quarta-feira, 21 de agosto de 2019

OVNIS em Santa Barbara EUA


OVNIs têm estado nos noticiários ultimamente, e não por causa do que está acontecendo no céu, mas por causa do que está acontecendo na Terra. Tem sido chamado de "divulgação suave", o que significa que as forças armadas estão divulgando informação sobre OVNIs para o público em vez de fazer um anúncio importante e causar um pânico.

Em abril deste ano, a Marinha dos EUA reconheceu diretrizes sobre como od seus pilotos podem relatar encontros com objectos anômalos sem medo de represálias. Isto vem depois de um artigo do New York Times sobre numerosos avistamentos de OVNIs em forma de Tic Tac ao redor do USS Nimitz ao sul de San Diego. De acordo com um porta-voz das operações navais, desde 2014, houve um “aumento da interação com o fenômeno aéreo”. Também houve respostas menos controladas. Mais de dois milhões de pessoas se inscreveram no Facebook para invadir a Área 51 no dia 20 de setembro para "ver alienígenas".

No Condado de Santa Bárbara não são estranhos os avistamentos da qual desempenhou um papel importante na famosa Batalha de Los Angeles. Dois dias depois dos japoneses bombardearam Ellwood Pier, perto de Goleta, em 1942, e apenas alguns meses após o bombardeio de Pearl Harbor, um objecto Voador Não Identificado gigante apareceu em Los Angeles. Segundo o pesquisador de OVNIs David Marler no seu livro, ele foi visto pela primeira vez sobre Santa Maria antes de seguir para sul. Já nervosos, e pensando que eram os japoneses, os militares dos EUA dispararam 1.440 cartuchos antiaéreos no objecto misterioso. Os japoneses negaram ter planos sobre os EUA. O evento nunca foi totalmente explicado, embora tenha sido feita uma referência aos balões meteorológicos.


Vários avistamentos de OVNIs foram relatados desde que a bomba atômica foi desenvolvida na década de 1940. Ainda não houve relatos de ataques reais ou ameaças para acabar com a nossa civilização. De fato, de acordo com muitos que estudaram OVNIs, extraterrestres têm trabalhado para nos impedir da auto-aniquilação. Eles apontam para três alegados incidentes de OVNIs que encerram as nossas bases de mísseis nucleares. Em 1967, o tenente Robert Salas, oficial da Base da Força Aérea de Malmstrom, em Montana, relatou que um OVNI desativou 10 silos de mísseis na sua base. Ele disse que viu isso como uma mensagem de guerra anti-nuclear.

Um incidente semelhante ocorreu na Base Aérea de Vandenberg em 1964, quando um míssil de teste foi destruído logo após o lançamento. O tenente Robert Jacobs apresentou-se em 1982 para descrever o que ele viu no filme em que um objeto espacial abordando o míssil e disparando um feixe de plasma na ogiva do manequim a partir de quatro ângulos diferentes. A ogiva então caiu no oceano. Depois que ele enviou o filme para seus oficiais superiores, um telefonou para ele e perguntou se ele e seus "homens estavam na brincadeira". O oficial ordenou que Jacobs não dissesse nada sobre o filme ou sobre o incidente. Jacobs mais tarde falou porque se sentiu injustamente tratado e que "eles" estavam nos dizendo "para parar de mexer com armas nucleares".

Centenas de objetos submersíveis não identificados emergiram das águas entre Santa Bárbara e Santa Mônica, e é alegado que uma base alienígena submersa existe há décadas. Preston Dennett, autor dos livros UFOs Over California e Undersea UFO Base, documentou mais de 50 avistamentos na água, alegando a década de 1970 as famílias se dirigiam à praia Point Dume à noite para assistir ao espetáculo multicolorido para entretenimento desses objectos.

Uma organização formada em 1969 para fornecer às pessoas uma plataforma para relatar avistamentos de OVNIs ou OSNIS. A Mutual UFO Network, ou MUFON, regista relatórios de todo o mundo. O total de relatórios de julho de 2019 mostra 563 relatórios de OVNIs nos Estados Unidos; Califórnia teve mais  68 avistamentos. Ao entrar em “Santa Bárbara” através do seu banco de dados, surgem 29 casos entre novembro de 2000 e dezembro de 2018.

Os investigadores realizam análises e entrevistas a todos aqueles que ligam ou escrevem sobre um avistamento de OVNIs e tentam avaliar a validade das suas alegações. Um desses investigadores, Richard Browman, mora em Santa Barbara. Browman cobre uma área triangular de Thousand Oaks a Lompoc e Bakersfield, e ele lidou com um ou mais casos por mês desde 2014. Para rotular um avistamento realmente "desconhecido", Browman precisa encontrar algum fator de credibilidade no histórico da pessoa, falar com uma segunda testemunha, ou tenha alguma evidência corroboradora.

Ele fala de um caso de um homem que morava perto de Point Mugu. O homem disse que tinha ouvido uma mensagem telepática para "sair e olhar". Quando o fez, ele e a sua família viram cinco ou seis orbes vermelhos descendo a costa e pairando sobre a base naval. Os orbes dançaram ao redor e depois desapareceram. O sujeito soube depois que a base estava em alerta e embaralhava os seus jatos. Outros casos locais incluem luzes anômalas ao redor de dois mísseis de teste de Vandenberg, jatos militares perseguindo um OVNI sobre Cuyama, velocidade de OVNIs na praia de Leadbetter.

Enquanto a MUFON se concentra na verificação dos avistamentos de OVNIs, outras vozes se tornaram influentes no campo da ufologia. Investigações mudaram de foco nas porcas e parafusos dos objectos para estudar o que são e por que eles chegaram. Além disso, mais contatados estão falando sobre o assunto. Ex-militares se apresentaram com histórias fantásticas de programas espaciais secretos e contacto direto com alienígenas.

A conferência MUFON em Irvine celebrou seu 50º aniversário em julho, e mais conferências estão sendo realizadas, incluindo uma em Ventura, nos dias 23 e 25 de agosto. O evento é organizado pela organização Dimensions of Disclosure, dirigida por Corey Goode, que afirma que ele fazia parte de um programa espacial secreto. Outras conferências no sul da Califórnia são o Portal para a Ascensão em Irvine em outubro, a Conscious Life Expo em Los Angeles em fevereiro de 2020, e o imensamente popular Contacto no Deserto em Palm Springs no início de junho de 2020. UFO Con em Los Angeles em meados -Junho reúne estrelas da mídia e palestrantes de celebridades ufológicas.

As pessoas podem aprender saber mais sobre todas as actividades de OVNIs no nosso planeta, indo a uma conferência ou lendo um dos muitos livros sobre o assunto. Eles podem se juntar ao movimento de divulgação e fazer parte do futuro. Como o investigador Brooks Agnew disse no seu último contacto no deserto, "todos os estrangeiros vêm aqui porque somos o maior show do universo".

www.independent.com

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Avistamentos de OVNIs em Portugal de 1755 a 1969 na Imprensa

Os incidentes abaixo, foram manchete nos jornais nacionais da época.
Contudo alguns destes avistamentos podem estar relacionados com fenómenos naturais.
Siga abaixo a cronologia destes casos publicados pela imprensa nacional portuguesa.

10-15-1755 Lisboa, Portugal
Enormes esferas voaram pelo céu realizando manobras de perseguição. Um espécie de esfera voaria para o horizonte oposto enquanto o outro ficou por breves instantes estacionário desaparecendo depois.

