de uma resposta a sinais luminosos feitos durante
vários noites, utilizando uma lanterna potente. Sinais esses feitos em direcção ao céu nocturno.
Não deixe de ler o relato em www.ufogenesis.com.br

# 24 de Julho de 2004, de noite, Carcavelos. As mesmas testemunhas que observaram as luzes em 10 de Abril, voltaram a observar um fenómeno muito idêntico, à mesma hora, no mesmo dia de semana (sábado), e com comportamentos semelhantes (aos S’s). Informação de
Carlos Teixeira, amigo das testemunhas.

# 29 de Julho de 2004, de noite, Portimão. Observada luz, semelhante à estrela Antares, deslocando-se de Oeste para Este. Nenhum satélite, que tenha passado nessa noite sobre o
local, corresponde ao fenómeno observado.

O facto de serem quase todos protagonizados por pessoas mais próximas, ou seja, amigos, amigos de amigos, etc, é, a meu ver, mais um indício de que estejamos perante uma
vaga ovni, pois, caso contrário, não seria normal haver um tão grande número de avistamentos por parte de um universo tão pequeno de observadores.

Há a salientar ainda o facto de
algumas das testemunhas terem observado fenómenos insólitos mais de uma vez, veja-se o caso das testemunhas da Fonte da Telha e Carcavelos, que curiosamente observaram a mesma coisa, ou coisa muito semelhante.
Entrei em contacto com o investigador espanhol Javier Garcia Blanco, via mail, pouco depois do caso de 1 de Junho, tentando obter alguma informação sobre avistamentos ovni em Espanha e expondo-lhe a minha opinião de podermos estar perante uma vaga ovni.

Curiosamente o Javier Blanco, em resposta que me enviou, disse que também estava inclinado no mesmo sentido e no momento até estava a escrever um artigo sobre essa possibilidade, artigo esse que pode ser lido na revista ANO CERO.

Na fenomenologia ovni, é bastante evidente o fenómeno das grandes vagas. As mais famosas ocorreram em 1946, 1952, 1954, 1957, 1965, entre outros anos.
Mas a de 1954 foi mesmo uma das maiores, e este ano, mais propriamente no início de Outono, comemora-se os cinquenta anos sobre a sua passagem. Curiosamente parece que os ovnis também voltaram para comemorar.

É essa a questão que deveremos colocar neste momento: Será que estamos perante o início de uma nova vaga, semelhante à de 1954?

Já se especulou bastante sobre o porquê das vagas ovni, alguns relacionaram-no com a aproximação do planeta Marte à Terra, o que até pode fazer algum sentido (não esqueçamos a maior oposição de Marte da história, em 2003).
Alguns fazem alguma correlação entre a
actividade solar e número de avistamentos, teoria com a qual simpatizo um pouco.
Mas na verdade muito haverá ainda por investigar, na tentativa de perceber o porquê das vagas ovni e o porquê dos ovni em si.

Na verdade nem existe um fenómeno ovni, mas sim vários tipos de
fenómenos aéreos e também submarinos, de teor idêntico, de diversas origens e explicações.
Alguns de origem natural, mas num entanto, desconhecida, outros de origem natural conhecida, outros de origem humana, outros de possível origem extraterrestre inteligente, outros de origem inteligente, mas de possíveis mundos paralelos, etc.

Passados quase sessenta anos sobre o início da ovnilogia moderna (a partir de 1947), muito pouco se avançou no desvendar deste mistério... Existem muitos motivos para as coisas terem acontecido assim, motivos esses que provêem das nossas próprias características humanas, do nosso modo de ser e da nossa mente problemática. Pedir um esclarecimento imediato sobre todo este mistério que envolve os ovni, que já de si são fugidios, é pedir de mais, mas o pior é quando os entraves vêem da parte dos próprios ovnilogistas, o que infelizmente acontece com bastante frequência.

Como podemos desvendar um mistério penoso, quando nem nos conseguimos unir para esse efeito?

Conclusão
O presente texto, feito um pouco em cima do joelho, diga-se de passagem, não pretende impor nenhuma teoria ou opinião, mas somente expor as mesmas e tentar trazer mais alguma informação sobre a actualidade ovni no nosso país. Tendo em conta os últimos acontecimentos, relacionados com o tema, fazia todo o sentido um texto como o presente.

Agradeço a disponibilidade do espaço no site, fornecido pela Associação de Pesquisa OVNI (APO), e espero que a presente informação tenha sido útil ao leitor internauta.

[1] “Os OVNIs e a Vida no Universo”, Sánchez Bueno, Edições António Ramos, 1978; “OVNISem Portugal”, Joaquim Fernandes, editora Nova Crítica, 1978; “Os OVNI na Época Contemporânea”, Sánchez Bueno, Círculo de Leitores, 1992; PORTUCAT – Catálogo de casos ovni portugueses, Vítor Lourenço; Casuística em Portugal – PUFORA Algarve; Anomalia,Volume 1/1993, CNIFO.

[2] É possível haver algum equivoco nas fontes e tratar-se apenas de um caso e não dois, masinclino-me mais para a segunda possibilidade.

[3] Foi noticiado no dia 8 de junho de 2004, na TVI, SIC, Correio da Manhã e Diário de Notícias.

[4] Jornal de Notícias e SIC.

Excelente matéria desenvolvida por Filipe Gomes da extinta "SPO" Sociedade Portuguesa de Ovnilogia.

sexta-feira, 23 de março de 2018

O “OVNI” do Cabo Espichel- Portugal

Segundo uma lenda documentada em 1336, o culto da Senhora do Cabo do Cabo Espichel estaria relacionado com a observação por dois anciões que viram uma “estranha luz” que iluminava todo o cabo.

Lugares Inesquecíveis de Portugal
Paulo Loução
Eranos

A “estranha luz” segundo a lenda explicaria o trilho da mula que hoje se sabe ser apenas o testemunho fóssil de uma caminhada de sauropodes e gravada na pedra, mas pode também ser uma recordação da observação de um OVNI por parte da testemunha que terá observado o fenómeno, transpondo-o assim até à atualidade e enquadrando-o no cenário religioso que servia na época para explicar todas as anomalias que se observavam na natureza.
Fica a possibilidade…

Desvendado finalmente mistério da múmia extraterrestre chilena


Um estudo agora revelado permitiu concluir que a ATA, a pequena múmia chilena de aparência extraterrestre encontrada no deserto do Atacama em 2003, é o esqueleto de uma menina que nasceu prematura e com várias mutações genéticas.

Depois de no início do mês terem sido anunciados primeiros resultados de uma análise de ADN à misteriosa múmia de Nazca, no Perú, uma equipa de cientistas revelou agora detalhes sobre um outro mistério semelhante: a origem de ATA, a múmia chilena que nos últimos anos tem causado alvoroço na comunidade científica internacional.


Encontrada em 2003, no deserto do Atacama, a estranha forma do esqueleto, de apenas 15 centímetros, alimentou rumores de que seria extraterrestre. A hipótese foi rapidamente descartada pelos cientistas, mas várias questões permaneciam sem resposta.

O estudo da pequena múmia, cuja análise do material genético durou cinco anos, revelou que o esqueleto pertence a uma menina que teve várias mutações genéticas

Os resultados do estudo foram publicados esta quinta-feira no jornal Genome Research.
Segundo os investigadores, trata-se de uma criança prematura, que nasceu com diversas deformações nos ossos e crânio devido a uma série de mutações ligadas a nanismo e ao envelhecimento prematuro. 

Anteriormente, especialistas acreditavam que os ossos pertenciam a uma criança com idade entre seis e oito anos.
Os investigadores acreditam que Ata nasceu morta ou morreu logo após o nascimento. 

A análise revelou também que o esqueleto, encontrado no interior de uma bolsa de couro atrás de uma igreja, nasceu há menos de 40 anos.
Usando o ADN extraído da medula óssea da múmia, os investigadores fizeram uma análise completa do seu genoma, tendo conseguido determinar sem qualquer dúvida que a pequena múmia é humana, e até a sua origem geográfica. 


Ata é sul-americana, provavelmente da região andina.
De acordo com Garry Nolan, investigador da Universidade de Medicina de Stanford e um dos autores do estudo, a descoberta pode no futuro ajudar a descobrir tratamentos para pacientes com problemas nos ossos. “Talvez possa haver alguma forma de acelerar o crescimento dos ossos”, acrescentou o cientista, citado pelo The Washington Post.

Além do crânio visivelmente alongado e das cavidades oculares anormalmente grandes, uma das deformações mais notórias de Ata é o número de costelas: tem apenas 10 pares, quando o normal seriam 12.
“Todos nascemos com uma ou outra mutação. Tantas mutações como as que conseguimos identificar não são normais num só indivíduo, mas foi apenas uma questão de azar“, explica Garry Nolan.


Parece que a história das múmias após grande alarido pela imprensa mundial e pseudo investigadores que apoiavam a tese extraterrestre, cai por água como a sua reputação.
Ainda não foi desta.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Fim do mistério das múmias de Nazca?

Esqueletos de mistério descobertos num túmulo perto das linhas de Nazca no Peru no ano passado com cabeças alongadas foram apelidadas de "seres humanóides" por diversos investigadores.

O professor Konstantin Korotkov, da Universidade Nacional de Pesquisa da Rússia, afirmou que fez testes de DNA para provar que não eram humanos. 

Mas agora especialistas afirmam que as múmias alienígenas podem ser humanas!

Elas são realmente corpos humanos manipulados e saqueados no Peru.
O investigador de Ciência Biomédica do Conselho Americano de Ciência e Saúde, Alex Berezow, acredita que as alegações de que os corpos são alienígenas são uma "não-história".

