Noticias

Loading...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

NASA desliga transmissão do espaço após surgir um OVNI

Agência Espacial Americana não explicou o que houve após conexão cair no momento em que objeto tornou-se visível.

A NASA teria desligado uma transmissão em direto da Estação Espacial Internacional, no dia 15 de Janeiro, após um OVNI (Objeto Voador Não Identificado) surgir nas imagens.

Segundo o site “Inquisitr”, o video foi capturado por uma câmera montada do lado de fora da estação e transmitido em streaming pela internet, numa experiência para produzir imagens em alta definição do espaço.

Após o corte súbito das imagens, a Agência Espacial Americana, como de costume, não explicou o que causou o suposto problema com o vídeo nem mencionou o OVNI.

Veja abaixo o momento em que o objeto misterioso surge no vídeo:



Crédito

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Diário de Leiria - Leiria é a "meca" dos ovnis

Jovem avistou sete ovnis em 2013 na Maceira
Em 2013, um jovem da freguesia da Maceira, Leiria, tinha avistado no mesmo local sete ovnis no espaço de uma semana. Jovem foi apanhado desprevenido ao vislumbrar no céu uma luz brilhante, estáctica, "de cor laranja e com uma áurea branca".

Investigação: Leiria prepara-se para ser o centro das atenções de investigadores e curiosos na área dos ovnis. Uma equipa vai estar até ao final do ano no concelho para observar e registar objectos voadores não identificados

Jornalista: Helena Amaro
Autor de imagem: Luís Filipe Coito

Os avistamentos que têm o­cor­rido nos últimos anos levam Nuno Alves a classificar a região como a “meca” dos ovnis.
Não será, por isso, de estranhar que, ao longo de 2015, este investigador e a sua e­qui­pa assente arraiais em Leiria para observar o céu à procura de objectos voadores não identificados.
“Leiria é considerada a meca dos ovnis por quem está ligado à ovnilogia, mas também pelos internautas e as pessoas que registam estes fenómenos.

Significa que estamos numa espécie de epicentro, onde ocorrem muitas observações.
Embora existem outros locais no país, é em Leiria que se têm registado mais observações por parte da população”, contou Nuno Alves.
Há poucos dias em Leiria, este investigador explicou ao nosso jornal que anualmente são avistados na zona “entre 10 a 15” objectos voadores não identificados.
                
Ainda assim, longe dos avistamentos noutros cantos do mundo, assegurou Nuno Alves.
O último avistamento registado em Leiria ocorreu em Novembro passado, “por um ex-militar da Força Aérea”.

"A testemunha descreveu que ao contemplar o céu nocturno, reparou numa luz fora do normal, e comportamento e padrão fora dos seus conhecimentos.
A sua fisionomia era triangular, conseguindo captar em fotografia o momento em que a mesma se eleva na vertical", contou.

Curiosamente, acrescentou Nuno Alves, tratou-se do "mesmo objecto voador não identificado" fotografado em Abrantes e Argentina em Dezembro de 2010.
"A própria NASA esteve envolvida neste caso, na tentativa de identificação do objecto.
O resultado como seria de esperar, foi "objecto voador não identificado", alegando autenticidade de ambas as imagens", afirmou Nuno Alves.
Este investigador deixa contudo, um alerta: " um objecto voador não identificado não é propriamente um objecto que vem de Marte ou de qualquer outro planeta".
Simplesmente é um objecto que voa e não é identificado.
É preciso conhecer um pouco de astronomia e a sinaléctica aérea.
Quando um determinado objecto não consegue entrar nos padrões de rastreamento aéreo, satélites, ou de entrada de lixo na atmosfera, ai sim, podemos catalogar de objecto voador não identificado, através de filtros que nos permitem identificar se essa luz é ou não reconhecida", explicou.

Congresso de ovnilogia em Leiria?

INICIATIVA Porque em Portugal "Leiria é o ponto dos avistamentos", o investigador Nuno Alves e a sua equipe preparam-se para montar o equipamento em vários pontos altos, como a Senhora do Monte, e tentando fazer o registo destes fenómenos".

