sábado, 9 de setembro de 2017

Argentina: Piloto dos X Files do CEFAE

RUBEN LIANZA, FORÇA AÉREA ARGENTINA

'X-Files argentinos': o piloto que fala de avistamentos à cinco anos

É responsável pelos Estudos de Fenómenos Aeroespaciais. Em 2016 investigou 40 denúncias de observações após a aplicação do conhecimento de astronomia, meteorologia e óptica.

Na Argentina, desde 2011, essa tarefa cabe ao Estudo de Fenómenos Aeroespaciais (Cefae), dependendo da Força Aérea Argentina. Seu diretor atual é Rubén Lianza, um piloto de testes experiente, que se aposentou da FAA, que foi chefe da Base Marambio, além de ser um astrónomo amador e investigador de OVNIs há quatro décadas. 

"Durante 2016 nós investigamos - e explicamos- quarenta queixas enviadas para nós a partir de quase todas as províncias. No ano passado fomos capazes de resolver com êxito todos os incidentes relatados, depois de analisar as imagens usando um software especial, avaliando as evidências, pesquisar por dados e aplicar técnicas de astronomia, meteorologia e óptica". Tudo isto é feito sem qualquer orçamento específico alocado para a área como "outra força operacional." 

Cefae as queixas geralmente vêm através de um formulário de contacto localizado na página https://www.faa.mil.ar/mision/cefae.html

"A maioria são testemunhos e fotografias tiradas com câmeras digitais e alguns vídeos. Em quase todos os diferentes objetos são vistos voando, muito em forma de pires. Os fotógrafo garantem não ter observado nenhum avião, helicóptero ou pássaros. 

Algumas fotos são nocturnas e são registadas luzes no céu.  

Passo a passo. Lianza é responsável pela realização do trabalho de detetive para identificar cada objeto voador, com base em várias técnicas e utilizando uma metodologia consistente. "Algo comum são as causas biológicas, de aves para insetos que cruzam na frente da câmera. Isso é estudado com programas que varrem o pixel a pixel de imagem, incluindo ferramentas que removem o efeito de arrastamento para a imagem sólida". 

Outra explicação comum, Lianza detalhadas são fenómenos ópticos ou um defeito na câmara: a partir de um arranhão na lente para uma gota de humidade que gera uma dispersão do espectro em particular. 
"Em outros casos, por exemplo quando visto luzes em um determinado ponto no céu, buscamos bases de dados e programas de simulação são utilizados para determinar se a causa poderia ser o reflexo do sol sobre as antenas de um satélite em órbita acima desse ponto geográfica. Ou a lua, vista do dia, mas em um ângulo e lugar inesperado pelo fotógrafo". 

De acordo com Lianza, outras causas são o tempo, como algumas nuvens, que é verificado por análise de imagens de satélite do tempo e do lugar da foto e as partes do Serviço Nacional de Meteorologia, detalhando as condições meteorológicas. Finalmente, outros OVNIss têm explicações aeronáuticas de voos de drones militares ou balões como o Google estratosférico fornecendo internet aeronaves em áreas remotas. Depois de encontrar uma explicação científica adequada, o OVNI se torna ovi: objeto voador identificado. 
O que acontece se houver OVNIs inexplicáveis? 
-No evento que acontece, ele não garante que é extraterrestre. Eles são registos que estão abertos para o próximo ano, enquanto olhamos para novos dados e referências, por vezes feitas por grupos de colegas de trabalho de outros países como a França, Chile, Uruguai e Peru, com que a informação é trocada. Ou nós ensaiamos novas técnicas para o relatório atinge o nível de conhecimentos científicos exigido pelas normas internacionais. 
Você acredita pessoalmente que não é vida extraterrestre? 
Hoje é já um ramo científico aceite no mundo que é astrobiologia. E ele tem duas abordagens: uma é estudando questões como bactérias extremófilos que poderia viver em ambientes extremos em outros planetas. 

Mas outros especialistas são dedicados a analisar a possibilidade de outras civilizações avançadas que poderiam, por exemplo, ser emissores de sinais eletromagnéticos. Porque por anos existem vários projetos SETI em todo o mundo. 

Do Cefae montamos uma lista de consultores externos, que inclui cientistas de todos os tipos, mas nenhum relacionado com o paranormal. De facto juntamos astrobiólogos da Argentina, mas não por alegada autópsia a extraterrestres, mas sim para se juntar a nós na nossa tarefa educacional.

Sem comentários:

Publicar um comentário