Já as autoridades peruanas alegaram que as múmias foram o resultado de um ataque de saque a um local histórico em 2015.
Um grupo de investigadores acrescentou que a apresentação das múmias "alienígenas" havia "violado várias normas nacionais e internacionais".

Acreditam que as frágeis múmias tinham as suas mãos e pés distorcidos e manipulados!
O professor de ciências forenses da Universidade Peruana Cayetano Heredia Guido Lombardi disse à Live Science: “Eu particularmente acho repulsivo que alguém desumanize corpos humanos falecidos”.

quarta-feira, 21 de março de 2018

Eles andam ai, por "BOSS AC"



Talvez seja arrogância pensar que estamos sozinhos nesta imensidão que é o Universo.
Haverá vida fora da Terra? 

Outros seres de planetas longínquos?
Se o Homem não tivesse olhos, não teria a noção das cores.
Mas, por ser dotado da visão, consegue distinguir milhares de cores e as suas variações.

Quem nos garante que não podemos provar a existência dos ET por não termos um órgão que os possa detectar?
Quem nos garante que eles não andam entre nós e não os conseguimos identificar?
O cinema tem ao longo dos anos perpetuado a ideia de extraterrestres com aspecto humano. 

Criaturas cinzentas, de baixa estatura e cabeças e olhos enormes.
Ainda há pouco passei por uma pessoa que para ser ET só lhe faltava ser cinzento.
Também se parte do princípio que são hostis e querem dominar a Terra.
Será? 

Quem tem de temer quem? 

As guerras, a destruição do meio ambiente, a fome e a pobreza, o desrespeito pelos direitos humanos e todas as maleitas do Planeta serão culpa deles?

Einstein disse que o tempo é relativo e uns milhões de anos na Terra podem equivaler a uns minutos para os extraterrestres.
Eles podem ter vindo há milénios e, como só viram dinossauros e vulcões em erupção, voltaram para casa com a ideia de regressar daqui a uns minutos.

Há quem defenda em programas de TV que as pirâmides do Egipto – entre outras maravilhas do passado, construídas há milhares de anos, com uma precisão geométrica que ainda hoje deixa os cientistas estupefactos – tenham sido tecnologia alienígena passada pelos aliens antes de regressarem aos seus planetas.

Até há quem defenda que a própria Lua é, na verdade, uma nave espacial.
Cada um acredita no que quer. 

E se o invasor for o oxigénio? 

Pode demorar décadas mas, inevitavelmente, após anos e anos a inalar o dito gás, todos acabamos por ‘bater a bota’.

Acredito que haja muito mais informação do que o comum dos mortais saberá.
Por alguma razão os EUA têm a famosa base militar restrita e secreta no Nevada – a Área 51 –, onde supostamente se guardam as provas de vida alienígena.

Há imensos relatos de abduções de humanos por parte de OVNI.
Se me quiserem raptar, peço apenas que me informem com a devida antecedência. 
Assim, tenho tempo para pôr numa mochila a escova de dentes e o carregador do telemóvel. 

Amigo ET, se estiveres a ler isto, quero que saibas que és muito bem-vindo lá em casa.
Só não podes é fumar e tens de deixar os sapatos no hall de entrada.  

CM 

domingo, 18 de março de 2018

O descrédito da imprensa ao fenómeno OVNI

O estudo do fenómeno OVNI e a imprensa será um tema que irei abreviar com algumas palavras que poderão ferir a sensibilidade de algumas pessoas, inclusive jornalistas que honram a sua profissão.

Não é de agora que o jornalismo tem vindo a criar falsas noticias "Fake News", quando existem interesses políticos ou partidários.
Os seus dirigentes, acabam diretamente ou indiretamente ter ligações políticas ou mesmo com o governo!

Jornalismo este que de ano para ano, tem vindo a degradar com informações de assuntos que não são de carácter informativo, útil para o povo ou mesmo país!
Um jornalismo que se entregou ao malabarismo da vida alheia e futebois que em nada contribui, mas sim o desviar das atenções de assuntos bem mais importantes, inclusive assuntos esses com alguma gravidade!

No mundo do fenómeno ovni este assunto tem vindo a ser debatido faz anos, entre milhares de pessoas na web e aficionados sobre ovnis e vida extraterrestre.
A grande questão permanece no porquê de não existir uma maior divulgação da imprensa sobre este tema embora polémico, mas apaixonante?
A imprensa quando publica algum assunto sobre o fenómeno, indiretamente faz do tema um circo, onde existe um desrespeito total para quem estuda, se dedica horas, dias, semanas, meses e anos de vida a analisar, estudar, compreender o fenómeno em si.
Este é um problema generalizado em que a imprensa realiza uma campanha em que tenta de alguma forma desacreditar o fenómeno ovni, não só em Portugal, mas também lá fora!


Podemos constatar através de diversos jornais estrangeiros que um simples insecto, reflexo de luz numa lente, ou ave desfocada, até mesmo aplicativos com falsos ovnis que podem ser baixados para Smartphones é levado pelo jornalista como um OVET "Objecto Voador Extraterrestre", demonstrando total desonhecimento para explicações básicas o que irá fomentar o descrédito dentro da ovnilogia, isto mais quando o jornalista em si, pouco ou nada conhece sobre o fenómeno!
Fazem deste tema manchete nas suas capas dos jornais e até mesmo nas suas páginas na web, levando um grande número de pessoas a ler algo que não condiz com a realidade.

Esta atitude, postura da imprensa, levará pessoas sérias com uma boa cultura geral a pensar que, Objectos Voadores Não Identificados, são imaginação das pessoas, pelo simples facto de que os OVNIS apresentados pela imprensa não passam de erros e más interpretações com explicações básicas!
Existem casos, histórias que merecem uma especial atenção, mas que devido ao seu grau de autenticidade a imprensa não pega no assunto... Não lhes interessa... Porquê?

Após a divulgação de que os EUA tiveram durante alguns anos um projecto secreto de investigação sobre OVNIs em que houve um investimento de milhões de dólares, houve uma espécie de BUMM, de informação falsa em diversos jornais internacionais através dos seus Sites.
Isto nos leva a questionar, que existe uma tentativa de dar descrédito sobre o assunto levando as pessoas a se desinteressarem do assunto!
Na década de 90, embora com pouca abertura pelo tema ovni, a imprensa mostrava mais profissionalismo, abordava o assunto com mais seriedade!
Atualmente observamos uma imprensa sem conhecimento, cultura, onde se faz jornalismo sem qualquer formação!

Onde o jornalista toma o lugar do Policia, do Investigador de OVNIs, onde o jornalista sobre tudo especula sem o devido conhecimento ao invés de procurar especialistas nas diversas áreas de forma a prestar uma informação saudável e correta ao seu público.
É de lamentar o jornalismo existente, que não trata com devido respeito o fenómeno ovni.

Será de salientar embora a critica acima, alguns jornalistas estudaram de perto o fenómeno, se inteiraram sobre o assunto e deles construíram excelentes obras literárias!
Trabalho esse que teve de ser de carácter individual e não nas redações!

Ao longo dos anos temos tido inúmeros contactos com diversos jornalistas de diversas áreas, onde muitos dos seus trabalhos foram negados após semanas de trabalho árduo.
Foto 2001, caso ovni do quintal Algarve
Por outro lado uma má noticia com um falso avistamento como o foi em 2001, quando a TVI e Imprensa em geral, bombardeou o público com um avistamento de um OVNI de dois irmãos no quintal de um prédio em pleno Algarve onde curiosamente realizaram uma foto, que na verdade não passava de um brinquedo da loja dos chineses!
A noticia era falsa e bem visível perante o conhecimento da imprensa. Mas era um tema que vendia e o público pela curiosidade no assunto comprava.

Para quem estudava o fenómeno, sabia perfeitamente que se tratava de uma má informação. "Não era OVNI, mas sim um Objecto Bem Identificado, by loja dos chineses.
Uma vez mais a imprensa optou por cozinhar uma falsa informação ao invés de a analisar, para horas depois servir ao público essa sopa confecionada com um malabarismo de interesses.
Poucos dias após essa falsa noticia, os dois irmãos confessaram que efetivamente se tratou de uma brincadeira com um pião com luzes decidindo brincar com o assunto.
Nada que na época algumas pessoas não tivessem alertado!
Casos sem importância ou falsos testemunhos parecem ser a sua especialidade, ignorando totalmente casos recentes, histórias que podem e mudam o curso do fenómeno ovni não só no país mas também lá fora.

Até quando a imprensa, irá negar o assunto, até quando irá deixar de lado um tema de extrema importância?

Não se consegue entender muito bem a finalidade da falsa informação sobre o fenómeno patrocinado pela imprensa!

Óbvio que nem tudo o que brilha no céu será de natureza extraterrestre!
Em terra existem projectos militares denominados "Top Secret", que são muito capaz de ultrapassar a imaginação ou mesmo a ficção cientifica.

Este é um grave problema que atualmente temos vindo a enfrentar na área do fenómeno OVNI, que por sua vez não tem sido levado com seriedade pela imprensa, deixando muito a desejar.

Todos procuramos as mesmas repostas, mas será mais difícil de as encontrar quando existe uma imensa fábrica de produzir falsa informação induzindo as pessoas ao ridículo.

Muitas palavras ficam por ser ditas, ficando por aqui de momento, deixando apenas o alerta às pessoas que acreditam no fenómeno e também aos poucos e bons jornalistas que ainda existem.

A Ovnilogia merece mais respeito

sábado, 17 de março de 2018

40 anos de mistério no caso da criança de Tordesilhas - Espanha

Este caso de que vou falar hoje aconteceu na cidade de Tordesilhas, na Espanha.
O caso da criança de Tordesilhas retrata uma criança identificada apenas pelo nome de Martin Rodriguez, que teria sido atingida por uma luz misteriosa vinda de um OVNI.
Martin sobreviveu a esse evento, mas acabou por apresentar algumas consequências e um estranho aumento da sua capacidade intelectual.