11-06-1957 Hora: 11:00
Lisboa fonte: "Comercio do Porto" * data do dia * Observou-se um estranho objecto de forma cilíndrica sobre esta cidade. Era incandescente e deixou um rastro de fumo.

11-06-1957
Localização: Lisboa Fonte: "Diario de Noticias" -7.11.57 Perto de Lisboa, ao regressar da Escola de Mecânica (Marinha), em Vila Franca de Xira, um grupo de oficiais da Marinha observou um estranho objecto no céu. O objecto, que refletia a luz do sol, tinha uma forma circular e voava de leste a oeste. O fenómeno pode ser visto por dez minutos.

11-06-1957 Hora: 11:00 da manhã Lisboa
Fonte: "Diario de Noticias" -7.11.57 Um estranho objecto ardente caiu no meio do rio Tejo, foi observado na cidade.

11-09-1957 Hora: 19:00 Évora
Fonte: "Diario de Lisboa" -11.11.57 Um objecto foi visto no céu sobre a cidade durante três dias consecutivos. Era uma luz muito forte.

11-11-1957 Hora: 11:30 da manhã Póvoa de Santa Iria
Fonte: "Diario Popular" Vários moradores desta região observaram um objecto não identificado no céu. Era um objecto brilhante e voava de norte a sul. A observação levou sete minutos.
11-13-1957 Hora: 18h30 Tábua
Fonte: "Diario de Coimbra" -16.11.57 Um objeto redondo foi visto no céu sobre esta aldeia.

11-14-1957 Hora: 19h30 Porto
Fonte: "Comercio do Porto" -15.11.57 Várias pessoas telefonaram para este jornal tentando descobrir a origem ou razão para a observação de um objecto estranho no céu. O objecto era branco, luminoso e emanava grandes feixes de luz.

11-15-1957 Hora: 19:20 Moura
Fonte: "O Século" -17.11.57 A testemunha e várias outras pessoas observaram um objecto estranho e brilhante. Era ovoide, tinha dois metros de comprimento. Projetou quatro raios de luz no chão.
11-16-1957 Segura-Beira Baixa
Fonte: "Diario de Noticias" -19.11.57 Um objeto com a forma esférica voou sobre a região.

11-17-1957 Vendas de Galizes
Fonte: "O Século" -18.11.57 As testemunhas observaram mais de 30 bolas brancas no céu. Visto do chão elas seriam menores que as estrelas. As bolas voavam em linha recta a uma velocidade lenta. Elas mudaram de posição duas vezes para formar um "A".

11-24-1957 Hora: 02:00 da manhã Amares
Fonte: "Comercio do Porto" -26.11.57 Um objecto luminoso foi observado sobre esta aldeia.
11-25-1957 Hora: 18h29, Vila Real
Fonte: "Comercio do Porto" -26.11.57 Uma pequena luz branca foi observada nesta cidade.
11-26-1957 Hora: 18:00 Funchal-Madeira
Fonte: "Comercio do Porto" -28.11.57 Uma esfera brilhante voando a alta velocidade foi observada no céu sobre a cidade. Voou de norte a sul.

11-26-1957 Hora: 6h00 Porto
Fonte: "Diario de Noticias" -7.11.57 Um objecto circular voando em alta velocidade foi observado sobre esta cidade.

11-28-1957 Hora: 18h20 Cova da Iria-Fátima
Fonte: "A Voz" Jornal (09.11.57) Um objecto estranho foi visto voando sobre a região. Devido à sua velocidade, não foi possível identificar a sua forma.
11-28-1957 Hora: 21h30 Ceissa-Ourém
Fonte: "Diario de Noticias" -1.12.57 Um poderoso raio de luz foi observado sobre esta vila.

11-28-1957 Hora: 23:25 Coimbra
Fonte: "Diário de Coimbra" -29.11.57 O diretor do Instituto de Geofísica de Coimbra, Professor José Custódio de Morais, informou o jornal "Diário de Coimbra" que um objecto voador não identificado foi detectado por este Instituto. Foi próximo da Serra da Lousa, em S.E. direção a uma latitude de 30 graus. Ele estava se movendo com um movimento lento aparentemente visível até à meia-noite. Era extremamente brilhante, mais do que o planeta Vénus e cintilava fortemente, irradiando várias cores de vermelho para azul. Devido ao seu brilho, foi difícil observar através de um pequeno telescópio.

12-22-1957 Couto de Baixo
Fonte: "Diario de Lisboa" -23.12.57 Um objecto estranho e brilhante foi observado sobre esta aldeia.

04-20-1958 Sernancelhe
Fonte: "Diario de Coimbra" -22.4.58 Foi observado um objecto metálico estranho sobre esta aldeia. Objecto alongado e observado por vários minutos.

06-12-1958 Hora: 23:30 Beja
Fonte: "Diario do Alentejo" -17.6.58 A testemunha estava em casa, na sua varanda, quando reparou na presença de um objecto estranho no céu. A sua forma era como um pires.

07-12-1958 Hora: 23:00 Braga
Fonte: "Comercio do Porto" -15.7.58 Um objecto brilhante foi visto sobre a cidade. A sua forma era de um disco. O objecto, que parecia impetuoso, mudou de cor algumas vezes.

10-17-1958 Aeroporto do Porto
Fonte: "Diario Popular" -17.10.58 As pessoas que trabalham no aeroporto notaram a presença de dois objectos brilhantes no céu com padrões estranhos. Apesar do facto de que eles usaram binóculos, não foi possível identificar os objectos. Um pequeno avião do aeroclube do Porto, pilotado pelo instrutor Adelio Fernandes, descolou para ter uma observação mais atenta dos objectos. Aos 1200 metros de altitude viu as as manobras dos objectos mas sem qualquer conclusão.

OVNI esplode sobre Alcobaça - Santarém Portugal 1952

Alcobaça - Santarém Portugal

13 de Maio 1952

09:30 da manhã

Nessa manhã, um objeto em forma de charuto foi observado a voar de um lado para outro o céu da região várias vezes sobre a cidade de Alcobaça, em Portugal, antes de 'explodir', sobre a cidade de Santarém, Portugal, de onde surge uma esfera deslumbrante muito brilhante deixando uma rasto de vapor sendo observado por vários minutos.

Infelizmente não possuímos todos os detalhes deste e outros casos de forma a ficar mais explicito ao público. Desta forma contamos com o apoio, informação do público de forma a termos mais detalhes dos acontecimentos. Estes casos são descobertos através das diversas pesquisas no âmbito de encontrar respostas de indeterminados incidentes ocorridos no país. Ficamos da qual temos vindo a trabalhar.

Se tiver alguma informação adicional sobre este incidente entre em contacto com o Ufo Portugal Network através do E-mail ufo_portugal@sapo.pt

Encontro Imediato em Oliveira do Bairro - Aveiro

A baixo segue mais um insólito incidente que nos foi enviado para averiguação e conhecimento do público, que nos possa de alguma forma ajudar a obter mais informações do ocorrido.

O incidente foi reportado por telefone, pela mãe da vítima no dia 14 de Julho de 2008, no programa da Antena 3 'Prova Oral', dirigido por Raquel Beleza, revelando os pormenores deste bizarro encontro imediato que acabou de alguma forma com um final infeliz para a o seu filho.