"Queremos cá ficar o ano todo para tentar identificar o que está a ocorrer e vamos aguardar pelo Verão, que é a melhor altura para observar o céu e trabalhar nestes registos", explicou.
Será durante o Verão que Nuno Alves pretende organizar uma "mega vigília", com o objectivo de juntar investigadores e curiosos de todo o País para observar os céus de Leiria.
"Qualquer pessoa pode entrar em contacto connosco para participar nas observações.
Nunca temos muitas expectativas porque o fenómeno ovni não é comum.
É uma questão de paciência e sorte.
É estar no dia certo, à hora certa, no local certo, por isso, estendemos a nossa presença em Leiria até ao final do ano", disse.
Para o efeito, explicou, a equipe irá montar equipamentos específicos, "alguns que as pessoas nunca viram, porque estão modificados", nomeadamente "cameras fotográficas modificadas, telescópios modificados, binóculos, computadores, alguns deles com equipamentos de visão nocturna", entre outros equipamentos.
Não está também descartada a possibilidade de realizar o primeiro congresso internacional de ovnilogia em Leiria este ano.
"Gostavamos de organizar um congresso em Leiria enquanto cá estamos, mas precisamos de apoio", salientou Nuno Alves, que anda à procura de colaboradores, e para quem o estudo da ovnilogia é uma "paixão" que "sai do próprio bolso".
"A ideia é estender o número de colaboradores para incentivar pessoas de outras zonas do país e elaborar o maior número de registos, porque actualmente somos os únicos e mais activos no País.
Em Portugal, não existe uma comunidade muito grande de investigadores nesta área, mas são muitos os curiosos que se interessam pelo assunto", afirmou este investigador, responsável pela página na Internet UFOPortugal.
Equipa de investigadores realiza no Verão, uma mega vigília para observar os céus de Leiria à procura de ovnis.


UFO PORTUGAL

Objecto fotografado por ex militar a 2 de Novembro de 2014

Uma junção entre o obejcto registado a Novembro de 2014 em Leiria e o de 2010 em Abrantes e Argentina, nos permite concluir ser o mesmo objecto.

De salientar que de à muitos anos ocorrem fenómenos vislumbrados pelas variadas testemunhas que transcrevem acontecimentos estranhos na região!

 "Em meados de Janeiro de 1979 na localidade de Leiria deu-se um acontecimento estranho quando toda a cidade ficou repentinamente, e sem razão aparente às escuras. 
Neste periodo de "black out" foram vistos por inumeras pessoas desta localidade objectos voadores impossiveis de ser identificados ao promenor mas que devido às suas formas aparentemente bizarras e às manobras fantasticas que estes faziam foram unanimemente identificados como sendo OVNIs. 
O facto é que estas aparições também foram vistas noutras localidades, nomeadamente em Lisboa e inclusive foram registados em radar objectos não identificados e não autorizados a percorrer o espaço aéreo nacional" (GPPOVNIS)....



Estará Leiria interligada ao padrão que ocorre na Serra da Gardunha, Ferreira do Zézere, Fátima e Santarém!
Um enigma certamente!
Esperamos contudo durante a época veraniana organizar a mega vigília e podermos nós mesmos averiguar a origem dessas luzes.
Os relatos sobre estranhas luzes sob Leiria não são recentes e já contam com alguns anos.

Segue um acervo de imagens "2014", realizado pelo Sr. Euclides residente na região.


Se observou algo queira entrar em contacto connosco via e-mail ufo_portugal@sapo.pt ou Diário de Leiria diarioleiria@diarioleiria.pt

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

ENCONTRO IMEDIATO SOBRE LISBOA EM 1976

Investigação por: José Garrido

No que tange a obeservações de OVNIS, a madrugada do dia 19 de Setembro de 1976, foi bastante agitada em toda a orla mediterrânica, nomeadamente na Península Ibérica e, mais especificamente, em Portugal.

