sábado, 22 de dezembro de 2018

Onde eles estão?

Se olharmos para o céu, veremos, no melhor dos casos, alguns milhares de estrelas.
É o máximo que podemos observar daqui.
Mas a nossa galáxia não está sozinha, existem várias centenas de bilhões de outras galáxias. E há ainda muitas mais galáxias, do que estrelas na Via Láctea.
Portanto aqui reside a tão inquietante dúvida... Estaremos sozinhos ou existe mais alguém lá fora?
Torna-se muito difícil pensar que estamos sozinhos. 

Onde está todo mundo?

Enrico Fermi, com seu terno impecável sob uma túnica igualmente elegante, sorri pensativo. "Então, onde estão eles?", Pergunta ele meditativamente.
Os seus colegas, igualmente vestidos, mas sentados à mesa, olham para ele sob as suas próprias vestes.
Ninguém lança uma única resposta.
Provavelmente, todos nos perguntamos a nós próprios: se o universo é tão grande, onde estão as outras civilizações?
Numa extensão tão imensa, com bilhões de estrelas parecidas com as nossas, teriam de existir outras civilizações extraterrestres pelo menos tão inteligentes quanto a nossa ou mais. 

A última verificação sistemática feita em 2015, verificou-se que o número de civilizações existentes nos sistemas analisados ​​é zero.
Este é o princípio do paradoxo de Fermi.
Isso pode ser resumido da seguinte forma: "A crença comum de que o universo possui numerosas civilizações tecnologicamente avançadas, combinadas com as nossas observações sugerindo o oposto, é paradoxal, sugerindo que o nosso conhecimento ou as nossas observações são defeituosas ou incompletas".
Dizem que, para Fermi, a resposta inacabada ao paradoxo foi uma resposta pouco lisonjeira.
Devemos lembrar que Fermi foi um dos protagonistas no desenvolvimento de armas nucleares e acreditava que a humanidade estava avançando para a sua autodestruição.
O físico viu, paradoxalmente, um reflexo do nosso futuro?
De qualquer forma, a dúvida ainda permanece intacta.

Nós não deveríamos estar sozinhos, ou deveríamos?

A famosa fórmula de Drake, é uma equação que tenta calcular o número de civilizações inteligentes possíveis na nossa galáxia.
Os cálculos levam em conta números como a taxa de formação estelar adequada à vida, o número de planetas na zona habitável e fatores como "a aparência da vida" ou "o surgimento da vida inteligente".

Equação de Drake


Esta fórmula foi desenvolvida em 1960 por Frank Drake, presidente do instituto SETI, e embora seja realmente apenas um jogo especulativo, porque não podemos resolver algumas das variáveis, é a primeira abordagem teórica que temos para calcular quantos vizinhos existem por aí .
Quando, em 1961, os primeiros cálculos foram feitos para testar a estimativa, os dados renderam um total de dez civilizações detectáveis ​​por ano.
Definitivamente uma contagem excessivamente otimista!
Com alguns ajustes e melhorias variáveis, obtidas ao longo dos anos, esse número passou de 10 para 0,00000007, 0,00000002 e 0,000000008 de civilizações detectáveis ​​por ano, números bem mais condizentes com a nossa realidade.
Qualquer das forma, ainda é muito estranho que não tenhamos visto nada nem ninguém, embora decorram avistamentos de objectos aéreos não identificados.
Não existe uma certeza da sua origem.
Mas se uma civilização fosse tecnificada e mais avançada do que a nossa, deveríamos conseguir, pelo menos, detectar algum sinal (especialmente no infravermelho.
Isto se estivermos a utilizar os equipamentos adequados!
Os nossos equipamentos podem não detectar tais sinais vindos de fora pelo simples facto de outras civilizações utilizarem equipamentos totalmente diferentes com outro tipo de frequência.

A cúspide de uma civilização e a escala de Kardashhov

Em 1964, Nikolai Kardashov propôs uma classificação geral das civilizações.
Uma civilização do tipo I seria capaz de aproveitar toda a energia do seu planeta natal.
Seríamos, por exemplo, uma civilização do tipo 0,7 (calculada por Carl Sagan em 1973).
Uma civilização do tipo II seria capaz de aproveitar toda a energia da sua estrela nativa.
O tipo III aproveitaria toda a energia da galáxia, na íntegra.
Este seria o máximo que se poderia alcançar.
Se houvesse alguma civilização do tipo II ou III na nossa galáxia, quase certamente já o saberíamos.
Pelo menos o tipo III.
O tipo II, embora mais difícil, especialmente se estiver do outro lado da galáxia, por exemplo, não poderia passar despercebido para sempre.
As nossas sondas deveriam ter detectado a sua incrível tecnologia há muito tempo.
Ou a sua tecnologia não permita ser detectada no espaço.
De acordo com os cálculos de Drake, várias civilizações tipo II deveriam existir na nossa galáxia.
Espera-se que exista algum tipo de civilização inteligente, mas se ela estiver localizada longe, na própria Via Láctea, é fácil entender que não possamos contatá-los. Mas se eles existem e sim existem, por que não entramos em contacto connosco?

Razão número 1: o grande filtro

Uma possível resposta é uma hipótese chamada Great Filter.
Isto foi proposto em 1996 por Robin Hanson, um economista que viu a existência de um evento evolutivo que impede o avanço sistemático previsto nas nossas fórmulas.
Imagine a nossa evolução, incluindo biológica, cultural e tecnológica, como uma linha contínua onde certos marcos são produzidos.
O avanço deve ser interrompido numa das etapas necessárias para se tornar uma civilização do tipo II ou III.
Atualmente estamos numa etapa antes da colonização espacial.
Vamos manter a esperança e supor que existam vizinhos galácticos lá fora... Estarão eles na mesma situação que nós? Ou serão ainda mais atrasados tecnologicamente? 