A vítima um segurança privado, "vigilante" trabalhava no turno da noite, morava na altura em Oliveira do Bairro (concelho próximo da região de Aveiro). Este regressava a casa após a noite de trabalho quando sentiu um zumbido enorme nos ouvidos, perdendo o controlo do carro. Estava sozinho, tendo de imediato levantado os pés dos pedais. E quando regressou a si, acordou de frente a um portão enorme de uma quinta para ele totalmente desconhecida, num local que ele desconhecia por completo. Houve um periodo de tempo perdido entre as 3 e as 7 da manhã. Entretanto na estrada surgiu um pastor com um rebanho de cabras a quem a vítima perguntou onde estava devido à sua desorientação. Concluiu que estava a mais de 100 quilómetros de distância da sua casa. Regressando a casa não contou a ninguém o sucedido com receio das conclusões prcepitadas de terceiros e família pelo acontecimento. Dois meses depois adoeceu gravemente. Teve vários aneurismas, ao ponto de falharem vários orgãos vitais. Foi submetido a várias cirurgias, acabando por ir para França onde faleceu passado 8 meses de uma forma completamente trágica que os médicos não conseguiram explicar. Os médicos diziam que aquilo só podia acontecer a uma pessoa que estivesse exposta a niveis de radiação muito elevados durante 15 ou 20 anos, o que não era o caso. A vítima era segurança, nunca passou perto sequer de estações com radioactividade. Faleceu com uma hemorragia interna, de uma forma agonizante.

Se tiver alguma informação extra sobre este incidente, queira entrar em contacto connosco através do e-mail ufo_portugal@sapo.pt

domingo, 18 de agosto de 2019

OVNIs em Montejunto - Portugal

Documentário produzido para a Oeste TV com a participação do Tenente Júlio Guerra e o nosso colaborador Paulo Jorge Cosmelli...


Toda e qualquer informação que julgue ser adicional, importante poderá nos enviar através do e-mail ufo_portugal@sapo.pt

“OVNIs são uma realidade”, por Esteban Cruz

Esteban Cruz, antropólogo, escritor e investigador colombiano, falou sobre a pesquisa, investigação de OVNIs ao redor do mundo, sua importância e a diferença entre o paranormal e o inexplicável.

Desde meados do século XX, o fenômeno OVNI tem obcecado a humanidade. Milhares de avistamentos foram documentados, mas poucos alcançaram a atenção do público e da comunidade científica, incapazes de estabelecer uma explicação ou uma origem conhecida para os objetos.

Esteban Cruz Niño, escritor, antropólogo, historiador e investigador é um dos colombianos que mais se interessou pelo assunto e no seu último livro “Expedientes X Colômbia”, reúne os mais extraordinários mistérios e casos inexplicáveis ​​da Colômbia, incluindo documentos desclassificado do governo dos Estados Unidos, nunca antes publicado, sobre ovnis e experiências da CIA em território colombiano.

Após a recente estréia da série Blue Book Project, do History Channel, baseado em pesquisas reais sobre objetos voadores não identificados (OVNIs) realizados pelos Estados Unidos entre 1952 e 1969, Esteban falou sobre o que significado da pesquisa, a importância de conhecer a verdade e os casos em todo o mundo.

O que foi o Blue Book Project?

“O projeto Blue Book realmente aconteceu. Foi um programa do governo dos Estados Unidos em meados do século XX durante a Guerra Fria. Supostos avistamentos de OVNIs começaram a ocorrer, então o governo reuniu militares, acadêmicos, cientistas e desenvolveu um protocolo de pesquisa para ver se essas aparições eram reais ou não. Durou mais de 10 anos, a maioria dos casos acabou por ser falsa ou com explicação, mas dentro dessa pilha existe 4% que nunca tiveram explicação. Eles foram incrivelmente inexplicáveis. Depois disso, eles continuam investigando, alocam dinheiro suficiente para isso.

Por que é importante que tais projetos existam?

“Quando um governo ou uma potência mundial aloca dinheiro do seu orçamento para investigar um fenômeno que para muitos é uma mentira, está dando validade e gerando um impacto social que transforma a imaginação popular. Simbolicamente podemos dizer que os OVNIs têm um grande peso na cultura, por isso existe uma preocupação em saber o que está ocorrendo”.

Os Estados Unidos só têm esse tipo de pesquisa?

“Hoje existem muitos outros projetos. Alguns são públicos, outros são privados. A Inglaterra tem seu próprio programa, a Espanha também e até o Brasil, então não é mais algo estranho investigar. O interessante é de quem mais investigou e continua investigando são os Estados Unidos, e quando falamos sobre isso, falamos de mais dinheiro, dos melhores cientistas e dos melhores militares e, é claro, tem mais peso”.

Você também tem que ver que há mais casos lá ou não?

“Não, há casos em todo o mundo, da África à Antártida. Na Colômbia, por exemplo, há casos que foram investigados no Blue Book Project. Nos Arquivos X Colômbia, menciono três casos investigados pela Força Aérea dos Estados Unidos e não pelos da Colômbia.  E sim, há casos em todo o planeta, mas há áreas geográficas onde as pessoas dizem que surgem mais, embora eu pense que é criado um mito, uma lenda, mais uma tradição cultural do que realidade. Existem locais famosos para avistamentos, como é chamado quando alguém vê um OVNI. Por exemplo, no deserto de Huayca, no deserto de Tatacoa, em Capilla del Monte, na Argentina, na área 51, mas, na verdade, acho que já é uma construção cultural”.

O que você avançou na pesquisa sobre OVNIs?

“Sim, claro, nós continuamos nelas, não são mais os anos 60 onde houve mais especulação e aos charlatães juntaram seitas que se aproveitaram de outras. Hoje temos coisas que não tivemos há 50 anos, vídeos de muita boa qualidade, onde você pode ver o que está ocorrendo muito bem, os mesmos governos publicaram informações que não estavam disponíveis antes, como a gravação de voz da caixa preto de um avião militar no momento em que ocorre um avistamento e é realmente incrível. Dois anos atrás, o Pentágono reconheceu que os OVNIs existem e hoje não há discussão sobre isso. Sim, há objetos voadores não identificados, o que você precisa saber é que, podem ser coisas da natureza, raios, ou podem ser coisas que nem sequer entendemos. Com a nova tecnologia, temos mais evidências, mas também muitas fraudes”.

Precisamente, graças a esse avanço tecnológico, não deveria haver mais luzes sobre o que são esses objetos?

“Os dados dizem o que são uma realidade, a discussão hoje não é se eles existem ou não, mas o que são, porque podem ser um drone de alta tecnologia dos mesmos poderes, governos ou aviões espiões, ou pode haver mil explicações. Acho que talvez haja mais informações novas e elaboradas do que muitos desses casos podem ser, mas acho que nem mesmo aqueles que investigam têm a verdade, porque, se tivessem, eu tenho quase certeza de que acabaria vazando mais cedo ou mais tarde. O que realmente existe é a ignorância.

Ainda há muito charlatanismo "FAKE" em redor do assunto?

“O maior erro de uma pessoa que gosta do assunto ou dissemina esses problemas é que elas dizem que são alienígenas que vêm salvar o mundo, que é um charlatanismo, uma forma de enganar as pessoas”.

Na Colômbia, os casos que acontecem são investigados?

“Nada oficial, há casos incríveis, mas não foram seriamente investigado. Temos muitos problemas e não há dinheiro para investir nisso. Não temos protocolos. Se alguém testemunhar um avistamento, o que ele tem que fazer é obter o máximo de evidências para apoiar o que está vendo. Acho que é uma decisão pessoal, há muitos que viram coisas incríveis e guardam isso por medo de serem considerados malucos, mas se alguém quiser mostrar isso, eles devem tirar todas as fotos que puderem.”

