sábado, 26 de maio de 2018

Encontro imediato na Argentina 1973 "Caso Balvidares"

Na história do fenômeno OVNI existem alguns factos incríveis, que não deixam dúvidas da sua existência. 
O caso Balvidares é um deles, ocorrido numa área rural no partido Leandro N. Alem, província de Buenos Aires, a 29 de outubro de 1973.
O protagonista era encarregado de um campo na área, então 43 anos na época do acontecimento.

No meio da tarde 29 de outubro de 1973, enquanto fazia seu habitual passeio a cavalo pelo campo, Carlos Balvidares avistou no lago anexado ao moinho no local onde foi comissionado, três seres estranhos que pareciam suspensos no ar, sobre a água, sem alterar a sua superfície com o seu peso. 
O trio estava de costas para a sua localização.

Havia chovido muito nos dias anteriores naquela área rural de Leandro N. Alem, província de Buenos Aires, pela qual as estradas eram intransitáveis.
O cavalo foi o único meio de se transportar e Balvidares foi acompanhado pelo seu filho Manuel, de 13 anos de idade.
Tentando visualizar melhor a situação incomum, o homem aproximou-se a cerca de 80 metros das figuras estranhas e pôde ver que eram dois homens e uma mulher, que usavam uma espécie de fato prateado no corpo, com botas escuras, com uma espécie de barbatana nos lados.
O cabelo da mulher estava enegrecido; em vez disso, os homens eram mais baixos e loiros.
Eles também eram um pouco mais baixos que a mulher, que teria cerca de 1,75 metro de altura. 

Ele começou a gritar com os seres para lhes chamar a sua atenção; Os três seres viraram a cabeça ao mesmo tempo e, olhando para ele, instantaneamente desapareceram da vista, aparecendo a 200 metros de distância, na margem oposta da lagoa.
Balvidares entendeu imediatamente que não eram seres normais deste mundo, então, para não alarmar o seu filho, exclamou: "Isto não é nada bom, vamos sair daqui." O menino estava com muito medo e não queria ficar olhando para os seres.
Balvidares não conseguiu explicar como eles se moveram tão rapidamente.
De acordo com a descrição de Balvidares os três seres, tinham uma pele muito tostada pelo sol, uma testa larga e um nariz pequeno.
Os seres se moviam com os braços junto dos seus corpos.
Por outro lado, perto dos três seres, a cerca de 20 metros observou uma luz muito forte que, na forma de um feixe de luz de cerca de 40 centímetros de diâmetro, começou a deixar no centro um objeto ovalado de aproximadamente cerca de seis metros de diâmetro e três metros de altura, que estava suspenso sobre chão. 
A luz o deslumbrou e produziu um calor intenso. 

O homem não hesitou e esporeou o seu cavalo, entrando na lagoa, bastante crescido naquela época do ano.
A sua intenção era entrar em contacto com esses seres estranhos, mas à medida que avançava na lagoa, eles se afastaram na direção do objeto.
Ele só conseguiu percorrer metade da distância que o separava da outra margem.
Já a cerca de 150 metros desses seres, sentiu como se uma barreira invisível o impedisse de avançar.
O seu cavalo, não lhe obedecia mais, apesar dos seus esforços como cavaleiro experiente para continuar avançando.
Rapidamente regressou à margem do lago e, a partir daí, Balvidares continuou a observar as estranhas atitudes desses seres que estavam a cerca de 30 metros do aparelho que estava suspenso no ar.
Ele podia ver como, sempre com os braços juntos ao corpo e às pernas, eles se moviam de um ponto para outro por meio de saltos pequenos e sincronizados.

Parecia-lhe que era a mulher quem dirigia os outros dois seres, desde que ele observou que "ela estava sempre à frente" e quando ela levantou um braço, um dos homens se afastou cerca de 30 metros, parou e se comunicou com o outro homem.
E com isso, por meio de uma espécie de grito, semelhante ao som produzido por um rádio mal sintonizado que, apesar do vento que atravessava o campo, era ouvido com clareza.
Na margem oposta, os três seres se reuniram e se agacharam em uníssono, como se estivessem fazendo algo no chão, enquanto adotavam uma série de posturas estranhas.

Factos estranhos

De repente, de um chiqueiro perto da posição de Balvidares, uma grande porca que foi fechada lá, pulou a parede (algo que nunca havia acontecido) e fugiu rapidamente do local, gritando de terror. 
Naquele mesmo instante notou um forte cheiro a enxofre, que começou a invadir todo o campo.
Uma espécie de sono e sonolência o invadiram por alguns minutos.
Quando Balvidares acordou, não havia vestígios dos seres, nem da luz nem do objecto que, por mais de uma hora e meia, capturaram a sua atenção.
Balvidares olhou para o relógio: eram 6:55, precisamente.
Alguns dias após o acontecimento, nem a porca que havia fugido do chiqueiro, nem algumas ovelhas de um cercado próximo queriam entrar ali, apesar dos esforços feitos por Balvidares e pelos trabalhadores da fazenda.

Quando voltou para a cidade, sua intenção não era contar a ninguém o que lhe aconteceu, por medo de ser considerado louco ou bêbado, mas o seu filho disse ao seu tio, o irmão de Carlos, que ao mesmo tempo disse ao seu empregador e assim, muitas pessoas ficaram a saber a história dos acontecimentos.


As pessoas quiseram verificar se existiam vestígios dos seres e, na verdade, encontraram os passos de pequenos pés, cerca de 15 centímetros e forma triangular, muito acentuada, bem como os traços e marcas do objeto, onde Balvidares disse que o estranho dispositivo estava suspenso. 
Segundo a opinião de algumas pessoas proeminentes da cidade, os passos não eram de nenhum ser humano nem de qualquer animal conhecido.
A testemunha, Carlos Balvidares, é uma pessoa simples, um camponês, sincero, humilde, perfeitamente normal, que vive feliz com a sua família e que fundamentalmente não tinha qualquer necessidade de inventar essa história incrível. 

Carlos Balvidares
Balvidares nunca acreditou ou leu algo sobre OVNIs ou extraterrestres, mas depois da sua experiência, ele freqüentemente olha para o céu.

Além disso, ele não estava preparado culturalmente para inventar tal história com tantos pormenores.

Sem comentários:

Enviar um comentário