Algumas das testemunhas dos acontecimentos daquela madrugada foram os elementos que constituíam a tripulação de um BOING 707 dos Transportes Aéreos Portugueses - TAP, comandada por Eloy João Weigert, de 52 anos e 23.000 horas de voo, sobre Lisboa, e que iniciava o voo TP241 transportando 110 passageiros, além dos tripulantes.

Assim, e após a Torre de Controlo do aeroporto de Lisboa ter autorizado a descolagem do avião para efectuar aquele voo, este iniciou uma ascensão normal, a uma velocidade de 235 nós até atingir 3.000 pés QNH, aumentando, depois, para 300 nós até atingir os 4.000 pés. Nesse momento 2 : 10 H minutos da madrugada, não havia qualquer outro tráfego aéreo na zona.

A 4.000 pés de altitude, tendo já transcorrido 6 minutos após a descolagem, o co-piloto, José Pinto, de 32 anos e 3.000 horas de voo, viu algo que pensou tratar-se de um avião com os faróis acessos em rota de colisão; gritando para a Torre "vem um avião contra nós", inicia uma volta apertada para a direita, sobre a vertical da margem do rio Tejo, aproximadamente por cima do Montijo, afastando-se do objecto.

Entretanto, os controladores do aeroporto de Lisboa observavam o OVNI com binóculos enquanto constatavam que a "tela" do radar nada de anormal assinalava.

O objecto passou bruscamente pela frente do BOEING 707; os tripulantes tiveram a sensação de que este esteve como que parado em frente do avião cerca de dois ou três segundos, no qual eram visíveis luzes brancas bem definidas.
Após ter cruzado a rota do avião, da direita para a esquerda, a uma distância entre os 200 e 250 metros deste, constatou-se que "o lado oposto" do fenómeno, que se dirigia no sentido de Sul para Norte, era escuro, emitindo das extremidades luzes intermitentes do tipo"sparking light" ou do tipo "flash" .

Da base do Montijo houve a confirmação que não havia aeronaves militares no ar e que o objecto não era detectado no radar.

Posteriormente verificou-se que a"caixa negra"do BOEING confirmou todos os dados mencionados pela tripulação, nomeadamente a conversação entre os tripulantes na cabine, bem como os dados técnicos do voo.

Em Portugal, para além da observação acima descrita outras houve!

Se, de facto, confirmou-se que em diversas regiões foram avistados objectos em voo, também é verdade que foram obtidas fotos de objectos próximos do solo.

Assim, cerca das 1 : 40 H dessa madrugada, numa bouça em Fânzeres, Gondomar pessoas testemunharam objectos descendo suavemente até quase tocarem o solo, após o que descolaram na vertical a grande velocidade.


Acervo dos arquivos do GPPOVNIS

OVNI persegue carro em Tavira 1980

08/09 Fevereiro 1980

Quinta-feira, cerca das 09h45. 
Três pessoas que circulavam em duas motos na EN 125 (no sentido Tavira/Vila Real de Sto. António) junto à ponte do Almargem,  avistaram um corpo luminoso que desce rapidamente do céu a desaparece no lado direito da via. 
Uma estrela cadente ou meteorito? 

Provavelmente não, visto que o suposto asteróide  emitia uma fortíssima  luminosidade, não obstante as suas reduzidas dimensões. 
Pormenor curioso  foi a quebra de luminosidade da moto de menor cilindrada, que fica imobilizada durante o espaço de tempo da observação

 Sexta-feira 05h30. 
Maria Luísa Giro Pires de Brito preparava-se  para deixar a sua residência em Amaro Gonçalves para se dirigir para o trabalho na empresa "Tavipesca", quando sente uma sensação estranha que não consegue explicar. Ao abrir a porta de casa surpreende-se pela claridade desusada nessa altura do ano. 
Então olha para o relógio - não fosse o despertador ter-lhe pregado uma partida. 
Mais descansada, visto que o seu relógio coincidia com despertador,  pensou que tal claridade fosse devida ao luar. 
Tenta tirar o carro da garagem e pô-lo em marcha. mas só o consegue depois de inúmeras tentativas - "um caso pouco habitual pois carro é novo e fica sempre na garagem" - declarou. 
           