Por que é tão importante saber o que são?

“Não há nada mais importante para a humanidade do que responder às grandes questões que afligem todos nós. O que aconteceria com as religiões? O que aconteceria com os EUA, que têm o exército mais importante, se há coisas que eles não podem controlar, mesmo com as suas melhores armas? No momento em que uma resposta ao fenômeno é formulada, haverá grandes mudanças sociais, sejam os objetos de outro mundo ou do nosso mundo, sejam eles espiões ou armas avançadas, haverá uma resposta de outros países, numa resposta para a sociedade, será muito interessante, mas também perigoso”.

Existem coisas paranormais?

“Dizer que o mundo paranormal existe viola as leis da física e da química e não posso dizer isso. Ali falamos de crenças, não de realidades. Mas há casos, eventos e eventos inexplicados documentados que estão no limite do possível e do impossível, mas que são inexplicáveis. Como os documentos que dizem que havia um monstro em Laguna de Tota ou que em Bogotá um cadáver de uma menina apareceu num baú vermelho escarlate cheio de pó com uma carta muito estranha, quem a matou? Quem é a menina? Isso é inexplicável, mas não é paranormal ”.

Série no projeto Blue Book

History Channel estreou a 9 de agosto a série 'Projeto Livro Azul', que é baseada em pesquisas ultra-secretas sobre objetos voadores não identificados (OVNIs) e fenômenos relacionados, conduzidos pela Força Aérea dos Estados Unidos de 1952 a 1969. .
A produção é focada na vida de J. Allen Hynek, um cientista que se torna parte de uma equipe secreta dedicada a estudar o fenômeno OVNI, cujo trabalho é reunir informações sobre alguns casos.
A série, composta por 10 episódios, bateu recordes de audiência nos Estados Unidos, com uma média de 3,4 milhões de telespectadores.

Esteban Cruz
Na vida real, o Blue Book Project investigou 12.618 avistamentos de OVNIs num período de duas décadas. Embora em muitos casos as fontes sejam confiáveis, como o almirantes do exército, pilotos civis e militares que relataram ver OVNIs, a maioria dos casos investigados é resolvida por ser atribuída a balões meteorológicos, gases do pântano ou eventos climáticos de todos os tipos. No entanto, mais de 700 casos não foram explicados pelos investigadores.

Fonte

Quando os 'OVNIs' fizeram o povo de San Juan Argentina saltar da cama

Em 1968, centenas de pessoas testemunharam algo de extremamente extraordinário na Argentina e Chile. 

Muitas pessoas, exaltadas, invadiram as ruas de Cueca para ver algo de outro mundo .
O mesmo fenómeno estava a ser observado também em Mendoza Chile.
Eram exatamente 03:05h da manhã de sábado, 16 de novembro de 1968.
Os números de telefone do jornal DIARIO DE CUYO começaram a tocar sem parar repetidamente. O povo de San Juan desesperado e em estado absoluto de choque precisava corroborar de alguma forma o que estavam a observar fosse real.

As nuvens espessas prenunciavam a chegada da chuva forte.
Pouco depois, o céu começou a clarear deixando as estrelas visíveis.
Vizinhos de diferentes áreas da província foram surpreendidos pelo uivo dos cães.
Então acontece o impensável.
Centenas de pessoas foram testemunhas diretas da passagem de oito pontos luminosos definíveis, como corpos celestes, se moviam lentamente, ascendendo e descendo.
Eram corpos metálicos: tanques planos, ovóides e absolutamente silenciosos que emitiam flashes avermelhados.

Um de aproximadamente 100 metros de comprimento por 15 metros de largura, comparativamente por distância e altura seguido por sete outros objectos menores.
“O movimento era lento e não deram a sensação de serem fenômenos naturais sem direção.
Pelo contrário, parecia que uma inteligência estava guiando-os e que eles aparentemente cumpriram uma missão ”, disse uma das pessoas consultadas pelo jornal local.

Investigadores descartaram a possíbilidade de meteoritos ou aviões

Naquela hora da manhã, não havia muitas pessoas na rua.
Os irmãos González Aubone estavam regressando a casa no seu carro.
Quando entraram em casa na cidade Trinidad, viram os objetos luminosos movendo-se lentamente sobre o céu de San Juan.
Os gritos despertaram os seus pais que também foram testemunhas diretas do fenômeno.

Após alguns minutos, a apreensão mudou-se para Caucete.
Naquela época, duas festas foram realizadas a poucos metros de distância .
Foi o suficiente para que um dos assistentes olhasse para o céu para que tudo ficasse sem controle. Quem estava nas celebrações, o dono de um quiosque, funcionários de uma farmácia de plantão e até mesmo os moradores locais que estavam dormindo naquele momento .
Todos saíram ou abriram as janelas para ver o que estava acontecendo.

Jesús Vega forneceu um dos testemunhos daquela noite.
“Estava dormindo e acordei com os gritos das pessoas na rua.
Elas só disseram 'objetos voadores, placas voadoras!'
Com as calças na mão, corri para a rua e naquele momento e vi aquelas coisas passando por mim.
Lá percebi que a minha esposa estava ao meu lado, sem dizer uma única palavra, atordoada.
Foi algo realmente lindo, nunca vi nada parecido ”, conta.

No Imperial Center Club houve um show em palco.
A cantora olhou para cima e ficou sem palavras.
Ela começou a apontar para cima, sem dizer palavras.
O público seguiu-a e todos seguiram com expectativa o movimento dos OVNIs.


Durante semanas, em San Juan, não se falava de mais nada.
O que foi isso, nunca foi conhecido com absoluta certeza.
Muito menos a sua origem e destino.
No total, cerca de mil pessoas viram apenas na província .
A cena se repetiu no Chile, Mendoza, La Rioja, Tucumán e Santiago del Estero.

As autoridades da NASA no país esclareceram que o único satélite a sobrevoar a área já havia passado, também descartando essa teoria.

www.diariodecuyo.com.ar

Seguidos por Objectos Voadores Não Identificados na Argentina

Por: Francisco Villagrán 
   www.ellitoral.com.ar

Durante a década de 1980-1990 vários casos incríveis de OVNIs, avistamentos, descidas que deixaram marcas, pistas e até um rapto ocorreu na província de Corrientes. De todos eles, resgatamos hoje do nossos arquivos o surpreendente caso de um carro que foi seguido por um objeto luminoso nos arredores de Esquina.

A cidade Correntina de Esquina, localizada ao sul da província, foi palco de muitos casos relacionados ao fenômeno OVNI, como várias observações em dias consecutivos em 1995, perto de postes de alta tensão, alguns descendo e deixando inclusive marcas próximas na Laguna del Pescado, houve algumas observações de luzes estranhas, mesmo algumas próximas ao solo, observadas por muitas testemunhas.
O caso em questão hoje é apenas um deles, no qual Esquina estava involuntariamente envolvido numa série de observações de estranhos objetos voadores não identificados (OVNIs), junto com Resistencia, Sáenz Peña e Posadas, que numa semana eram o cenário dessas aparições estranhas. As testemunhas que viajavam de carro foram seguido de perto por um estranho objeto luminoso. Segundo as testemunhas, na segunda-feira, 22 de fevereiro de 1988, aproximadamente às 10:30h da noite, numa estrada que vai da área urbana da cidade e do Santa Rosa Pass, o casal formado pelo administrador da Estância Santa Rosa, Hernán Frette e sua esposa Albina Morel,
Naquela época e viajando no seu carro, observavam com assombro e estupor a evolução de um estranho objeto luminoso que aparentemente seguia o veículo, já que segundo o depoimento do casal, ele os seguia para frente e para trás, como se os acompanhasse. De acordo com a descrição que eles forneceram, “era uma luz muito forte que iluminava tudo como se fosse dia.”
Não houve quebra do motor, como é frequente nestes casos e isso foi devido, conforme explica a testemunha, devido ao fato de o motor ser Diesel e devido ao seu sistema de combustão e ignição, não ser afetado pelo campo eletromagnético desses objetos.
A qualidade das testemunhas neste caso, apesar de serem apenas duas, isenta-nos de comentários adicionais, uma vez que ele, sendo um administrador da estadia acima mencionado, e ela uma professora, filha de um ex-prefeito de Corner, podem ser catalogadas como "testemunhas qualificadas", muito importante no fornecimento de detalhes do evento. Mais um caso dos muitos que foram apresentados nesta área e que, ano após ano, vêm reafirmando a realidade da existência do fenômeno OVNI.

Caso semelhante em Bariloche
Um fato semelhante ao relatado, mas mais assustador, ocorreu em março de 1994, em San Carlos de Bariloche, quando dois jovens afirmaram ter sido perseguidos por seres extraterrestres, que projetavam luzes fortes no meio de uma estrada durante a noite. Carlos Arriegada e Antonio Vergara, disseram ter visto as luzes quando estavam a caminho da cidade de Pilcaniyeu, depois de sofrerem um acidente com o seu carro, então tiveram que deixá-lo na estrada e ir para a cidade a pé.
“Estava tudo muito escuro, disseram eles, foi então que uma luz à nossa frente começou a se mover. Eu pensei que era uma pessoa com uma lanterna e gritei com ela. “Venha, nos ajude?” Mas não respondeu e a luz ficou maior e mais forte, como se fosse um camião, parecia que ia nos esmagar. Então olhamos para trás e havia duas luzes fortes nossas costas, mas elas não iluminavam tanto. Lá pensamos que estávamos na presença de seres extraterrestres, não havia dúvida.
Os dois amigos declararam que as luzes eram verdes e laranjas e ficavam a cerca de 15 metros de distância deles e permaneciam no ar a uns dois metros de altura, no meio do silêncio absoluto. A luz da frente era como uma espécie de relâmpago piscante e os da parte de trás eram como luzes fixas, do tipo pontual, esclareciam. Os jovens ficaram cerca de 10 intermináveis ​​minutos paralisados ​​e de mãos dadas, "porque estávamos com muito medo", disseram.
O colapso sofrido pelo carro dos dois amigos, deveu-se a um desgaste inesperado da bateria, e anteriormente a caixa de mudanãs teve tamém um problemas mecânicos depois do carro sofrer danos elétricos. Tudo isso talvez se devesse à proximidade de um poderoso campo eletromagnético, que, sem dúvida, deve ter emanado do estranho objeto luminoso que estava tão próximo. Quando o carro parou, porque ficou sem energia e sem luzes, decidiram sair para tentar reparar o estrago. Mas sem ferramentas, no meio da escuridão e sem meios, era tempo perdido, decidiram então ir à próxima cidade que não estava muito longe, procurar ajuda. "Não pudemos fazer nada porque a bateria morreu", disseram.

Quando decidiram ir a pé em direção à cidade, os dois amigos perceberam que as luzes, que atraíam imagens difusas no ar, os seguiam lentamente, como um balão flutuante. Vergara disse que em face do terror paralisante que sofreram, ele disse ao parceiro: "Nós só podemos rezar, pedir a Deus que não nos leve, porque parece ser o que eles queriam fazer". O seu amigo não respondeu, parecia uma estátua, imóvel sem falar. Em pânico e paralisados ​​de medo, eles observaram que as luzes subiam lentamente pela estrada, até desaparecerem rapidamente no céu estrelado. Depois do choque, os dois correram para a cidade e contaram a sua incrível história. No dia seguinte, houve algumas testemunhas que alegaram ter visto aquelas luzes estranhas sobre a cidade, movendo-se em alta velocidade, ao mesmo tempo. 

sábado, 17 de agosto de 2019

Abdução em Niterói - Resumo do Caso


 Testemunha: Clélia T.R., dona de casa, mãe de duas filhas, e que contava à época do episódio, 22 anos de idade.

Local: Praia do Saco de São Francisco (prolongamento das praias de Icaraí e do Canto do Rio, situadas na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro), antigamente, era um local ermo, mas hoje é muito procurado, em virtude do belo panorama que ali se descortina da Baía de Guanabara, emoldurada pelas montanhas da vizinha cidade do Rio de Janeiro.

Data e hora do episódio: No dia 10 (ou 11) de setembro de 1956 e que perdurou das 11 hrs às 16 e 3 hs, aproximadamente.

Pesquisa realizadas: Em 17 de novembro de 1975, no início de 1976 e em 5 de maio do mesmo ano.

Resumo do episódio: Declarou a testemunha que encontrava-se sentada À beira da praia, às 11 hs, aguardando a condução que deveria levá-la de volta à sua residência, em Niterói, quando teve a sua atenção despertada para um objeto voador que, com estridente ruído, aproximou-se da praia e ficou pairando sobre o mar, próximo à arrebentação das ondas, fato que causou pânico aos banhistas ali presentes.

Informou que a sua memória sofreu, a seguir, um colapso, pois não se recorda da maneira pela qual foi transportada para o interior do objeto, onde se encontravam vários tripulantes. Um deles, dirigindo-se a ela em português, submeteu-se a exames, através de um aparelho. No Disco Voador, ela notou, também, a presença de uma das pessoas que se encontrava na praia, mas que pareceu achar-se inconsciente.

Ocorreu, em seguida, um segundo lapso da memória da testemunha, que não sabe explicar como encontrou-se novamente sentado à beira da praia, à espera do ônibus que a levaria a casa. Quando este chegou, nele também viajaram as pessoas que ela havia visto na praia pela manhã, quatro ou cinco horas antes, inclusive a personagem que, ao seu ver, encontrava-se inconsciente no interior do disco.

B – Relato do Episódio

Relato dos fatos que precederam o episódio:

A testemunha, do dia assinalado (10 ou 11 de setembro de 1956), havia deixado a sua residência, no bairro do Cubango, em Niterói, com o objetiv de ver uma pequena casa que se encontrava à venda no bairro do Saco de São Francisco (hoje chamado simplesmente São Francisco), onde chegou após uma viagem de ônibus de, aproximadamente 1 hora e trinta minutos. Depois de visitar o imóvel, do qual se agradou, e de conversar com a proprietária, retornou à margem da estrada a fim de aguardar o retorno do ônibus, que a levaria a sua casa. O horário do veículo obedecia a intervalos de 60 min. Fazia muito calor naquele dia e a testemunha, sentando-se num monte de pedras próximo à praia, distraia-se observando o movimento dos banhistas, que avaliou em torno de 15 a 20 pessoas, umas dentro e outras fora d’água.