No dia 1 de Outubro de 1977, Martin e alguns amigos brincavam nas proximidades de Tordesilhas, na província de Valladolid.
Eles estavam a brincar às escondidas, e durante a procura por um lugar para se refugiar, Martin e seu amigo, Fernando Rodriguez Caravelos, acabaram por descobrir um curral velho perto da estrada de Valladolid-Zamora.
Era costume brincar na região, e para se certificarem de que o curral estava vazio, atiraram uma pedra lá para dentro.
A pedra acabou por atingir algo, e o impacto da pedra contra o objecto gerou um estranho som metálico, que aguçou a curiosidade das crianças, pois eles sabiam que no interior do celeiro não havia nada que pudesse emitir aquele som.
Movidos pela curiosidade os dois entraram para investigar.

No interior do antigo celeiro, eles encontraram um artefato que não condizia muito com o local.
O estranho objecto metálico possuía a forma de uma gota de água e tinha cerca de 3 metros de altura e 2 metros de largura, era dotado de três janelas circulares, como se elas fossem destinadas a vigias. Os suportes eram formados por uma estrutura em ziguezague e terminavam numa espécie de triângulo pontiagudo.
A porta era dividida em duas.
No lado direito da estrutura havia uma espécie de bico formado por um multi cilindro (espécie de cilindro telescópico) cercado de vapor condensado.
O objecto parecia ser circundado de bolhas de sabão, e emitia um som baixo e irritante.

Desenho do objecto, feito por Martin.

De repente, o objecto levantou-se e emitiu um estranho brilho de luz que acabou atingindo o peito de Martin.
A luz parecia segurá-lo apesar das tentativas de Fernando em libertar o amigo, puxando-o com força. As pupilas de Martin dilataram-se e o ele começou a suar.
Inesperadamente, o objecto liberta-o e desaparece, a voar, deixando Martin caído no chão inconsciente.

Mais tarde, Martin declarou:
“A sensação que eu tinha era que tinha alguma coisa dentro daquele objecto.
Algo que me deixou paralisado sem permitir que eu me movesse.
Foi então que comecei a sentir tonturas e fui perdendo os sentidos.
Essa foi a última imagem eu tive.”

Fernando e as outras crianças que presenciaram o evento disseram aos moradores locais que o estranho objecto voou para o céu.
O pai de Martin foi para o celeiro, onde encontrou três marcações triangulares e terra queimada que cheirava a enxofre.
Foi recolhida uma amostra dessa terra, que mais tarde, foi estudada.
Os estudos realizados concluíram que as amostras de solo colhidas naquele dia estiveram submetidas a uma temperatura de aproximadamente 600°C.
Esses estudos foram conduzidos por Iker Jimenez, 20 anos após o evento.
Entretanto, Ilker publicou um livro chamado “Enigmas e Mistérios”, onde ele apresenta esses factos e uma entrevista com Martin.

Nos anos seguintes, Martin Rodriguez, que sempre teve uma boa saúde, começou a sofrer dores de estômago, vómitos, tonturas, e perda de visão.
Foi internado no Hospital Redondo Onésimo na cidade de Valladolid, e a partir desse momento, foi operado 14 vezes.
Ele foi diagnosticado com hidrocefalia, o que exigiu que seu crânio fosse aberto em treze intervenções cirúrgicas.
Aparentemente, esse problema de saúde surgiu após o evento no celeiro.
Mas após esse enigmático e traumatizante episódio, Martin passou a desenvolver uma grande capacidade de retenção de memória e um talento especial para a resolução de problemas lógicos.
Até então, ele tinha sérios problemas de aprendizagem em matemática na escola.

Ao longo dos anos, Martin sofreu inúmeras recaídas que levavam a comas de rotina e muitos dos seus familiares e amigos pensaram que ele poderia morrer a qualquer hora.
Mas a vida de Martin continuou mais ou menos normal, apesar da sua doença e do sofrimento em decorrência das operações realizadas.
O caso de Martin é tido como um dos mais importantes casos ufológicos da Espanha, tanto pelas testemunhas que viram o tal objecto voando, como pelas consequências que tal interacção causou em Martin.
É claro que os problemas de saúde e o desenvolvimento intelectual que foram notados nele, podem ser tema de diversas discussões entre os grupos de cépticos e de ufólogos que defendem que Martin de fato foi vitima de um contacto com extraterrestres.
Tanto o problema de saúde, como a questão de desenvolvimento intelectual repentino, não podem ser usados para garantir que tal interacção entre duas raças inteligentes de facto aconteceu, mas todo o contexto e as diversas testemunhas que presenciaram e participaram do evento em si, fazem desse um dos casos mais completos e bem documentados na ufologia espanhola.

Estrela da musica Pop Kim Wilde acredita ter visto um OVNI a pairar sobre a sua casa

A estrela pop dos anos oitenta, Kim Wilde, está de volta, prestes a lançar o novo álbum. 
O novo disco chama-se 'Here Come The Aliens' (Aí vêm os extraterrestres) e é reflexo das crenças da cantora que acredita na vida lá fora.

Kim Wilde de 57 anos, revelou gastar muito do seu tempo a observar o céu "em busca da vida extraterrestre", tendo já anteriormente admitido que vive com receio de ser sequestrada, depois de ter visto um OVNI a pairar sobre a sua casa em 2009.

"Havia algumas luzes maciças logo acima das nuvens, que se moviam para trás e para a frente de forma extraordinária.
Muitas pessoas testemunharam o fenómeno, e relataram a observação aos jornais locais", afirma Kim Wilde, no mês passado quando afirmou ter testemunhado o fenómeno.
Na altura, Kim brincou um pouco com o assunto alegando que os alienígenas podiam estar particularmente interessados ​​em si pelo sucesso da sua carreira.


"Disse ao meu marido que talvez o capitão do ovni fosse um grande fã de Kim Wilde e que queria saber onde eu moro. Estou preocupada que me leve e me obrigue a cantar 'Kids in America' para si para o resto da minha vida", disse ao Daily Mail.


sexta-feira, 16 de março de 2018

O que foi observado sobre Lisboa a 19 de Julho de 1983 durante o Concerto de Rod Stewart?


O que aconteceu a 19 de Julho de 1983 em Lisboa?
Correio dos leitores

"Na noite19 de Julho de 1983 houve um concerto em Lisboa no estádio do Belenenses de Rod Stewart.
Nessa noite aconteceu algo que ainda hoje me causa assombro por dois motivos.

O primeiro pelo facto daquilo que aconteceu.

O segundo pelo facto de nunca ter ouvido falar dele.

E estamos a falar de algo extraordinário.
Estavam milhares de pessoas junto ao rio.
Todas essas pessoas presenciaram o que eu vi.
E o que todos vimos foi de repente, passar no céu por cima de nós a uma altitude que me pareceu baixa pois tinha ruído, uma bola de fogo de tamanho considerável que se deslocava também a uma velocidade (pareceu) não muito elevada e que se deslocou em direcção ao mar, ( na direção em que me encontrava eu estaria mais ou menos em direcção ao cabo Espichel)
Desapareceu sem perceber se caiu ou não no mar.

Repito. A observação foi extraordinária.
Estavam milhares de pessoas e nos dia a seguir não ouvi uma única menção ao assunto
Estará por aqui alguém que também presenciou o mesmo?"

Tema avançado no Site da Radio Renascença  - "O cantor britânico actuou em Lisboa em 1983, no Estádio do Restelo, na famosa noite do OVNI. Regressou em grande forma em 2005, desta vez ao Pavilhão Atlântico. Rod Stewart escolheu a viragem do século para concretizar um sonho antigo: gravar alguns clássicos da canção americana... são três volumes de canções intemporais na voz de Rod Stewart".

Penso que definir a credibilidade do relator é importante, assim:
Fui piloto TAP 40 anos, à data da observação já tinha muitas horas de voo, interessava-me moderadamente pelo tema, tinha a certeza que um dia veria qualquer coisa de intrigante. Aconteceu nessa data.
Estava no estádio do Restelo, bancada norte, concerto de Rod Stewart. 
Seriam 20 horas, a visibilidade para Sul era total, abrangia a margem Sul totalmente.
Vi o UFO aparecer a Este, mancha branca oblonga, deslocar-se a velocidade vertiginosa para Oeste, em aceleração, sempre sobre a margem Sul.
Altitude baixa, entre 500 e mil pés. o tráfego aéreo que usa o beacon CP, passa lá  a 3000’ ou mais.
O meu conhecimento de aviões, que era e é vasto, excluiu de imediato que pudesse ser um avião.
Isto foi observado por alguns milhares de pessoas que aguardavam o concerto, ja que houve um ruído de espanto no estádio. O DN do dia seguinte mencionou o facto, de forma muito ligeira.
Também não lhe dei seguimento na altura, procurei os céus durante toda minha carreira e nada mais vi.
Porém, mais ou menos por esta data, um colega meu, à descolagem da pista 03 em Lisboa, cerca dos 1000’, teve que se desviar de forma abrupta daquilo que ele teve a certeza ser um UFO. É pessoa completamente isenta.

O meu interesse pelo assunto, levou-me a esporádicas intervenções com o programa Seti, e o facto da minha filha ser licenciada em astrofísica pelo Imperial, dedicando-se a exoplanetas, reavivaram o meu interesse.
Tudo isto vale o que vale, é uma  contribuição mínima e tardia.