06h00 -  Quando finalmente inicia a marcha, repara então num forte reflexo luminoso que incide nos vidros da viatura do lado esquerdo - mas o pensamento do luar ainda a descansa. 
Contudo. decorridos alguns quilómetros, a "lua" executa diversas manobras ascendentes e descendentes, mantendo-se sempre paralela à viatura - ora desaparecendo, ora aparecendo por entre as árvores que ladeiam a estrada. 
Perturbada pensa ainda poder tratar-se de um avião. 
Mas ao atravessar cruzamento da Luz de Tavira que dá acesso a E.N.125. esse pensamento perde significado pois o objecto luminoso circula a poucos metros do solo e não possui as luzes convencionais de aterragem é ovalado não tendo mais de um metro de diâmetro a emite intensa luminosidade, mais forte ainda no centro (ou núcleo).               
Maria Luísa abranda então bruscamente a marcha, e a "luz" ultrapassa-a para logo voltar a colocar-se em marcha paralela. 
Subitamente, antes do cruzamento que dá acesso a Tavira a insólita luz muda-se para o lado direito do carro. 
Para alívio da, assustada, condutora abandona a perseguição quando esta entra em Tavira.  
Mas o pânico apodera-se dela quando ao chegar perto da Praça da Republica, depara com a luz que calmamente a espera e logo reinicia a perseguição. 
Junto ao mercado municipal, avista três colegas de trabalho (respectivamente - Maria Catarina Serra. Natália Reis e Maria Manuela).  
Fora de si grita-lhes: - entrem depressa no carro pois estou a ser seguida por uma luz. 
A risota que tal exclamação provoca desvanece-se num ápice de tempo. quando as colegas testemunham o insólito fenómeno. 
Para melhor se certificarem do que viam não param na "Tavipesca" prosseguindo a viagem até às Quatro Aguas, manobra que a secundada pelo objecto desta feita "colado" a viatura. 
Voltam para a Tavipesca a quando o carro finalmente pára a sua marcha a "luz" eleva-se por sob a copa das palmeiras e aí se estabiliza.

07h00 - A "luz" voltou a mover-se - desta feita a para espanto geral - penetrando nas instalações da "Tavipesca" e estabilizando-se dentro de um dos armazéns. 
Uma vez aí desaparece misteriosa e definitivamente por volts das 08h00.

Heitor Morais
Pufoi

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

O TABU DO FENÓMENO OVNI EM PORTUGAL

GPPOOVNIS

Em Portugal, a investigação ao fenómeno OVNI é frequentemente dificultada pelas entidades oficiais, por melhor que sejam as boas intenções dos investigadores. Infelizmente desde o início dos anos oitenta a Força Aérea Portuguesa pouco apoio tem prestado às investigações relativas a este fenómeno.

Com efeito não raras vezes, as portas fecham-se aos investigadores e a correspondência enviada não obtém qualquer resposta ou, em última instância, é pura e simplesmente recusada.

Prova disso, a imagem  que se segue de um dos envelopes em cujo conteúdo uma carta solicitava  informações sobre o acesso a relatórios existentes na Força Aérea Portuguesa, de observações de fenómenos OVNI, feitos por pilotos portugueses:

Frente do envelope solicitando informações à F.A.P.


Verso do envelope solicitando informações à F.A.P.



Aparentemente parece também haver o dom de "adivinhar" o conteúdo dos envelopes fechados...


Assim, não é de admirar que os investigadores amadores desconfiem das intenções de  "ajudas de boa vontade" que algumas entidades oficiais prestam sobre o assunto !!!