Eram cerca de 11 horas, e ela preocupou-se ao pensar que ainda tinha que preparar o almoço das filhas, uma de um ano e meio e a outra de 3 anos. Nisso, a sua atenção foi atraída para um leve ruído, vindo do mar, o que ela relacionou a um ponto luminoso, e que descia sobre o mar. O ruído aumentava enormemente, a tal ponto que ela levou as mãos aos ouvidos, para protegê-los. O mesmo gesto ela notou num rapaz, que estava sentado na praia. Os banhistas, que antes se encontravam no mar, haviam-no abandonado, com receio do ruidoso objeto que se aproximava e, temerosos, se reuniam em pequenos grupos.


Dentro do disco

A ultima lembrança que a testemunha guardou, foi a de um objeto de grandes proporções, redondo e muito luminoso, a ponto de ofuscar a vista, e que estacionara a uns 25 metros da praia e a 5 metros da quebração das ondas e que baixara até a superfície da água, sem que esta, contudo, sofresse qualquer alteração. O ruído, entretanto, permanecia o mesmo: estridente, lacerante.

Segundo a testemunha, deve ter havido um lapso na sua memória, porquanto ela recorda-se a seguir, de achar-se estendida sobre um estrado, na penumbra, em um corredor curvo, sem saber a maneira pela qual fora transportada para ali. Em outro estrado, imóvel, encontrava-se o rapaz que, momentos antes, ela havia visto na praia, protegendo, na ocasião também, os ouvidos contra o ruído, como foi mencionado acima. Naquele recinto, o ruído continuava insuportável.

Percebeu, em seguida, a aproximação de duas personagens que caminhavam a passos lentos, mas de maneira natural, e cujas feições não pode distinguir, pois embora usassem capacetes translúcidos, estavam os mesmos embaçados. Eram mais altos do que ela (que em 1, 52 m), aparentando 1,75 m de altura. Usavam macacão de material que se assemelhava a lâmina de alumínio, com cintos do mesmo material, o qual cobria também as mãos e os pés, como se fossem luvas e sapatos. Sem nada dizer, eles tomaram Clélia e o rapaz nos braços e os transportaram, através de uma porta no corredor, para uma sala circular, de uns 20 metros de diâmetro, e os colocavam, novamente cada um em um estrado. Clélia supõe haver estado uns 20 minutos no referido corredor.

No interior da sala circular

Na sala onde fora instalada, Clélia continuava a perceber o ruído que tanto a incomodava. E súbito, aproximou-se dela um homem sem capacete, com os cabelos grisalhos, penteados para trás, e que se dirigiu a ela num português perfeito e melodioso. Ela queixou-se, então, do ruído que começava a deixá-la louca. Dizia-lhe isso, enquanto vedava o orifício externo dos ouvidos com os dedos. A personagem assegurou-lhe que, em breve, corrigira o som, mas que ela não devia vedar os ouvidos com os dedos, para não se prejudicar. O seu interlocutor aparentava 1,70 m ou 1,75m de altura, usava vestimenta igual a dos outros dois, mas tinha o olhos cheio. Os olhos eram escuros e penetrantes. Clélia não conseguiu ver-lhe os dentes, pois a boca se entreabria pouco, quando ele sorria. Caminhava mais depressa do que os outros dois, porém com movimentos suaves e seguros.

A personagem explicou-lhe, a seguir, que ela havia sido trazida a bordo do engenho para ser examinada. À uma interpelação de Clélia, referente ao banhista trazido, igualmente, para aquela sala, foi-lhe explicado que ele havia sido deixado inconsciente, porquanto não tinha condições de enfrentar a realidade sem medo e pânico como ela vinha fazendo, e que aquela fora a razão pela qual ela havia sido conduzida a bordo do disco voador, a fim de ser submetida a exames.

O homem tomou, Clélia nos braços e colocou-a sobre uma maca, que se encontrava próximo a uma parede, na qual estava fixado um aparelho de forma quadrada, e que era movimentado em todos os sentidos por uma espécie de sanfona. O aparelho foi, então, conduzido ao longo de todo o seu corpo e também lateralmente. Durante os exames, dele se projetava uma luz roxa. O ruído havia diminuído de intensidade e era agora perfeitamente suportável.

Pareceu a Clélia que o exame pelo aparelho de luz roxa havia durado uns cinco minutos, ao fim dos quais a personagem deu por encerrada aquela fase e disse que queria conversar com ela. Clélia retrucou que lamentava não ter, no momento, uma máquina fotográfica para poder documentar com retrato o inacreditável momento que estava vivendo.

Foi-lhe, então, indagado o que significava a palavra retrato, ao que Clélia respondeu exibindo uma carteira que trazia sua foto. A personagem retrucou-lhe que, no próximo encontro com ela, seria dado um jeito para que tal acontecesse. Ponderou Clélia que um próximo encontro seria difícil, pois ele ignorava o seu atual endereço e que o mesmo seria mudado em breve. Achá-la em qualquer lugar não seria problema para nós”, foi a resposta, porquanto pelo registro feito havia pouco pela máquina, ela seria localizada em qualquer ponto onde se encontrasse. A personagem acrescentou, entretanto, que, para um encontro, era preferível um ambiente ao ar livre, com vegetação ou água, pois recintos fechados não eram propícios a contato com eles. Nas suas abordagens e aproximações na Terra, eles usavam de muita cautela e sigilo, pois os terrestres podiam ser tentados a atacá-los, que levaria os mesmos a uma derrocada, o que devia ser evitado. Eles atuavam aqui pesquisando, e não eram inimigos, ao contrário, ajudavam.

Perguntou, ainda, à Clélia a razão de uma cicatriz que havia no seu baixo ventre, como podia ter ele notado aquela lesão na pele, que resultara de uma intervenção cirúrgica (cesariana), que ela submetera no ano anterior. A isso, ele respondeu que a nossa medicina era ainda, bastante atrasada, ao deixar cicatrizes tão feias, e que, por outro lado, para a máquina com que ela fora examinada não havia segredo, pois ela desvendava, mesmo através do vestuário.

Ainda com relação ao rapaz que permanecia inconsciente, ele explicou à Clélia que, posteriormente, a deixaria também, com amnésia parcial, ligada a determinados fatos que ela presenciara e sobre os quais haviam conversado, porque não convinha que ela falasse ao seu marido sobre os mesmos, pois caso ele não lhe desse crédito, poderia interná-la como doente mental, numa Casa de Saúde. Se, no presente, acrescentou ele, viessem a lhe faltar palavras ou ideias para relatar aquilo de que havia participado ou visto, para o futuro isso não aconteceria, pois, na hora certa, ela teria capacidade suficiente para descrever exatamente o que ora lhe estava acontecendo, a bordo do Disco Voador.

Foi-lhe, ainda mostrada a sala do comando, separada da sala circular. Nela havia uma parede, aparentemente de um vidro espesso, brilhante, através da qual podia distinguir-se o exterior, mas como se fora envolto numa neblina. Pelos cálculos de Clélia, ela teria permanecido cerca de três horas nas salas circulas e de comando.

A volta ao nosso mundo

Deve ter ocorrido outro lapso de memória, pois Clélia não sabe explicar como encontrou-se, novamente, sentada nas pedras, a beira da estrada, à espera de condução. Quando o ônibus chegou, juntamente com ela embarcaram outras pessoas, entre as quais os banhistas que ela havia visto na praia, inclusive o rapaz que, momentos antes, encontrava-se em estado de inconsciência, no interior do disco voador, próximo a ela.

Observou que durante a viagem os passageiros mantinham-se calados, mas recorda-se de que alguém perguntou que horas eram, ao que lhe fora respondido que eram 16:30 hs. Clélia notou, então, que o seu relógio havia prado nas 12:05 hs. Havia, assim, transcorrido 4 a 5 horas desde que chegou à praia.

