segunda-feira, 11 de abril de 2016

A verdadeira guerra dos Mundos entre militares vs extraterrestres


O geólogo e engenheiro de estruturas e especialista em rochas, que trabalhou em diversos projetos  do Governo Americano, inclusive na tão misteriosa e falada Área 51, Philip Schneider deixou para trás uma história de arrepiar, que assusta os crentes da ovnilogia e o interesse e curiosidade dos céticos.
Por muito tempo, Philip trabalhou contribuindo na construção de bases secretas subterrâneas para as forças militares dos EUA.

Durante este período, ele alega ter presenciado coisas que seriam dignas de um filme de ficção.
Depois de estar fora das operações governamentais, Philip decidiu palestrar ao redor do mundo, relatando as incríveis e inesperadas experiências que viveu.
O geólogo conta que, num dos processos de construção subterrânea, na base secreta de Dulce, no novo México, ele juntamente com outros membros da operação, sendo em grande maioria soldados e também alguns cientistas, após escavarem um buraco de 4km de profundidade, depararam-se com algo que os deixaram perplexos, criaturas que provavelmente, seriam extraterrestres.
As criaturas, segundo Philip, portavam armas radiativas, de alta potência, e começaram a atirar contra a equipe.

Fragmento do discurso de Philip


“De qualquer forma, fui atingido no peito por uma das suas armas, um raio azul, que saiu de uma “caixa” do seu peito, aquilo abriu um buraco em mim, rasgou-me, como um peixe, arrancou alguns dos meus dedos, derreteu o meu pé esquerdo, queimou os meus sapatos e deu-me uma dose brutal de radiação de cobalto.
Tive câncer por causa disso.
Algo tinha corrido mal não era suposto nos depararmos com criaturas que iniciaram a “batalha” mataram quase todos.
Dos 70 membros da equipe, entre eles soldados, engenheiro, técnicos e cientistas, somente 4 sobreviveram entre eles, Philip.

Suposta entrada para a base de Dulce no novo México – LOCAL DA “BATALHA”

Philip alega ter matado (atirado) em duas das criaturas, porém sendo atingido por uma delas.
Nas suas palestras, ele mostra uma grande cicatriz, que ia da altura da garganta até o umbigo, explicando que tal marca foi ocasionada pelo disparo de uma arma radioativa das criaturas.
Schneider também sofreu vários outros problemas de saúde, causados por tal ataque alienígena: ele perdeu alguns dedos da mão esquerda, teve problemas cerebrais e esclerose múltipla, ficando incapacitado de se locomover por um grande tempo, sem uma cadeira de rodas.

O engenheiro ainda contou nas suas palestras diversos planos traçados pelo governo, juntamente com extraterrestres envolvendo experiências científicas com animais e implantes de chips nos seres humanos, além da construção de cidades inteiras abaixo da terra, seres camuflados com a aparência de humanos vivendo normalmente entre nós.
Schneider sabia do grande risco que estava correndo ao  quebrar o pacto de silêncio com o governo, revelando informações tão sigilosas, inclusive falava para os seus amigos que, se ele fosse encontrado morto e alegassem que ele cometeu suicídio, com certeza alguém teria, na verdade, o assassinado.


Curiosamente – ou não – seis meses após Philip ter iniciado seu circuito de palestras rvelando ao mundo todas as experiências terríveis que diz ter vivenciado, ele foi encontrado morto no seu apartamento.
Todo o material que o geólogo utilizava para as suas palestras havia desaparecido, sendo que objetos de valor, e mesmo dinheiro, não foram levados.
Após o seu assassinato, também apareceram mortos 11 dos seus melhores amigos.
A causa da morte? “Suicídio”.
As autoridades declararam a morte de Philip Schneider como suicídio, não aprofundando as investigações, e ignorando o desaparecimento dos materiais de palestra de Philip.
Mera coincidência? Talvez.


Sem comentários:

Publicar um comentário