É que todos nós investigadores  em Portugal e no mundo, face a situações deste género, ficamos com  a sensação do "déjà vu" (idênticas atitudes foram sempre tomadas   pelo MAJESTIC 12, 13, ...100, ou qualquer outro número).

http://gppovnis.tripod.com

Independentemente já terem passado 30 anos, a mentalidade das autoridades sobre o assunto em nada mudou!
O seu silêncio sobre o fenómeno, revela as seguintes questões...

1 - Existe uma entidade do Governo a lidar com o fenómeno OVNI!

2 - A FAP não tem qualquer tipo de capacidade de garantir segurança no seu espaço aéreo sobre estes fenómenos, tornando a FAP obsoleta!

O fenómeno OVNI em Portugal, continua a ser um "TABU", por parte das autoridades e Governo em questão!

Porem acredita-se que exista na FAP e Governo quem tenha vontade de dialogar sobre o assunto, mas simplesmente esteja proibido de o fazer por questões de Segurança e Política.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

OVNI e queda de filamentos em Alverca do Ribatejo

Misteriosos filamentos caem sobre Alverca do Ribatejo entre Outubro e Novembro de 2014.


Curiosamente estes filamentos surgem, quando dado o alerta pelas autoridades de saúde devido ao surto da legionella.

Miguel Monteiro, testemunha desse evento e membro do Ufo Portugal, durante uma das suas caminhadas observou a queda desses filamentos, realizando várias imagens e recolha de várias amostras para futuras análises.
Uma das várias amostras então enviadas para a Exopolitica Portugal, responsável pela análise desses filamentos em conjunto de membros do CTEC, nos revelou nos primeiros resultado algo que nos deixou um pouco intrigados!

Durante os vários testes, parece que estes filamentos reagem à luz UV!
Ainda aguardar por um último resultado de laboratório mais preciso que irá concluir a sua origem ou compostos químicos.
Recuando no tempo, mais precisamente ao dia 25 de Outubro, outras testemunhas descrevem a observação de um misterioso objecto a sobrevoar a região!
Objecto este que foi visível duas horas antes da queda desses misteriosos filamentos.
Toda esta história nos faz recordar o que ocorreu em 1959 sobre a cidade alentejana de Évora.

Testemunha anónima, - "No dia 25 também me encontrava em Alverca do Ribatejo com a minha esposa e os meus dois filhos.
Por voltadas 10 da manhã, o meu filho viu um objecto no céu e chamou-nos atenção do que na ideia dele era um balão.
Observamos detalhadamente o objecto e verificamos que ele subia, descia e mudava de velocidade.
Um pormenor curioso, o mesmo redopiava entre si.
A altitude era elevada.
Era perfeitamente bem visível vendo o Sol reflectindo no objecto.
O ovni deslocava-se de sul para norte, fazendo uma pequena paragem de aproximadamente 20 segundos se elevando e seguir em direcção oeste.
Consegui fazer a fotografia que envio em anexo.


Pouca qualidade mas foi o que consegui fazer naquele momento.
Com os nervos foi o que consegui fazer antes do objecto desaparecer no horizonte.
Ficamos curiosos com aquele avistamento inesperado.
Continuamos a nossa caminhada e foi por volta do meio dia 12:00 que vimos os filamentos cair.
Eram muitos e sem dúvida que inicialmente pareciam teias de aranha.
Mas não eram teias de aranha.
Sou um apaixonado pela natureza e conheço muito bem teias de aranha.
Fora de questão.
Foi quando me recordei do antigo caso de Évora e assimilei o aparecimento do ovni e depois os filamentos.
Não poderei afirmas mas acredito que nesta conjuntura ovni e filamentos estejam interligados.
Eu e a minha esposa na companhia dos meus dois filhos tivemos o privilégio de contemplar uma observação surreal.
Se algumas pessoas querem acreditar que são teias de aranha isso vai ser um problema delas e não nosso.
Sabemos muito bem o que vimos.
A duração de observação do ovni deve ter rondado os 5 minutos ou mais até desaparecer no horizonte.
A fisionomia do objecto é muito idêntica ao que foi descrito em 1990 em Alfena.
Era muito mas mesmo muito parecido com o descrito.
Este é o meu testemunho.
Espero ter contribuído de alguma forma.
Irei manter anonimato devido à polémica que se tem gerado em torno deste caso.
Continuem o vosso bom trabalho no ufo portugal que continua a ser a melhor referencia da ovnilogia portuguesa".