Ao entrar em casa, perguntou-lhe o marido, com insistência, qual o problema que ela tivera naquelas horas em que estivera ausente. Ela de nada se lembrava e esqueceu-se mesmo de falar a ele sobre a casa que fora ver naquela manhã, motivo de sua ida ao bairro do Saco de São Francisco. Pareceu à Clélia que ela própria não queria lembrar daquele fato, que estava ligado ao ruído ensurdecedor que se gravara na sua memória, ameaçando-a levá-la à loucura.

Para o marido, ela argumentos que a casa não a interessava, pois o comercio local era muito precário. O relógio de Clélia que deixara de funcionar por ocasião dos acontecimentos acima expostos, não pode mais ser reparado, não obstante houver sido examinado por três relojoeiros.

Clélia relatou, ainda, que uma semana após a sua estranha experiência, teve a oportunidade de ler, em jornais, reportagens referentes a discos voadores que haviam sido avistados na cidade de Magé (estado do Rio de Janeiro). Nessa ocasião, o episódio que vivera ressurgiu, inteiramente na sua memória. Entretanto, somente cinco meses antes da nossa entrevista havia ela relatado, pela primeira vez a sua aventura no disco voador, e o fez à sua filha mais nova, então com 21 anos.

Quem trouxe Clélia à nossa presença foi o nosso amigo, ufólogo Carlos Arctur Ribeiro Rocha (Carlinhos Sideral para os amigos) e que, juntamente, com o engenheiro Altino Silva Nunes, interessado em Ufologia e promotor da conferência de Hynek, no clube de Engenharia, em setembro de 1975, procurou reconstituir fases do episódio ocorrido no Saco de São Francisco. Para isso, tentaram localizar a casa que Clélia visitara 20 anos antes. Todavia, em razão do grande desenvolvimento do bairro, agora com inúmeras construções novas, e que se constituiria em local muito procurado por aqueles que procuravam fugir à poluição dos logradouros industriais de Niterói não foi possível à Clélia encontrá-la. Possivelmente, já havia sido demolida para dar lugar à uma construção mais moderna.

O Dr. Altino foi, então, de parecer que o episódio relatado por Clélia não devia passar de um sonho ou de um período de ausência, pelo que ela devia esforçar-se para esquecê-lo inteiramente.

C – Esclarecimentos adicionais e comentários finais

Regressão ao episódio, em sono hipnótico.

Seis meses após o relato acima e 20 anos após a ocorrência do episódio focalizado, foi a testemunha submetida a uma hipnose regressiva, em 5 de maio de 1976, pelo médico e parapsicólogo Prof. Sylvio Lago, na residência deste, em Niterói.

O Dr. Lago, pela regressões, em estado hipnótico que provocou em testemunhas de UFOs, como os Srs. Benedito Miranda e Onilson Pátero, dispensa apresentação aos leitores deste boletim. No caso em apreço demonstrou abordagem cautelosa e manipulação segura da técnica de “indução para estado hipnótico profundo”.

A testemunha, Clélia, falava muito baixo, o que dificultou, posteriormente, a captação e a compreensão das suas palavras na fita gravada durante a regressão em hipnose. Em alguns trechos a fita apresenta também, defeitos, mas que não prejudicaram o resultado global. Durante a regressão, a testemunha confirmou, em linhas gerais, tudo o que havia relatado em estado consciente. A gravação ainda demonstrou o sentimento de viva apreensão da testemunha nos trechos referentes à aproximação do ruidoso veículo extraterrestre. Esta e outras coincidências do relato de Clélia, em hipnose e quando em estado de vigília, falam a favor de sua sinceridade.

Pelas manobras comprobatórias específicas, durante a regressão, foi confirmado o seu estado hipnótico (profundo).
Fonte

Caso em Venâncio Aires


Em Venâncio Aires (RS) ocorreram dois casos em dezembro de 1954 que podem estar interligados devido à proximidade de datas e locais. Estes episódios foram divulgados pela extinta Revista O Cruzeiro, de 15 de janeiro de 1955, que em matéria de Licurgo Cardoso, apresenta o depoimento das testemunhas envolvidas nos casos.

O primeiro deles ocorreu em 9 de dezembro de 1954 quando o agricultor Olmiro da Costa e Rosa, morador de Linha Bela Vista, estava trabalhando na lavoura de feijão e milho quando ouviu um ruído estranho. Este misterioso barulho assustou os animais que pastavam nas proximidades que fugiram rapidamente do local.

Olmiro, que estava abaixado, levantou-se para ver o que estava acontecendo e foi então que notou a presença de um homem desconhecido próximo à um objeto, de uns 15 metros de diâmetro por 3 de altura, em formato de chapéu, de coloração clara, flutuando a aproximadamente 1 metro do solo.

Olmiro notou que dentro do objeto havia um outro tripulante e mais distante outro examinando a cerca com grande interesse. Assustado Olmiro tentou gritar mas não conseguiu pois sentiu uma moleza em seu corpo. A enxada que portava caiu no chão e foi logo apanhada pelo ser que estava mais próximo da testemunha.

Este ser entregou a enxada à Olmiro com um sorriso no rosto Após isso apanhou um pé de feijão e outro de milho. Nesse momento ovelhas que haviam fugido com a aparição do objeto estava retornando. Vendo que o tripulante estava olhando para as mesmas com grande interesse Olmiro ofereceu com gestos uma de suas ovelhas. O ser respondeu com um movimento negativo.

Olmiro não viu os seres entrando no objeto. Ele lembrava-se apenas de ter visto do objeto elevando-se pairando a uns 10 metros de altura. Depois disso disparou em direção ao horizonte em questão de segundos.

Os seres observados por Olmiro tinham aspecto humano, tamanho médio, robustos, muito pálidos, cabelos compridos, louros, com olhos rasgados. Todos vestiam macacões de cor marron-clara.

Dois dias depois deste episódio, em 11 de dezembro, outro lavrador, Pedro Morais, que morava a aproximadamente 1 Km do sítio de Olmiro da Costa, teve uma experiência semelhante. Ele se dirigia ao armazém para comprar mantimentos, quando ouviu suas galinhas assustadas. Como todo agricultor cuidadoso foi verificar o que assustava seus animais. Antes de chegar ao local onde estava as galinhas observou pasmo um objeto em formato de pires plainando sobre a região. A descrição do som do aparelho foi exatamente a mesma da mencionada por Olmiro da Costa: "som de uma máquina de costura".

- Na parte de baixo o "trem" parecia um enorme tacho de cobre polido e em cima tinha o formado de uma capota de jipe.

Ao olhar para baixo novamente percebeu que haviam dois vultos baixos, mas de forma humana, vestindo uma roupa que cobria dos pés à cabeça, que caminhavam por entre a plantação de fumo. Curioso tentou se aproximar. Um dos seres o viu e fez-lhe sinal para que parasse. Pedro não deu atenção e continuou se aproximando. Os seres então rapidamente coletaram um pé de fumo e ambos embarcaram no objeto que decolou rapidamente desaparecendo em altíssima velocidade. Pedro não chegou a ver o rosto destes seres.

                     Representação artística de um dos contatos ocorridos em Venâncio Aires

                                  Venâncio Aires, no mapa do estado do Rio Grande do Sul

Fonte

terça-feira, 13 de agosto de 2019

OVNILOGIA vs CIÊNCIA

Relatos de objetcos voadores não identificados e encontros com alienígenas desencadearam investigações por parte de equipes, grupos amadores e secretos de vários governos na (ufologia / ovnilogia). 