Cumprimentos, atentamente, Luis

( Palavras de outra testemunha )
"Boa tarde. Chamo-me Virgílio Ramos e venho relatar o que assisti na célebre "Noite do Ovni" no estádio de Belenenses, no dia do concerto de Rod Stewart. Desloquei-me a esse concerto na companhia de um casal amigo e do meu irmão Alexandre Ramos (este veio com o bilhete da minha namorada, atual mulher, que se encontrava com uma intoxicação alimentar!). Eu tinha na altura 22 anos. No início do espetáculo apagaram-se as luzes e salvo erro, começou a tocar a música "The Stripper" que na altura servia de introdução ao espatáculo propriamente dito. O cantor e os músicos chegaram ao palco através das traseiras do mesmo, numa carrinha tipo Ford Transit. De repente o palco inundou-se de uma luz intensa, um misto de branco e azulado, passando a adquirir um efeito giratório. Todos pensámos tratar-se de efeitos especiais do concerto até que nos apercebemos que as ditas luzes não eram projetores de palco, estando alguns bons metros acima do mesmo. Por fugazes momentos conseguimos ver a silhueta de um enorme objeto circular (do tipo daquele que aparece no filme "Encontros imediatos do 3º grau). Um sujeito ao meu lado dá um enorme grito, proferindo as palavras: "Esta merda é um Ovni!). O objecto subiu na vertical com um velocidade vertiginosa, transformando-se num ponto brilhante no céu. De seguida seguiu uma trajetória em linha reta para o lado esquerdo, permanecendo estático por uns momentos e desaparecendo em seguida no firmamento. Ainda hoje em dia converso muitas vezes com o meu irmão sobre o sucedido. Curiosamente houve pessoas que estavam perto de nós que não se aperceberam. Uns estavam completamente focados no concerto e outros quase em êxtase pelo que tinham presenciado. No telejornal do dia seguinte entrevistaram um sujeito para falar sobre o assunto. Este disse não ter presenciado, mas sim o seu filho que esteve no concerto. A conclusão a que este senhor chegou é que se tratava de um meteorito!!!! É de salientar que não tínhamos ingerido bebidas alcoólicas, nem usado qualquer tipo de droga. Aqui fica o relato. Qualquer informação adicional, disponham.

Dr. Alexandre Ramos - Estive a ler o relato feito pelo meu irmão, Virgílio Ramos. Corroboro tudo e ainda acrescentaria que, quando o objeto deu a arrancada final em direção às estrelas, ouviu-se no Estádio do Restelo um grande ÒÓÓÓÓÓÓ de um elevado número de pessoas. Estive a cerca de 100 metros ou menos de uma nave que estaria milhares de anos mais avançada do que a tecnologia humana mais moderna. Tratou-se sem dúvida do evento mais significativo da minha vida e nunca o esquecerei. Este evento foi comentado no dia seguinte na RTP 1 por um suposto comandante da TAP, que disse que o seu filho esteve no concerto e que o objeto seria uma estrela cadente. Nunca mais ninguém falou do assunto, dado que o "especialista" disse tratar-se apenas de uma estrela cadente, apesar de não ter testemunhado o evento. Trata-se do comentário mais estúpido que alguma vez ouvi, porque o objeto esteve parado alguns minutos por cima do palco do concerto. Provavelmente, os extraterrestres ficaram surpreendidos pela intensidade das luzes do concerto e vieram dar uma espreitadela. Recordo-me de ter lido nos jornais que o Rod Stewart trazia a melhor aparelhagem do mundo, qualquer coisa como 99 mil watts de som e 264 mil watts de luz. Rapidamente devem ter percebido que se tratava apenas de um evento cultural de um grupo de primitivos e partiram a toda a velocidade.

Poderá se tratar de um fenómeno natural "Meteorito", não descartando essa possibilidade, porem o testemunho de mais pessoas poderá ser fulcral para esta presumível identificação.

Se esteve presente neste concerto de Rod Stewart em 1983, possuir fotos ou até vídeo do espetáculo musical, verifique as imagens em busca de algo no céu.

Neste momento o UFO Portugal Network procura imagens do evento.

Se tiver informações sobre este incidente queira por favor entrar em contacto connosco através do e-mail: ufo_portugal@sapo.pt

A recepção do fenómeno ovni na imprensa portuguesa


Os jornais portugueses não se mostraram indiferentes às notícias que, com crescente insistência, as agências noticiosas internacionais começaram a difundir a partir de 1946, relatando sucessivas observações de estranhos engenhos nos céus do planeta.

Cerca de um ano antes de os clássicos objectos discoidais terem sido notificados por Kenneth Arnold e popularizados pela configuração mítica do ”disco voador”, já a Europa fora palco privilegiado de múltiplas observações aéreas de engenhos em forma de foguete ou míssil. Os paises escandinavos constituíram então, com especial incidência nos meses de Julho, Agosto e Setembro de 1946, o observatório ideal, onde as testemunhas, de olhos no céu, começaram a ver passar nas alturas novos artefactos de uma tecnologia desconhecida.

A primeira notícia dessas inesperadas aparições, distribuída pela agência Reuter, foi discretamente inserida nas edições de 11 de Julho de 1946 de dois diários portugueses, por sinal de reduzida circulação. O jornal A Voz, publicado em Lisboa, um diário de inspiração católica, editou a informação na pág.6, a uma coluna, com o título ”Luzes no céu”. Por seu turno, o Correio do Minho, editado em Braga, publicação marcadamente regionalista, reproduziu o mesmo texto na pág.3 na rubrica ”Os acontecimentos”, também a uma coluna, com o título ”Fenómenos astronómicos na Suécia”. O trabalho da Reuter dizia o seguinte:

Estocolmo, 10 – Luzes que se vêem no céu e parecem ser meteoros, que tem sido observadas em várias partes do país, estão intrigando o povo da Suécia. Ainda não foi dada qualquer explicação verosímil, embora fenómenos semelhantes se tenham anteriormente observado, verificando-se sempre serem de origem astronómica.

No dia imediato, seria a vez de outro periódico, relativamente modesto, o diário lisboeta Vitória, emparceirar com os jornais anteriores, noticiando a continuidade do ”mistério nórdico”, titulando a quatro colunas ”Projécteis desconhecidos caíram na Suécia”. A informação da Reuter explicava que ”o correspondente em Estocolmo do Daily Mail informara que um projéctil com a forma de um charuto, dirigido pela rádio, caiu ontem na praia de Sundsvall”. Nos destroços teria sido encontrado ”um pequeno cilindro de papel de forma quadriculada, apresentando um dos fragmentos desse papel algumas marcas”. O correspondente do jornal britânico fornecia ainda detalhes acerca da velocidade calculada do engenho (cerca de 185 km/hora) da dimensão da ”cauda” (cerca de 40 m) e da produção, durante o voo, ”de uma luz extremamente forte que ofuscava o Sol”. A notícia terminava assegurando que ”o metal desta arma é tão leve que flutua na água”.

Em Agosto do mesmo ano, os restantes jornais portugueses, na sua generalidade, passam a transcrever os principais despachos das agências, que prosseguem a descrição dos avistamentos dos enigmáticos engenhos. Agora, também a Grécia, França, Áustria e Holanda passam a verificar com os seus próprios olhos o que espantou os seus vizinhos do Norte.

As informações mais detalhadas passam a ter honras de primeira página em alguns jornais nacionais, e a revista semanal Vida Mundial abria a primeira página da sua edição de 14 de Setembro seguinte com uma fotografia de um dos ”meteoros misteriosos” sobre a Suécia. O engenho fora foto- grafado por um amador, Erik Reuterswaerd, ao passar sobre uma das ilhas em frente a Estocolmo. A legenda é definitiva: ”Trata-se de foguetões do tipo V1 e V2 – as famosas armas do arsenal nazi –, mas ninguém sabe de onde partem”, acautela o semanário.

O texto publicado pelo semanário é um exclusivo do Daily Express, de Londres, assinado pelo jornalista Chap- man Pincher, o qual, citando as autoridades suecas, não duvida, por seu turno, de que ”as bombas são lançadas por cientistas russos de uma estação experimental em Peenemünde, na Prússia Oriental”.

Estas referências a ”pista alemã” relativamente à origem e procedência dos estranhos ”meteoros”, haviam sido igualmente equacionadas numa investigação do jornalista Alexandre Clifford, o já citado correspondente do Daily’ Mail. Entre nós, esse trabalho não foi ignorado pela imprensa escrita, e, por exemplo, o Diário de Coimbra de 4 de Setembro chama o assunto a primeira página com um prolixo título a duas colunas: ”Os foguetes misteriosos que passam sobre a Suécia serão russos ou alemães? (sublinhado no original). Põe-se a hipótese de esses aparelhos serem guiados pela rádio e regressarem à base.”

De um modo geral, a linguagem dos jornais portugueses, face a este primeiro assomo de ”enigmas celestes”, segue estritamente as indicações das agências, sem comentários dos redactores. O vocabulário essencial, transcrito nos títulos das notícias, fornece-nos um núcleo de hipóteses explicativas. A princípio, como se viu, esboça-se uma versão inicial de ”fenómenos astronómicos” ou ”luzes no céu” que não resiste as segundas informações. Assim, as definições utilizadas pelos nossos periódicos abrangem um vasto leque de referentes: ”foguetões misteriosos” – o eleito -, ”projécteis desconheciclos”, ”fenómenos celestes”, ”meteoros misteriosos”, ”foguete fantasma”, ”bomba foguete”, são os mais comuns.