Sr. Pedro Sá, testemunha, - Seguem as fotos que contam a história do que se passou na manhã do dia 25 de Outubro.
Sai de casa por volta das 10:30, 11:00h da manhã para ir tomar café  e reparo no curioso rasto de aviões(3) e tirei uma foto.

Quando me virei de costas para esses rastos dos aviões deparo-me com um pequeno objecto com uma velocidade bem acima de um avião caça F-16 a que estou bem habituado a ver passar.

O objecto girava entre si, parecia um pião e era reflectido pela luz do sol.
Era notório ver o que parecia ser um sistema de aterragem umas (sapatas), e foi isso que deu para ver que ele girava.
No centro desse objecto tinha qualquer coisa que parecia espelho ou vidro que reflectia muito, só não sei se era luz própria ou reflexo do sol.

Não tinha qualquer ruído de motor o que me espantou mais.
Fiz uma segunda foto e aparece um ponto branco que infelizmente não ficou da mesma forma do que observei.
O que era não tenho a mínima ideia mas não deixou de ser muito curioso.
Este aparelho passou bem a cima da minha casa e seguiu em direcção a Alhandra.
Sou praticante de aeromodelismo e conhecedor da aviação e não se tratava de aviões de controlo remoto, balão ou insectos.


Deixei estar a foto no meu telemóvel sem dar muita importância.
Foi quando um colega de trabalho falou qualquer coisa sobre um avistamento na região que subitamente me recordei do que vi e fotografei.
Numa consulta na internet encontrei o ufo portugal onde fala do ocorrido e da sua investigação, recolha de provas.
Não vi a referida queda de filamentos, mas o objecto sim esse vi e foi uma coisa que nunca tinha visto.
Croqui elaborado pela testemunha
Referenciei no blog que não acredito em ovnis ou vida extraterrestre, mas mesmo assim resolvi enviar as imagens para vosso critério.
Não deixa de ser interessante o aparecimento deste objecto com o surgimento da legionella.
Gostaria de ver esta situação muito bem esclarecida, se é que vai ser esclarecida.
E foi tudo o que vi e me recordo".

Testemunha, Srª. Ana Rodrigues, -" vi que procuravam testemunhas sobre os filamentos caídos em Alverca do Ribatejo no dia 25 de Outubro.
Eu vi-os e achei-os bastante estranhos, mas não fotografei nem liguei muito ao assunto.
No entanto eu não os vi nesse dia em Alverca.
Eu vi-os no dia 28 de Outubro em Vila Franca de Xira (sei o dia com precisão porque tenho fotos em Vila Franca nesse dia. Infelizmente não tenho dos filamentos).

Sou enfermeira, de Cascais, e fui esse dia por acaso trabalhar a Vila Franca.
Quando recebo uma idosa no consultório, por volta do meio dia desse dia, e ela me estica o braço para ver a tensão arterial, vi que tinha essa substancia tipo teia de aranha mas pegajosa (quase algodão doce??), colada no seu casaco.
Ela tirou aquilo, e perguntei-lhe "O que é isso?", ao que ela responde "São babas de vaca (ou boi, já nem me lembro), significa que vai chover".
Achei aquilo estranhissimo.
Uma hora depois, saí para almoçar. Para grande espanto meu as ruas de Vila Franca estavam CHEIAS dessa substância.
Via-as especialmente presas aos postes de electricidade, a voarem levemente com a brisa.
As pessoas andavam na rua cheias desse filamento, a arrastá-lo sem saberem (e eu com nojo desviava-me daquilo sem perceber o que era).
Cheguei a pegar num pois ficou também preso em mim.
Foi estranho, pois apesar de parecer extremamente pegajoso, parecia desfazer-se com o toque.