Nós não passamos ainda

Uma hipótese é provavelmente que o Grande Filtro esteja bem à nossa frente, em algum lugar numa exploração espacial.
Infelizmente até ao momento ainda não possuímos qualquer tipo de colonização ou detectamos até ao momento vida na nossa galáxia.
E se detectamos provavelmente nunca o saberíamos por encobrimento do governo por motivos de estudo científico, análise e segurança.

Somos especiais


Outra possibilidade é que somos "os escolhidos", os únicos seres vivos em volta capazes de superar este Grande Filtro.
Isto significaria que estamos a caminho de nos tornarmos os primeiros habitantes intergalácticos da Via Láctea.
Neste caso, o Great Filter estaria localizado atrás do nosso momento atual.
Talvez seja essa a aparência da vida ou a evolução da vida inteligente e técnica... Não sabemos.
O facto é que se encontrarmos, por exemplo, vestígios de vida extraterrestre na forma de microorganismos, provavelmente estaríamos no sinal de que este Grande Filtro está num momento entre o nosso tempo e o surgimento de organismos. Isso seria um sinal de que poderíamos estar sozinhos.

Razão número 2: as civilizações do tipo I e II são muito, muito distantes

Imagine que existam civilizações titânicas, muito maiores do que o próprio Asimov poderia ter imaginado na "Fundación".
Por que não vimos nada sobre eles?
Porque eles estão noutro lugar provavelmente bem distante.
Outro lugar no tempo e no espaço, escusado será dizer. O universo é gigantesco.
A Via Láctea é brutalmente grande e antiga.
Agora imagine que uma civilização inteligente visitou a nossa Terra bilhões de anos atrás.
Seria impossível saber.
Esta hipótese é a preferida dos defensores dos anacronismos e dos OVNIs.
Mas, realisticamente, é como se nunca tivessem nos visitado.
Por outro lado, se a civilização fosse do tipo II, aproveitando sistemas inteiros, mas estava do outro lado da galáxia ... seria muito difícil conseguir observar, levando em conta que a nossa capacidade de receber sinais é limitada a apenas 100 anos luz daqui.
Portanto se uma civilização tipo III que esteja noutra galáxia diferente da nossa, como a vamos descobrir?

Razão número 3: somos os primeiros

Uma possibilidade esperançosa explica que estamos entre os primeiros a avançar tanto quanto alcançar a conquista do espaço.
Nesse caso, é apenas uma questão de tempo até que alguém encontre os nossos sinais ou encontremos os deles.

E se recebermos uma mensagem extraterrestre!

Talvez estejamos vivendo um período de assentamento cosmológico que permite o surgimento de outras novas civilizações.
Os bilhões de anos anteriores podem ter servido apenas para moldar o universo.
Podemos estar neste momento na evolução total.

Razão número 4: Estamos rodeados de sinais, mas estamos a poucos passos do espaço

Pode ser, e não é irracional, que o nosso ambiente esteja cheio de sinais que indicam vida extraterrestre inteligente, mas que não podemos vê-los.
Talvez a nossa tecnologia não seja avançada o suficiente ou não possamos estar olhando para os sinais corretos.
Isso também estaria relacionado ao facto de que ninguém lá fora notou a nossa presença, da mesma forma que não olhamos para os ácaros que vivem nas nossas plantas ou para as formigas que andam pela nossa cozinha.
E não é que seja uma comparação intencional.

Razão número 5: A verdade está lá fora e não é nada boa

O que aconteceria se todos os conspiradores de OVNIs estiverem certos?
Não é que tenhamos sido visitados por uma raça extraterrestre que quer permanecer anônima.
Isso é muito improvável, se não impossível, considerando como somos sociais e a dificuldade de manter essa interacção.
Mas, e se existir uma civilização lá fora cuidando para que nenhuma outra civilização não possa superar até um determinado nível tecnológico? 
Tivemos inúmeros exemplos de surgimentos de OVNIs em centrais nucleares e até bases militares onde existiam armas nucleares.
Portanto esta poderia ser uma forma de nos controlar ou ver em que escalão estamos na evolução.
Previndo a nossa evolução para a própria segurança alienígena.

E se existir uma civilização super predadora em busca de outras civilizações?
Aterrorizante mas uma provável realidade a ter em mente.
Pode ser também que haja uma supercultura nos observando, como se fôssemos animais num zoológico, do seu próprio sistema solar.
Em qualquer caso, estas são as hipóteses menos prováveis ​​de todas, embora anualmente desapareçam milhares de pessoas sem deixar rasto.

Grão número 7: Bônus, é tudo mentira

Há uma última hipótese a ser lançada no ar: que tudo o que acreditamos como realidade não é verdade.
E se o universo fosse um holograma?
E se estamos realmente numa simulação virtual super-aprimorada?
E se, na realidade, somos apenas uma prova científica (se essa palavra faz sentido) de uma gigantesca "ultracivilização" cujas dimensões se assemelham ao que geralmente chamamos de Deus!
Seriam os Anunnaki o Deus?
Esta ideia foi explorada magnificamente por Asimov em vários dos seus contos teóricos.
O resultado é perturbador.
Embora a nossa realidade seja uma mentira total, é a única realidade que temos, por isso teremos de nos contentar com ela...


Iremos ficar sempre com a mesma questão... Se eles conhecem a nossa existência, porque não se manifestam, onde estão?
Seriam eles os nossos criadores?
Ou seremos nós os predadores?

Sem comentários:

Enviar um comentário