Globalmente, os jornais portugueses aceitaram, sem grandes lampejos críticos, as informações que as agências internacionais lhes fizeram chegar a propósito dos ”misteriosos foguetões”. Contudo, e sendo a excepção que confirma a regra, houve um periódico modesto, publicado em Torres Novas, o semanário O Almonda, que glosou o mote dos ”foguetes” em três pequenos textos inseridos na rubrica ”Ecos e comentários”. Talvez se esperasse que o tema dos enigmáticos mísseis pudesse preocupar e inspirar os senhores da pena nas redacções mais cosmopolitas. Mas, afinal, quem reagiu foi o voluntarioso proprietário-redactor de uma ”folha” quase anónima daquele rincão ribatejano. Na edição de 24 de Agosto, na primeira página, escreve:

Foguetes – Não queremos referir-nos aos das festas que nesta quadra do ano estoiram por essas aldeias e são a alegria do povo, e de mais sem ser povo. Referimo-nos a um novo tipo de foguete que tem aparecido a cruzar os ares em certas terras do Norte, sobretudo Suécia. Muita gente tem visto uns foguetões enormes que vem não se sabe de onde e explodem ao cair, e fazem um grande clarão no céu quando passam. Os povos daqueles sítios andam intrigados com tais foguetões e supõem tratar-se de um novo tipo de bomba em experiência para quando nova guerra rebentar. Ainda as potências estão em conferência a tratar da paz e já se preparam armas de ataque para nova guerra. As nações a jogarem busca-pés umas as outras. Vai ser lindo!

Os foguetões misteriosos chegam a Portugal

O nosso país iria ainda comparticipar, enquanto observador directo, da vaga de foguetões fantasmas. Embora tardiamente, também o território português iria ser sobrevoado pelos intrigantes bólides. O mês de Setembro parece ter sido o tempo ideial para tais incursões, e a elas dizem respeito duas noticias. O Diário de Notícias do dia 18 do referido mês, na pág.5 e na secção ”Últimas Noticias”, titulava interrogativamente a informação da agência portu- guesa Lusitânia: ”O que terá sido?”:

Viana do Castelo, 17 – Pouco depois das 11 horas, passou sobre esta cidade, na direcção norte-sul, um corpo luminoso maior e mais brilhante que um estrela e com rasto fosforescente.

O caso causou estranheza e tornou-se assunto de todas as conversas, não faltando quem fosse da opinião que se tratava de alguns foguetões misteriosos a que a imprensa se tem referido nos últimos dias.

No mesmo dia, o já citado jornal Vitória encarregava-se de dar razão às observações dos Minhotos, noticiando na pág.8, com o título ”Foguetões misteriosos nos céus do Porto?”’, uma reivindicada detecção dos misteriosos engenhos nos céus portuenses:

Porto, 17 – Segundo informações de pessoas que merecem todo o crédito, no céu do Porto apareceram, ontem à noite, alguns foguetões misteriosos, com rapidez diabólica e com rasto luminoso, que breve desapareceram. Segundo as mesmas pessoas, esses foguetões surgiram junto ao mar, na direcção sul-norte. Tratar-se-á do mesmo fenómeno que tem sido assinalado pelas agências estrangeiras? Por certo, logo à noite, não faltarão curiosos a ver se o fenómeno se repete...

Embora contraditórias quanto ao sentido tomado pelos ”foguetes”, ambas as informações parecem confirmar-se entre si. O facto de o Porto ter sido palco de eventuais evoluções dos engenhos não foi suficiente para que alguém as tenha denunciado aos jornais da cidade. Foi antes um diário da capital, por suposta iniciativa das testemunhas, a reportar a ocorrência do sobrevoo numa data que, pelo menos ao nível da imprensa escrita, marcaria a entrada do nosso pais para o ”clube” dos visitados pelos engenhos voa- dores ...

O caso Roswell na imprensa Portuguesa

O caso mais mediatizado da fenomenologia ovni a nível mundial é o chamado incidente de Roswell, no Novo México, EUA. Em suma, no dia 4 de Julho de 1947 um engenho aéreo despenhou-se nos terrenos de um rancho nas proximidades da Base Militar de Roswell. Segundo algumas alegações, o objecto voador seria de origem extraterrestre e do seu interior teriam sido resgatados alguns corpos de entidades alienígenas. A Força Aérea Norte-Americana, por seu turno, viria a esclarecer, em 1996, que os destroços encontrados no deserto pertenceriam a um balão do projecto secreto Mogul, destinado a obter informações sobre explosões atómicas soviéticas.

Muito se escreveu e continua a escrever sobre tão resistente controvérsia, que parece passar ao lado de quais- quer elementos racionais e viver exclusivamente do imaginário humano e da teia de rumores que povoam os canais da comunicação global nos nossos dias. Certezas definitivas não se pode dizer que existam, mas o caso de Roswell está eventualmente condenado a um beco sem saída para ambos os argumentos em disputa: engenho voador terrestre ou nave espacial alienígena.

Como reagiu a imprensa portuguesa da época as primeiras notícias do caso Roswell e dos acontecimentos similares que se lhe seguiram nos tempos mais próximos?

Recorde-se que os jornais nacionais haviam sido despertados poucos dias antes, a 24 de Junho, para um tema inédito em matéria noticiosa que implicava um ajustamento da agenda de prioridades informativas: a observação dos ”discos voadores” por Kenneth Arnold.

A noticia inicial inserta nas edições da comunicaçã escrita portuguesa refere-se às afirmações do brigadeiro Ro- ger Ramey, comandante do 8.º Corpo da Aviação do Exército, que desmentia a informação do Rowell Daily Record de 8 de Julho, segundo a qual os militares haviam capturado um ”disco voador” nos terrenos do rancheiro McBrazel.

O Diário de Notícias, por exemplo, dava conta do desmentido na sua edição de 10 de Julho de 1947, mas remeteu-o para a sua habitual pág.5, dedicada ao noticiário ”Pelo Estrangeiro”, numa discreta coluna. O telegrama das agências Reuter e United Press garantia que o mistério havia sido elucidado, e o DN titulava, sem quaisquer dúvidas: ”Está desvendado o mistério dos «discos voadores»”. Uma afirmação generalista que tomava a explicação do incidente de Roswell – a primeira versão foi a de um balão meteorológico - pela totalidade do problema dos objectos voadores não-identificados.

Aliás, o jornal dirigido por Augusto de Castro é obrigado a reavaliar a questão logo na edição do dia seguinte. Voltando ao tema no local habitual, mas agora com algum espaço suplementar, o Diário de Notícias dá conta de novas informações relativas aos controversos engenhos voadores: o denotativo título ”Os misteriosos «discos voadores» continuam a voar sobre várias regiões dos Estados Unidos” e o pós-titulo ”As informações acerca dos estranhos engenhos são as mais desencontradas” reflectem bem o estado de impasse e dúvida imposto pelas notícias posteriores.

Uma das consequências mais curiosas que acompanham a emergência deste inédito fenómeno aeroespacial é a recuperação do tema ”disco voador” como fonte inspiradora do humor e da publicidade, por exemplo. Essas adaptações, que provam a capacidade plástica da imaginação a novos estímulos, foram seguidas com atenção, e logo depois com réplicas bem conseguidas, pela generalidade da imprensa portuguesa.

O Jornal de Notícias, por exemplo, difundiu na sua edição de 14 de Julho, poucos dias depois da primeira denúncia do caso Roswell, uma informação acerca do oportunismo publicitário em redor do tema: ”O «disco voador» já serve de reclamo.” A notícia provinha de Filadélfia e dizia que ”um estabelecimento desta cidade publicara um anúncio em que oferecia um prémio de 5000 euros pela entrega de um «pires voador» (a tradução portuguesa do vocábulo saucer ) em estado de «vivo ou morto»”. A idéia era provar que o referido estabelecimento possuía o maior e mais completo sortido de ”pires” (suporte da chávena ... ) de todos os Estados Unidos ...

Como se depreende, o tema constituiu desde logo, pelo seu inesperado ineditismo, um suporte ideal para as mais ingénuas conotações, que a publicidade da época de imediato não desperdiçou. E fê-lo expondo o desajustamento da consciência humana relativamente a complexidade e implicações do desconhecido, amenizando inconsciente- mente o seu impacte pela caricatura e o absurdo, elementos básicos das situações humorísticas.

Ultrapassado o primeiro momento da mundialização do novo fenómeno, constituído pelos dois episódios aqui evocados – a observação de Arnold e o caso de Roswell -, a imprensa portuguesa iria retomar a normalidade da sua agenda. A questão dos ”discos voadores” não foi privilegiada nas suas páginas, até porque, como vimos, os jornais nacionais dependeram do serviço das agências noticiosas internacionais. A eleição e interpretação do tópico, em termos jornalísticos, ficou a dever-se à sua relação indirecta com as sequelas tecnológicas aeronáuticas da II Guerra Mundial e do ambiente ”conspirativo” do início da ”guerra fria”.

Apenas em 1950 o periodismo português relançaria o problema. Com destaque crescente a partir do momento em que o País passaria, também ele, a fornecer a base testemunhal primária dos mesmos fenómenos, até aí ”impor- tados”. A imprensa nacional iria, a partir desse ano, reintroduzir na cultura popular urbana uma das componentes míticas mais sugestivas da ficção e do imaginário científicos: o clássico ”marciano”, saído da pena de H. G. Wells em 1898 e reanimado como entidade plausível e invasora da Terra por Orson Welles na sua célebre montagem radiofónica de A Guerra dos Mundos em 1938.

Assim, em 30 de Março de 1950, o nacionalíssimo Diário da Manhã, por exemplo, titulava a duas colunas: ”Os discos voadores avistados em vários pontos do Globo não são ilusão e procedem de Marte – diz um cientista americano.” E reproduz, agora com mais detalhe, informações de avistamentos desses enigmáticos engenhos de Israel ao Brasil, passando por Espanha.