As investigações dos governos embora negando consecutivamente o seu interesse, apresenta um especial interesse popular no assunto.

No entanto na história da ovnilogia os cientistas geralmente abordam o tema com algum ceticismo, na maioria das vezes descartando a ovnilogia como pseudociência e crentes no fenómeno dos objectos voadores não identificados como pessoas irracionais ou anormais.
Os mesmos podemos alegar da imprensa que ironiza o assunto ao descrédito total da mesma forma que o ceticismo desses cientistas. Um cocktail que misturado faz uma grande combinação de explosão à ignorância.

Os crentes, por sua vez, expressam as suas dúvidas sobre a precisão da ciência acadêmica, visto que não conseguem expressar as melhores respostas ou quando apresentam, são meramente insatisfatórias.

O estudo "OVNILOGIA" examina as fontes históricas da desconfiança mútua entre investigadores de ovnis e cientistas.
Isto demonstra que qualquer dúvida científica envolvendo objectos voadores não identificados e alienígenas não se devia primordialmente dar à ignorância dos investigadores de ovnis sobre a ciência, mas sim um produto das respectivas práticas de pesquisa e relações entre a ovnilogia, as ciências e órgãos investigativos do governo.
Porém os órgãos do governo operam num secretismo de interesses que por sua vez são ocultos do público.

Contudo não será a referida Exopolitica a ser a solução no futuro.
Exopolitica é apenas uma expressão na palavra, como foi o Disclosure, grupos com uma idiología.

Portanto é possível que dentro dos anos seguintes, surga outros nomes além do Disclosure & Exopolític!

O bem da Ovnilogia / Ufologia, vai do carácter, honestidade da pessoa em causa na busca da verdade, não enveredando somente para uns dos lados das ciências!
É extremamente necessário aplicar todas as ciências na sua base de estudo e conhecimento.

domingo, 11 de agosto de 2019

Vídeo: Chester Bennington dos Linkin Park também viu um OVNI

O falecido vocalista do Linkin Park, Chester Bennington, revelou que também ele viu um OVNI, "Objecto Voador Não Identificado" bem antes de sua morte.

O músico de 41 anos fez a confissão durante uma conversa com um apresentador da KIISFM.com, que foi filmado e depois enviou para o blog Fury of Awesomeness no YouTube.

Discutindo o incidente, que ele disse ter acontecido no Arizona, o falecido líder da banda disse: "Ter um milhão por cento de certeza do que viu. Foi a única vez que vi algo e não pude apresentar uma explicação razoável e lógica em conjunto".

"Me recordo vividamente do que vi. Ainda tenho a sensação assustadora de saber que não foi feito pelo homem. Foi muito bizarro o que observei".


Chester foi uma das muitas estrelas do mundo da música afirmar ter observado algo de estranho no céu sem uma explicação racional perante os seus conhecimentos.

Chester Bennington nos deixou em vídeo o seu testemunho do que terá observado algo de extraordinário.

sábado, 10 de agosto de 2019

Vídeo: Objecto Voador Não Identificado em Neuilly s Marne - França

Vídeo enviada ao UFO Portugal Network, através da testemunha Sr. Albertino Cardoso, Spotter português residente em França e membro do grupo UFO Portugal Network - Facebook

Relato da testemunha...

Sr. Albertino Cardoso
Bom dia, no dia 9/9/2019 às 16h46 começei a utilizar meu equipamento Canon eos 550 d, equipado com visor optique, começei a visionar o céu jà a registrar e alguns segundos depois vi um ponto brilhante que me chamou a atençao, visualizei esse ponto branco e o resto se pode ver no video.
Esse ponto brilhante vinha na dieçao Norte para Sul e começou a desviar para Leste até desapareçer nas nuvens.
Não é a primeira vez que registo este género de bola branca, anteriormente fazia fotos e me diziam que eram balões, era muito complicado explicar o que tinha visto.


O video foi feito em França na vila de Neuilly s Marne.

Para os amantes do fenómeno OVNI será de abreviar que teremos a Vigília Nacional 2019 já no mês de Setembro.

Hora de começar a preparar as câmeras para este evento anual aguardado por muitos entusiastas.

Bernie Sanders: Garante falar a verdade sobre OVNIs e Extraterrestres se for eleito presidente dos EUA

Compromisso real ou estratégia eleitoral?
Se o candidato presidencial democrata Bernie Sanders for eleito presidente dos Estados Unidos em 2020, ele afirma que irá revelar toda a verdade sobre OVNIs e extraterrestres.


A mesma estratégia de Hillary Clinton certamente 

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Objecto Voador Não Identificado na Escócia continua sem explicação


Uma testemunha britânica em Crieff, Perthshire, na Escócia, relatou assistir e filmar um objeto em forma de disco, de acordo com o testemunho no caso 92499 do banco de dados de testemunhos da Mutual UFO Network (MUFON).

O incidente ocorreu às 15h10 do dia 2 de junho de 2018.

"Houve uma tempestade em aproximação vinda do sudeste", afirmou a testemunha. “Eu olhei pela janela enquanto estava em casa. Notei um objeto à distância que não se parecia com um pássaro, flutuando no céu. Então fui e peguei a minha camcorder - Panasonic HC.V250 10.0 mega pixels 90 x zoom - para ver se conseguia ver melhor o que era através do zoom. ”

Quando a testemunha regressou com a câmera, o objeto se moveu a certa distância no céu.

“Minha visão foi bloqueada quando o objeto passou pelo relógio da cidade e o perdi de vista quando passou por trás de um telhado. Eu então corri para outra janela na minha casa para que pudesse ver de novo. Abri a janela porque não queria filmá-la através do vidro. Eu consegui filmá-lo por cerca de 30 segundos, talvez na verdade apenas 20 no momento em que me concentrei. ”

A testemunha descreveu o objeto.

“Em forma de disco, ou um disco com uma borda. Eu estava vendo isso se movendo da esquerda para a direita. Aparece em forma de charuto quando se move horizontalmente. Havia nuvens acima e abaixo dela. Aproximou-se de algumas nuvens de nível mais baixo e depois inclinou-se. Ao fazer isso, você pode ver claramente que era circular quando visto de baixo. Em resumo, ele viajou a uma velocidade constante, aproximou-se de uma formação de nuvens e então inclinou-se e foi para a nuvem e foi quando a perdi de vista. O filme é um pouco instável, mas quando abrandado e capturas de ecrã, você obtém algumas melhorias. Só notei depois de olhar para as capturas de ecrã, que quando se aproxima da nuvem para descer, aparece uma luz verde em forma de rosquinha por baixo. Anexei o clipe de filme e um par de capturas de ecrã também, e espero que alguém  possa aprimorá-las um pouco mais do que eu consegui. Foi filmado em Crieff, Perthshire, na Escócia. Veja por si mesmo.

Robert Young, da UK MUFON, encerrou este caso como um veículo aéreo desconhecido. A testemunha forneceu quatro imagens fixas e um vídeo com o relatório, que foi entregue em 5 de junho de 2018.

Detalhes
"A única explicação racional possível que poderia explicar o vídeo é que ele é fraudado ou o objeto pode ser algum tipo de drone, mas parece improvável", afirmou Young no seu relatório. "Minha própria conclusão é que é um objeto real e não uma farsa, um objeto voador não identificado, seja ele qual for."

MUFON