terça-feira, 28 de novembro de 2017

Em série de reportagens, 'NP' relatou visitas de OVNIs ao Brasil

Banco de Dados Folha resgata algumas reportagens publicadas no jornal "Notícias Populares" sobre as inesperadas visitas.

Uma delas é da noite de 7 de março de 1978, quando um objeto voador não identificado sobrevoou as cidades paranaenses de Apucarana, Jandaia do Sul e Cambira, e despertou tanto a curiosidade quanto causou pânico entre os populares.

Quem assistiu à passagem do objeto não teve dúvidas: era disco voador.

O sistema de energia elétrica de Jandaia sofreu interferências no momento da passagem do objeto, o que interrompeu transmissões de rádio e TV. Até a plateia que assistia ao espetáculo do circo Tihanny ficou às escuras.

Segundo observadores, o objeto emitia uma luz intensa e, quando surgiu, apresentava um tamanho três vezes maior que o da Lua. Seu formato se assemelhava ao de um prato. Sua velocidade era lenta, e a medida que ia ganhando altura, ia desaparecendo, até sumir completamente, deixando apenas uma onda de boatos nas três cidades do norte do Paraná.

ReproduçãoReprodução da notícia publicada no 'NP'

CANTAREIRA

Dois dias depois, o "Notícias Populares" informava a queda de um disco voador na Serra da Cantareira, em São Paulo. Uma equipe do COE (Comando de Operações Especiais) realizou buscas nas matas da serra na tarde do dia 9. Nenhum indício ou vestígio de OVNI ou extraterrestre foi encontrado.

Um oficial revelou ao jornal que se acreditava que havia "alguma coisa caída naquelas matas". Ao ser indagado se o objeto caído poderia ser um avião civil ou militar, o oficial do COE resumiu: "Fizemos levantamentos em todos os aeroportos e, até o momento, não se constatou a queda de nenhum avião".

Em 10 de março de 1978, o oficial do Serviço de Buscas e Salvamento da Aeronáutica foi irônico a respeito da possibilidade de o objeto ser alienígena: "Muita gente diz que vê disco voador caindo, subindo, e quantas vezes essas visões não passam de ilusão de ótica?".

Até aquele momento o que se tinha de concreto sobre a queda do objeto eram declarações de Etelvino Michete, vigia da Sabesp, e dos policiais da unidade do Tático Móvel 310. Eles afirmaram ter visto a "queda de um objeto disforme, emitindo luz prateada, andando em grande velocidade e que, ao cair, explodiu e deu origem a uma grande luminosidade e a um rolo de fumaça".

No aeroporto de Congonhas, porém, comentava-se que foi um avião militar, provavelmente um Mirage, que caiu na serra.

Essas especulações surgiram depois que a tripulação de um avião comercial que sobrevoava a região teria recebido ordens expressas de aviões militares que ali se encontravam que se afastassem da área onde teria caído o objeto.

Reprodução da primeira página do 'NP' de 11 de março de 1978

No dia 11, o COE decidiu abandonar as buscas em São Paulo. Nem mesmo o vigia da Sabesp conseguiu passar aos oficiais uma informação ou indicação clara.

Contudo os OVNIs continuavam nas páginas do "Notícias Populares". Tanto que no dia seguinte o assunto era que outro objeto foi visto em São Paulo e Brasília.

Por volta de 1h do dia 12 de março de 1978, dezenas de moradores dos bairros de São Miguel e Tremembé afirmaram que um objeto não identificado decolou da Serra da Cantareira, sobrevoou a cidade de São Paulo e partiu em direção ao Norte.

Um outro OVNI, ou o mesmo, foi visto pela tripulação de um jato da Panam, que voava a 7 km de Brasília. Passageiros de um avião da Varig, de prefixo 800, também viram um objeto desconhecido próximo a Brasília, por volta da 1h.

O assistente de tráfego do aeroporto de Congonhas Rivaldo Cândido Nunes disse que recebeu 40 telefonemas de moradores de São Paulo relatando terem visto "algo estranho no céu".

Um morador do Tremembé (zona norte de São Paulo) disse que viu o OVNI exatamente à 1h20: "Vi-o da janela da minha casa. Ele saiu da serra da Cantareira em direção da cidade, no rumo norte. Era um conjunto de esferas luminosas com um facho de luz, como se fosse um foguete".

Reprodução da notícia publicada no 'NP'

STEPHEN HAWKING

No ano de 1991, o "Notícias Populares" contou o caso de um OVNI visto nos céus do município de Casimiro de Abreu (RJ). Dezenas de caminhoneiros que viajavam na noite de 11 de maio pela BR-111 viram um objeto que apareceu, mudou de forma e de cor, desapareceu por várias vezes e tornou a aparecer dividido em pedaços.