O sóbrio Diário de Noticias não perde o ensejo para colocar no espaço superior direito da sua primeira página, em 5 de Abril desse mesmo ano, a notícia, a duas colunas, que ”Lisboa viu ontem um «disco voador», segundo afirmam muitas testemunhas do fenómeno”. Acredita-se na boa fé e nos olhos do cidadão comum, embora não se deixe de referir que ”o Observatório Astronómico não conseguiu localizá-lo”. Como se um corpo aeronáutico na atmosfera terrestre fosse passível de ser interceptado com facilidade pelos longos ”olhos” das lunetas astronómicas ...

Uma nota bem pitoresca e nacional iria marcar esta nova fase do tratamento mediático dos ”discos voadores” entre nós. É consabido que, em matéria de estranheza, de insólito, de ”nunca visto”, há uma localidade portuguesa que ganhou crédito. O Entroncamento, fatalmente, dir-se-ia, seria a localidade portuguesa onde, segundo o DN, possivelmente um cidadão nacional testemunhou, no dia 22 de Março de 1950, as primícias das tão faladas aeroformas e das suas evoluções. Ainda por cima, a testemunha era sargento mecãnico da Base Aérea de Souto e saberia, melhor do que os seus concidadãos, distinguir uma aeronave ordinária daquilo que definiu como sendo ”um disco que, com movimentos circulares, marchava vertiginosamentc a uns mil metros de altura na direcção oeste-este”.

O ”disco voador”, e logo a seguir os ”marcianos”, no dealbar da década de 50, constitui-se em mote inspirador de releituras plurais, da publicidade à estética, ao fait divers de ilustração e legenda, chegando a inspirar editoriais políticos – veja-se o Diário de Notícias de 18 de Abril de 1954 e o artigo ”Os discos que não são voadores”, e até os cartoons de um grande caricaturista português, Stuart Carvalhais.

De um modo geral, os fenómenos extraordinários aeroespaciais e as suas recriações míticas das culturas contemporâneas tem sido tratados de forma redutora nos meios de comunicação nacionais, seguindo, aliás, a tendência global dos mass media. O tema ”disco voador” foi acolhido e amparado por um tema polar coerente e cognitivamente estável: o pós-guerra e as suas consequências na fase que acabámos de analisar.

A opinião dos cientistas portugueses

Cientista e comunicador bem conhecido, o Prof. F. Carvalho Rodrigues, docente do Instituto Superior Técnico e investigador do INETI, responsável pelo primeiro satélite português, tem uma opinião sobre os fenómenos aeroespaciais não-identificados. Introduz a questão citando uma frase de Albert Camus: ”Passamos a vida a tentar racionalizar para que a vida não pareça absurda.”

Aquele especialista das tecnologias da informação observa que ”temos de fazer medidas de crença de tudo e também dos fenómenos fora do contexto e de frequência restrita. O número desses acontecimentos é ainda pequeno e nós somos seres com uma memória que necessita de repetição. Sem isso, não entendemos esses fenómenos e, portanto, não somos capazes de os racionalizar. De onde a atitude mais fácil é rejeitá-los, considerando-os inexistentes”.

Para o cientista, a comunidade académica, corporativamente entendida, exprime uma espécie de ”sentimento puro” de receio face a fenómenos tipo ovni excluídos da mainstreamn science. Chama a atenção para o facto de sermos ”seres audiovisuais comandados pelo sentimento”. O entendimento de alguns fenómenos-limite passa, segundo F. Carvalho Rodrigues, pela aquisição de uma ”chave”, idêntica à ”Pedra de Roseta” da arqueologia. ”Talvez então possamos entender outras linguagens ...”

Que previsão de futuras leituras físicas e abordagens dos fenómenos ovni quando se fala de crise de paradigmas científicos? ”Julgo que poderá vir a surgir algo de novo entre a biologia e a psicologia. A ideologia que tinha por base a racionalidade pura chegou ao fim, aos seus limites”, considera o investigador. Tirar? ”Os investigadores destes fenómenos extraordinários não tem que se sentir envergonhados por não terem a «chave», porque em muitas áreas científicas e em situações humanas também se desconhece a forma como acontecem as coisas.”

O cientista manifesta-se ”muito satisfeito por ter participado no processamento de imagem das fotografias do caso de Alfena”, uma das mais impressivas ocorrências de um objecto voador não-identificado ocorrida em território português, analisada pela Comissão Nacional de Investigação do Fenómeno OVNI (CNIFO) e cujos resultados foram publicados no seu anuário Anomalia (vol. 2, 1994).

Por sua vez, o Prof. J. Ferreira da Silva, catedrático de Física da Faculdade de Ciências do Porto, aponta as observações e registos de pilotos civis e militares como ”um poderoso argumento a favor da materialidade de um fenómeno desconhecido, qualquer que seja a sua natureza”.

A sua opinião é fundamentada em estudos credíveis, como o que foi realizado pelo Dr. Richard F. Haines, especialista de Psicologia da Visão e investigador do Ames Research Center, da NASA, que compilou intrigantes parâmetros de interferência física entre fenómenos aéreos anómalos e instrumentos de bordo de aeronaves em 56 casos de observação analisados.

J. Ferreira da Silva, citando o relatório do cientista norte-americano em comunicarção apresentada num colóquio promovido pela CNIFO e que teve lugar na Faculdade de Letras do Porto em Outubro de 1993, regista que ”a maior parte dos fenómenos descritos são de natureza física – luminescências, imobilidade sem sustentação aparente, enormes acelerações, manifestações electromagnéticas, etc.”, assinalando como de particular interesse as ”perturbações sofridas pelos instrumentos de bordo (bússolas, giro-compassos, rádio), apresentadas como efeitos da proximidade dos objectos insólitos observados pelos pilotos”.

No que respeita a hipóteses explicativas correntes para essas perturbações, dentro dos métodos e meios conhecidos da ciência e técnica actuais, J. Ferreira da Silva observa; ”As tentativas feitas em laboratório para replicar, com campos magnéticos de intensidade conhecida, os efeitos rotativos observados nas agulhas magnéticas de bordo das aeronaves levaram à conclusão de que a intensidade do campo magnético necessária para produzir tais resultados era da ordem dos 8 milhões de graus, valor que excede de longe o máximo conseguido até hoje pelos investigadores.”

O cientista é de opinião que este tipo de fenomenologia, retratada no inventário do Dr. Haines, ”representa um desafio à imaginação do cientista que deixa a perder de vista o arrojo imaginativo de um Júlio Verne ou H. G. Wells”.

Para um grande contingente de fenómenos luminosos atmosféricos, alguns cientistas tem sugerido interessantes hipóteses explicativas, mais prosaicas e com nexos lógicos. Por exemplo, José Fernando Monteiro, investigador da Faculdade de Ciências de Lisboa, dá especial atenção às correlações desses fenómenos luminosos com movimentos tectónicos associados a grandes sismos, que actuariam como fontes geradoras dessas luminescências, cujo comportamento impressiona mesmo assim os eventuais observadores.

Na esteira de outros cientistas, como Michael Persinger, da Laurentian University, do Ontário, o investigador observa que ”a maior parte das observações de luminosidades aéreas correspondem a evidentes interpretações deturpadas de fenómenos atmosféricos ou astronómicos, quando não se trata de fantasias ou mistificações”. Chama a atenção para a necessidade de se ”começar a conceber explicações mais simples, ou seja, uma origem terrestre ou humana, antes de formular hipóteses mais exóticas”.

Com base na neotectónica de Portugal, e socorrendo-se do registo histórico de ”cometas” e ”luzes no céu”, J. Fernando Monteiro compôs um sugestivo quadro de hipóteses telúricas como causa de anomalias luminosas na atmosfera; essencialmente, de acordo com esta tese, produzir-se-ia uma libertação de energias, fruto da actividade sísmica, onde interviriam o chamado efeito piezoeléctrico (provocado pelo quartzo das rochas), associado a incandescência de gases, radiação por ionização local da atmosfera e uma dinâmica da ”luz sísmica” aparentada à das ball lightning, relativamente conformada à topografia local.

Os últimos 25 anos

Um pequeno país não significa obrigatoriamente pequenez de idéias e actos. Comparsa indissociável de Espanha no espaço ibérico, Portugal tem sido cenário de alguns eventos que, em termos qualitativos, podemos reputar de clássicos e que não são nem mais nem menos importantes no conjunto da amostragem típica da fenomenologia dos ”não-identificados” a nível mundial.

A projecção e a participação internacionais do labor investigativo português nesta classe de fenómenos atípicos e de contornos imprecisos têm sido determinadas pela secundarização da língua portuguesa no contexto da comunicação e difusão das idéias em termos planetários. Falado por mais de 200 milhões pessoas nos diferentes continentes, o português não dispõe do estatuto do inglês – o latim da nossa contemporaneidade – e perde também com o castelhano, apesar das consonâncias orais entre ambos.

Deste modo, justifica-se a quase total ausência dos quadros sistemáticos e dos catálogos da casuística global de casos ocorridos em território português, incluindo as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, além das antigas colónias africanas, com destaque para Angola e Moçambique. Do que tem sido publicado, em termos comerciais ou com alguma expressão nos circuitos bibliográficos destas temáticas, o trabalho de V.J. Ballester Olmos, editado em 1972 com o título Los fenomenos del Tipo I en España y Portugal, com a participação de Jacques Vallée, constituiu a saída deste pequeno rectângulo. Neste compêndio do investigador valenciano, meia dúzia de situações ocorridas em Portugal, na generalidade recolhidas de fontes secundárias, ficaram a marcar a entrada do território luso no palco universal dos acontecimentos ditos inexplicáveis. Mais tarde, e graças a um esforço continuado de cooperação entre alguns investigadores portugueses, agrupados no então CEAFI e depois na CNIFO, com os nossos colegas do país vizinho, foi possível reunir um contributo bem mais representativo e depurado, em termos qualitativos, relativamente a casos de relatos tipo ovni em Portugal numa outra obra de V.J. Ballester Olmos com J. A. Fernández, intitulada Enciclopedia de los encuentros cercanos com ovnis, publicada em 1987. Aí, sim, a imagem da ufologia lusa assumiu alguma relevância, pelo menos na paisagem da fenomenologia aérea peninsular.

Pouco mais de 20 anos acrescidos a grande explosão de interesse público pelas manifestações tipo ovni que se seguiu à Revolução do 25 de Abril de 1974, importa fazer um balanço não-detinitivo dos contornos da investigação actual destes tópicos, que continuam a ser marcados no quotidiano social pelos extremismos entre rejeição ou paixão. Evidentemente que não cabe nos limites e precisões deste artigo um esboço da história social do fenómeno ovni em Portugal nos moldes seguidos por Ignacio Cabria Garcia em relação a Espanha. Uma tarefa necessária que requer outra disponibilidade e fôlego e que, pessoalmente, pensamos vir a concretizar, por exemplo, no quadro curricular do curso de Ciências da Comunicação da Universidade Fernando Pessoa, no Porto.

Amadores vs. profissionais, informação vs. sensação

Como em qualquer outro país, também em Portugal os investigadores sensibilizados para este tipo de fenomelologia podem ser divididos em dois grupos: os amadores, desde sempre incondicionais apaixonados pelas perspectivas mais fantásticas do ovni (leia-se ”objecto-nave espacial de natureza extraterrestre”) e que fazem apelo à intuição e às idéias a priori, os ”profissionais”, ou ”técnicos”, cuja formação e responsabilidade académica e cultural, na sua pluralidade, os situa (ou deve situá-los) numa escala de exigência, prudência e verificação muito diversa do primeiro escalão, mas que não se confunde (ou não deve confundir-se) com obstrucionismo ou dogmatismo.

Em Portugal, esta dicotomia é tão-somente o reflexo de uma realidade social que diz respeito ao heterogéneo universo de investigadores – estudantes do fenómeno ovni, enquanto agentes activos (ainda que ”marginais”) na produção e divulgação de informações obtidas dos testemunhos reunidos e analisados no decurso do seu trabalho de campo.

Os tópicos relacionados com o tema dos ”não-identificados” não escapam à ingerência episódica, mas actuante e influente, diríamos mesmo decisiva, dos meios de comunicação social na opinião pública, que acentuam preferentemente os aspectos anedóticos e desprezam as informações técnicas e as referências de intervenção científica e as abordagens críticas dessas manifestações aeroespaciais singulares e inerentes experiências humanas. A superficialidade é a regra, o aprofundamento, a excepção, cabendo aos editores da imprensa periódica popular, dos” como autentico fast food para consumir e descartar. Recentemente, foi-nos solicitada por uma revista da ”sociedademagazines, etc., o papel ”inquisitorial” que determina o grau de complexidade, ou melhor, de simplicidade, a que as suas massas leitoras têm direito nestes domínios do ”inexplicável”.

São esses guardiões do agenda-setting o derradeiro filtro dos ”apetites imediatos de qualquer grau” oferecidos na ementa dos ”mistérios” uma entrevista sobre a actualidade dos fenómenos tipo ovni em Portugal. Colocado perante a escolha do título da reportagem, o jornalista que nos pro- curou desde logo nos disse que o termo ”anomalias” seria posto de lado de imediato pelo editor. ”Não é apelativo”, justificou-se. O melhor que se conseguiu foi ”fenómenos ultraterrestres”...

A (quase) inexistência de jornalistas e cronistas especialmente sensibilizados para os temas científicos é uma carência que alastra nos media em todas as latitudes e perturba, de modo evidente e destacado, a informação, que se pretende, em termos de linguagem e conteúdo, tecnicamente objectiva e prudente, mas ao mesmo tempo despreconceituosa e descomprometida. O que se vê ordinariamente entre nós é o resultado de décadas de desinteresse cultural e de um desfasamento informativo face às propostas teóricas e experimentais mais ousadas dos centros de vanguarda investigativa universitária.

Dos tempos da euforia ao advento da maturidade

Quero afirmar com isto que o quadro de leitura e interesse em Portugal pela fenomenologia aeroespacial tipo ovni e similares se, por um lado, se foi restringindo e definhando desde o inicio da década de 80, por outra parte consolidou e refinou um leque maioritariamente resistente e mais consciente das potencialidades eventuais deste quadro de ”anomalias” espaciais, patente a partir da década de 90. Poderemos estabelecer uma sequência da sociabilização da fenomenologia tipo-ovni entre nós pela seguinte diacronia que a seguir sumareio:

1.ª fase: boom espectacular, a partir de meados de 1975, na esteira de uma evidente experimentação de ”temas proibidos” após a Revolução de 25 de Abril (isto é, o visionamento de filmes pornográficos alcança a plenitude da legitimação) e nos comportamentos globais antiautoridade. É todo um movimento social de rejeição inconsciente e automático, simultâneo ao esvaziamento dos antigos ideais e valores prosseguidos pelo Estado ditatorial de Oliveira Salazar e que culmina precisamente no chamado ”Verão quente” de 1975, que estilhaçou a sociedade portuguesa e a colocou a beira da guerra civil. É o momento-chave da ascensão e queda da tentação ”totalitária” das forças de esquerda e extrema-esquerda, acentuada após o insucesso do golpe militar da direita conservadora em 11 de Março desse mesmo ano, sob a direcção do general Spínola.

Regista-se o aparecimento do primeiro número da revista Insólito, editada pelo CEAFI (Centro de Estudos Astro- nómicos e de Fenómenos Insólitos) em Agosto de 1975: uma estreia feita de entusiasmo e escassos meios, em termos de impressão – 16 páginas em formato A4 e com duplicação por stencil! –, no interior da secção de reprografia do Instituto Superior de Engenharia do Porto, a que pertenciam, como alunos, alguns elementos do referido CEAFI; criação da rubrica semanal ”2001” no Jornal de Notícias, do Porto, um dos principais jornais nacionais, a partir de Maio desse ano, a cargo de Joaquim Fernandes; a partir de 1976, na esteira da Insólito, surge uma proliferação de boletins e pequenos jornais escolares artesanais dedicados ao tema ”ovni” e outros mistérios e enigmas do espaço, da responsabilidade de colectivos juvenis ad hoc; organizados em tempo lectivo e como extensões de dinâmica grupal em actividades paralelas. Mesmo ao nível politico-militar, a melhor prova da distensão psicológica global verificada na sociedade portuguesa, incluindo a componente castrense, neste período encontra-se na entrevista que a mesma revista Insólito (n.º 6, Novembro de 1975) publicou com o então brigadeiro José Lemos Ferreira, na qualidade de vice-chefe do Estado-Maior da Força Aérea. Nesse texto, este oficial general descreveu em pormenor as incidências do avistamento de um objecto luminoso não-identificado por si e mais quatro pilotos da sua esquadrilha, em 4 de Setembro de 1957, no decurso de um voo de treino entre a Base da Ota e Cáceres, em Espanha. Uma disponibilidade e uma entrevista que seriam impensáveis pouco tempo antes. As limitações impostas à época da observação pela hierarquia militar do regime salazarista haviam impedido qualquer discussão ou investigação complementar do incidente fora do relatório militar oficial da época, conduzido – sublinhe-se este facto – ao abrigo da conhecida directriz AFR- 200, da USAF.

2.ª fase: a tiragem da revista lnsólito atinge os 10 000 exemplares em 1978, uma cifra surpreendente num país em que o ratio de leitura de jornais de grande informação ronda os 30/1000 habitantes!; o auge do envolvimento social na fruição desta temática envolve milhares de outros cidadãos que aceitam, em grande maioria, os postulados extraterrestres de 1.º grau na interpretação das origens e causas dos fenómenos que relatam; o mesmo acontece com os investigadores cativados pelo ideário ET simples, astronauticamente em estado puro; os membros do CEAFI desdobram-se em colóquios em escolas e associações culturais em praticamente todo o país: por exemplo, numa conferencia promovida na Faculdade de Engenharia do Porto em 27 de Março de 1976, a audiência ultrapassou o milhar de pessoas, que viram a primeira grande colecção de diapositivos sobre fenómenos ovni apresentada no nosso país; a realização do I Congresso Ibérico de Ovnilogia em Outubro desse ano, em que participaram ex-adeptos espanhóis e portugueses daquela hipótese – então dominadora face às restantes alternativas – ; como Felix Ares de Blas, por exemplo; é também o momento em que o planeta Vénus concorre grandemente para a excitação popular, estimulada pela amplificação acrítica dos meios de comunicação: as câmaras da RTP filmam o ”Ovni”-Vénus no seu ocaso a partir do litoral oeste, no Porto, enquanto os jornais, sem atender aos avisos do CEAFI, aumentam os défices de instrução astronómica e incentivam os mecanismos da percepção da psicologia colectiva e o número de relatos com base em pseudo-observações.

3.ª fase: os relatos de fenómenos ovni decaem dramaticamente a partir de 1981; a comunicação social abandona gradualmente a noticiabilidade dos factos ovni e o agenda-setting dos jornalistas vê desaparecer o tópico das suas prioridades, que resiste apenas por acção dos raros cronistas externos às redacções: casos de Fernando Fernandes e Cassiano Monteiro, no Primeiro de Janeiro (Porto), e de Maria do Rosário Marques, no semanário 0 Jornal (Lisboa), além da sobrevivente rubrica do autor destas linhas, ”2001”, já assinalada, que a mantém até 1985; jornalistas da ”velha guarda” portuguesa – como Álvaro da Silva e Sousa e o pioneiro Hugo Rocha, autor das primeiras obras em português sobre o tema ”ovni”, como 0 Enigma dos Discos Voadores ou a Maior Interrogação do Nosso Tempo (1951) e Outros Mundos, Outras Humanidades (1958) – que se haviam mostrado empenhados nas tarefas de divulgação dos ”discos voadores” e de um ideário ”extraterrestre” tout court deixam por esta altura a profissão activa.

4.ª fase: estagnação e reflexão da pequena comunidade investigativa portuguesa até 1984: o gradual desapareci- mento dos grupos de divulgação ad hoc, a nível do ensino secundário e o abandono do tema por parte dos meios de comunicação social acompanham o decréscimo de interesse do grande público. A degradação progressiva do impacte social do tema ”ovni” nesta fase poderia ligar-se indirectamente ao malogro de expectativas geradas pelos cidadãos ”não-iniciados”, nomeadamente na obtenção de resultados concretos e provas da natureza ET clássica para os fenómenos deste tipo. Esta convicção foi por diversas vezes confirmada por conversas pessoais com antigos subscritores de publicações populares que veiculavam singelas hipóteses ”extraterrestres” e se mostravam desiludidos com posturas mais reservadas e prudentes a propósito das causas e origens dos fenómenos tipo ovni; primeiras propostas de colaboração com a Guarda Nacional Republicana, a quem é sugerida a utilização de um questionário preliminar para relatos de observações aéreas anómalas.

5.ª fase: reanimação do panorama investigativo nacional a partir de 1984, com o lançamento da Comissão Nacional de Investigação do Fenómeno Ovni, que inicialmente assumiria uma vocação federalista de reagrupamento de unidades e pequenos núcIeos de interessados num trabalho mais profundo e ponderado de análise; pequenos sobressaltos e desacordos quanto à organização prática, a nível nacional, da estrutura da CNI- FO, integrando elementos de antigos grupos, fora de Lisboa e Porto; triagem e refinamento gradual de um corpo metodológico, ideológico e humano e superação da fase de crescimento intelectual e científico; abandono de posturas apriorísticas. A primeira versão da CNIFO mostrar-se-ia rapidamente inoperante, já que os diferentes ritmos e entendimentos gerados no interior da comissão impediram a concretização dos seus objectivos. Algo, no entanto, foi feito no que diz respeito à unificação de diversos catálogos e arquivos dispersos pelos vários agrupamentos da década de 70 e inícios de 80. Ainda que com critérios diferenciados, para além de sua duvidosa qualidade científica exploratória, esse manancial é, no mínimo, exemplificativo do trabalho de colecta de informação bruta em torno de manifestações associadas a fenómenos ovni. Algo haverá que ser feito em relação a uns quantos milhares de páginas adormecidas em pastas...

6.ª fase: reformulação, ou, se quisermos, segunda fundação, da CNIFO a partir de 1990 – 1991; recuperação de interessados e antigos associados do CEAFI e proposta de edição do anuário Anomalia, efectivamente lançado em 1994, mas referente a 1993; realização do já histórico Colóquio ”Fenómenos Não-Identificados – Mito, História e Ciência” na Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Outubro de 1993, com intervenções de docentes e investigadores universitários; continuidade do trabalho de persuasão levado a cabo em círculos académicos e oficiais e formação de um grupo de consultores científicos em crescente número e qualificação específica; princípios de colaboração com o Instituto de Meteorologia, aproximação à Força Aérea Portuguesa, facultada pelo interesse pessoal do então chefe do Estado Maior da FAP, general Conceição Silva: este oficial, nas suas anteriores funções de ministro da República para a Região Autónoma dos Açores, havia já colaborado com a CNIFO, remetendo-nos diversos documentos oficiais relativos à participação de avistamentos de ovnis pelas entidades policiais das ilhas atlânticas.

Procede-se à renovação de contactos junto de pequenos núcleos científicos e organismos oficiais, civis e militares, em resposta a iniciativas dinamizadas pela CNIFO. De igual modo, o aparecimento do anuário Anomalia, enquanto publicação de perfil multidisciplinar, crítico e não-dogmático, recolhe a adesão de áreas leitoras dos estratos intelectuais médio e superior, obtendo um interessante acolhimento em áreas académicas e que vai levar à formação de um corpo de consultores científicos com 15 elementos das mais variadas formações. Registe-se, por exemplo, a alteração qualitativa do perfil dos leitores desta publicação – cerca de 200 -, iniciada em 1993, nomeadamente no crescendo de habilitações académicas de nível superior, que rondam os 70% da totalidade dos aderentes do anuário da CNIFO.

7.ª fase: a actual, em que assistimos à crescente captação e chamada de atenção da comunidade científica nacional para o problema dos fenómenos não-identificados, não apenas restritos ao ”clube” das aeroformas, mas reportados a uma constelação de questões alegadamente extraordinárias, singulares, que ainda não foram sistematizadas em exclusivo por qualquer disciplina científica: a fundação da nova Sociedade Portuguesa de Exploração Científica no passado dia 20 de Março de 1997, com forte implantação em diversos núcleos universitários e científicos nacionais, visa garantir novo suplemento de credibilização e alternativa ás interpretações redutoras quer da cultura de massa, quer de perspectivas confessionais de sinal contrário. Apesar das conhecidas dificuldades metodológicas e conceptualizadoras, julgo que o tema ”ovni” tem potencialidades para se tornar um objecto digno de ciência e da ciência.

Desideologizar e investir na universidade

Na situação corrente – e apesar do sobressalto anárquico favorecido pela vaga informativa incontrolável da Internet –, é possível antever o quadro em que, previsível e desejavelmente, poderá decorrer a investigação da temática ovni em Portugal. Julgamos que é viável um investimento sereno e naturalmente dignificado no âmbito académico, com recurso às habituais sinergias que o meio universitário pode proporcionar.

Deste modo, foi possível, por exemplo, proceder a um primeiro inquérito, estatisticamente representativo, a mais de um milhar de indivíduos de largas porções do País, tendo por alvo o programa sobre a pseudo-autópsia do ”alienígena” de Roswell, transmitido em 1 de Setembro de 1995 pela Radiotelevisão Portuguesa, a propósito do filme de Ray Santilli. O trabalho de campo foi concretizado pelos alunos do 1.º ano do curso de Ciências da Comunicação da Universidade Fernando Pessoa, do Porto. Os seus resultados foram avaliados por especialistas de Antropologia e Sociologia daquela instituição de ensino superior e recentemente publicados no volume 4 do anuário Anomalia relativo a 1996.

Ainda no plano académico, é de salientar os recentes colóquios realizados quer na universidade onde leccionamos, quer na Faculdade de Ciências do Porto, com larga audiência de professores e investigadores, que puderam ser informados directamente dos problemas complexos que dizem respeito a este ”território” fenomenológico onde a lei ... é não haver leis. As reacções recebidas e os contactos regularmente estabelecidos nos fóruns académicos permitem acalentar esperanças fundamentadas na consciencialização de um cada vez maior número de investigadores e académicos para uma aproximação não-ideológica, não-confessional, ao vasto leque de questões que configuram o universo hoje crismado de ovni.

Numa outra área de actuação, o contacto com as entidades militares tem prosseguido com bons resultados. Depois de contactos pessoais realizados no final do ano de 1995 com o actual CEMFA, general Aleixo Corbal, graças ao empenho do nosso consultor, general Conceição Silva, colocámos em marcha princípios de colaboração com a Força Aérea, cujo comando máximo acedeu em distribuir pelas bases aéreas e outras unidades desta arma um questionário específico, com 20 páginas, para observações de fenómenos invulgares feitas por pilotos, adaptado do modelo que em Espanha foi aperfeiçoado por V. J. Ballester Olmos, com base no documento original, da. responsabilidade de Richard F. Haines.

O mesmo aconteceu relativamente à GNR (o equivalente à Guardia Civil espanhola), cujo comando, após entrevista com o actual comandante-geral, general Henrique Godinho, aceitou de bom grado difundir pelas cerca de 1000 unidades da corporação espalhada, pelo País um novo inquérito preliminar, com anexos específicos, para recolha das informações essenciais sobre fenómenos aeroespaciais extraordinários. Quando escrevemos estas linhas, havíamos já recebido da GNR um total de 13 questionários com informações de qualidade vária relativas a alegados avistamentos de fenómenos ovni, com destaque para o Centro e Sul do nosso país.

A disponibilidade de ambas as instituições militares citadas parece-nos uma prova de que é possível e desejável, sem dramatismos, anúncios espectaculares e especulações inócuas, obter cooperações e ajudas importantes, do ponto de vista material, para a melhoria da recepção e cobertura dos eventuais incidentes aeroespaciais que importa estudar nas melhores condições. Pensamos que esta situação traduz, sobretudo, um grande nível de confiança e boa fé nas capacidades da comunidade investigadora destes problemas.

Assumimos, enfim, que a exacerbação das paixões e disputas menores revela-se totalmente improdutível e inócua para um verdadeiro salto qualitativo na elucidação das questões que permanecem. O reforço da reflexão epistemológica aberta e do debate totalmente descomprometido deve ser capaz de atender ao problema número um que se coloca à ciência: exislt ou não um fenómeno original? A sua eventual natureza final (ou a sua hipotética impossibilidade ET ou outra) não deve ser motivo de desgraduação do esforço investigativo ou da sua menorização enquanto assunto digno de análise científica e problematização cultural.

O labor desenvolvido pelos investigadores portugueses tem-se perfilado numa necessidade prioritária de dignificação social e académica das experiências tipo ovni e num sentido de avaliação provisória e temporária das aquisições que vão fazendo.

Matéria realizada por: Pedro Noronha