Infelizmente não tirámos fotos a esses filamentos (estava com uma colega nesse dia que também os viu no entanto), mas tirámos a nós, nesse dia, em Vila Franca.
Tenho grande curiosidade em saber o que é, e espero ter ajudado".

Numa busca incansável por mais informações, recebemos um e-mail, de um residente que terá no passado também contribuído com uma outra observação.
Porem neste caso terá sido descoberto um local especifico onde pode encontrar uma grande quantidade desses filamentos nas imediações de Alverca do Ribatejo.


Testemunha, Sr. Rui, - "Como vos tinha dito que iria fazer, voltei ao local para confirmar se a maioria dos filamentos ainda se encontravam no local após as chuvas dos últimos dias.  
E foi sem grande espanto que constatei que apenas as amostras de maior dimensão se encontravam quase incólumes, e digo quase porque o que na semana passada eram filamentos volumosos e de textura semelhante a algodão, tinham agora diminuído de tamanho e estavam como que amarrotados, mais se assemelhando a pasta de papel que após ter sido molhado secou.
Não querendo pôr a carroça à frente dos bois, acho muito difícil que estes filamentos sejam do evento de dia 25 de Outubro ou de 2 de Novembro, pois houve períodos de chuva entre este período e o presente. 
O numero de filamentos que presenciei um pouco por todo o lado à dias atrás assim como o seu aspecto parece-me agora a mim que na altura teriam apenas poucos dias devido ao seu aspecto fresco.
Relativamente a estas amostras todas elas assim que tocam no chão ou na vegetação estarão contaminadas de alguma forma com organismos biológicos presentes no local. 
Por exemplo, fotografei por várias vezes estas juntamente com teias de aranha reais que acabaram por "capturar" estes filamentos na altura da sua queda. 
Aliás só quem nunca viu estes filamentos poderá dizer de que se tratam de teias de aranha.
Devido à minha profissão como técnico de ambiente faço muito trabalho de campo em monitorizações ambientais relacionadas com avifauna, mamíferos ou repteis  e apesar dos insectos ou artrópodes não serem uma área que domine posso no entanto afirmar que nunca vi uma teia de aranha que se assemelhe aos filamentos da área de Alverca e Póvoa de Santa Iria.
Observar pequenas aranhas que sobem a locais elevados para depois com um filamento de teia tecido se deixarem levar pelo vento para outras paragens é algo que tenho presente desde a mais tenra idade e que presencio anualmente no campo e em nada se assemelha a isto". 


Após a recolha de todos estes testemunhos será de salientar a similaridade entre o objecto observado pelas testemunhas no dia 25 de Outubro com o OVNI de Alfena observado e fotografado em 1990.
Será que temos aqui um "WOW"!!!
OVNI Alfena 1990

As testemunhas revelam a observação de algo que vai muito mais além da simples queda de filamentos.
Qual a origem desse objecto?
Seria este objecto o causador da queda desses filamentos?
Estará o surgimento de ambos relacionados ao surto da legionella na região?

Numa breve análise, temos um caso que remonta ao passado mais concretamente a 1959, com o famoso caso de Évora, onde muitas testemunhas após verem um Objecto Voador Não Identificado, puderam testemunhar a queda de misteriosos filamentos.
Porem ficamos centrados no Croqui elaborado pela testemunha Sr. Pedro Sá, onde nos revela muitas semelhanças entre o objecto observado e o registado em 1990 sobre Alfena.
Quanto aos relatórios das análises... Ficarão disponíveis a público assim que nos seja possível.

Um especial agradecimento ao Miguel Monteiro por ter dado o alerta de toda esta situação, como também a todos os que participaram com o seu testemunho.


Se observou algo de anormal que nos possa ajudar, queira enviar o seu e-mail para ufo_portugal@sapo.pt