O espetáculo durou cerca de uma hora e meia. O caminhoneiro Elton Luiz Araújo filmou tudo e cedeu a fita para a Rede Globo, que exibiu o material para o país inteiro.

Um funcionário da prefeitura da cidade falou ao "NP" que quem estava na cidade não viu o objeto. Só viram os caminhoneiros que estavam na estrada, que fica a 10 km do centro de Casimiro de Abreu.

Às vésperas do 50º aniversário da ufologia, no dia 27 de abril de 1997, o jornal publicou a primeira reportagem de uma série sobre ETs no Brasil. Stephen Hawking, um dos maiores cientistas do século, declarou que a chegada de ETs ao nosso planeta seria uma experiência muito pior e mais devastadora do que qualquer um de nós possa imaginar.

Para servir como exemplo do que Hawking previu, o "NP" estampou em sua primeira página uma chocante imagem de um homem que teria sido sugado por ETs. O seu corpo foi encontrado oco, sem os órgãos internos, na represa Guarapiranga (zona sul de São Paulo).

Segundo o jornal, este caso iria mudar os rumos da ufologia em todo o mundo. Um extenso documento elaborado pelos médicos do Instituto Médico Legal, dizia que os órgãos pareciam ter sido "aspirados" por pequenos orifícios simetricamente recortados no corpo da vítima.

Para muitos estudiosos do assunto, a técnica era um trabalho de alienígenas. Há anos caçadores de extraterrestres estudam o mesmo tipo de furos produzidos em animais do mundo inteiro.

Estômagos de bois, com mais de 50 cm, são sugados através de orifícios de 3 cm. Os beiços dos animais também são cortados com precisão milimétrica, impossíveis de serem feitos no mato, onde os animais mutilados são normalmente encontrados.

Esta foi a primeira vez que um homem foi vítima das mesmas experiências extraterrestres. Ele era aposentado, tinha 53 anos e costumava nadar até uma ilha deserta para pescar.

Segundo a ufóloga Encarnación Zapata Garcia, que estudou o caso Guarapiranga, os cientistas alienígenas recortaram cirurgicamente os lábios, olhos, orelhas e língua e, através de seis furos simétricos, sugaram coração, fígado, estômago, pâncreas, esôfago, intestino, apêndice e baço, além de amostras de músculos e do pulmão.

VARGINHA

A saga extraterrestre se manteve. Em 28 de abril de 1997, o "Notícias Populares" contou o caso de Marco Eli Chereza, um policial militar que morreu infectado por uma substância desconhecida um mês depois de participar de uma operação secreta de caça a ETs que teriam caído na cidade de Varginha (MG).

Para estudiosos do assunto, a morte do militar é uma das poucas provas de que algo estranho aconteceu na cidade em 20 de janeiro de 1996.

Na tarde deste dia, três meninas encontraram uma estranha criatura na periferia da cidade. A notícia correu o mundo, e dezenas de ufólogos já passaram por Varginha na esperança de encontrar o alienígena.

O policial trabalhava no serviço de inteligência da polícia. Depois de participar da operação de caça ao ET, percebeu um furúnculo debaixo do braço. Procurou o serviço médico da corporação que retirou o ferimento. Dias depois, porém, foi acometido por fortes dores nas costas.

Internado e fortemente medicado, seu estado piorou. Quatro dias depois da internação, ele entrou em coma e morreu. A infecção em seu corpo era generalizada.

O "NP" teve acesso a um documento interno do hospital que relatou a causa da morte do policial: "Granulações tóxicas finas em 8% dos neutrófilos". Isso significa que Marco estava com sangue contaminado. Essa contaminação nunca foi identificada pelos médicos responsáveis.

Para a irmã do PM, Marco capturou o ET de Varginha sem luvas e foi infectado. "Pode ter se arranhado ou simplesmente encostado, mas a criatura infectou meu irmão."

AERONÁUTICA

Na última reportagem da série, o "NP" revelou um documento confidencial do Ministério da Aeronáutica que mostrava que militares se preocupavam com OVNIs, mas não divulgavam suas descobertas.

O texto orientava os militares da Aeronáutica a não revelar informações sobre OVNIs para jornalistas ou curiosos.

Em suas cinco páginas, o documentou apresentava 28 orientações para o militar que avistasse um OVNI.

Entre elas estava um surpreendente procedimento: "Havendo telefonemas de jornalistas ou curiosos, responder que não está autorizado a fornecê-las [as informações]."

O porta-voz do Ministério da Aeronáutica, à época, o brigadeiro José Montgomeri Melo Rebouças explicou a medida: "O ministério tem um compromisso com a sociedade de não permitir a exposição de fatos sem comprovação".

Também esclareceu que OVNI não significa um disco voador. "O documento em pauta considera objeto voador não identificado todo aquele que, penetrando ou evoluindo no espaço aéreo brasileiro, não fornece elementos que possibilitem sua identificação."

http://m.folha.uol.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário