quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Brasil, Vilhena 40 anos: a estranha estória do OVNI que teria trazido professor paulista para a cidade

Vilhena, 1974: ruas de terra e um aspecto de velho oeste no casario primitivo. O que um OVNI (Objeto Voador Não Identificado) faria aqui naquele ano? Quem sabe dar uma mãozinha na povoação do arraial. Brincadeiras à parte, o lugarejo de somente 300 habitantes foi palco de uma história que hoje pode ser ironizada, mas que na ocasião ganhou a mídia nacional.

Veículos de comunicação como O Cruzeiro (a mais importante revista da época) e a Folha de São Paulo, estiveram em Vilhena para investigar o suposto sequestro de um professor de Campinas, no interior de São Paulo, que teria sido trazido para cá por uma nave espacial.

A história é lembrada por Gilberto Barros de Lima, 72. Naquele ano ele era o agente distrital de Vilhena (o cargo mais importante do lugarejo) e narra que um rapaz de 28 anos foi encontrado de bruços, por volta das 6h da manhã de um sábado, na avenida Major Amarante. Alguém tentou acordá-lo, mas ele estava completamente inerte. O então “prefeito” (Gilberto era tratado assim) foi chamado para tomar uma providência. Ele determinou que o desconhecido fosse levado para o hospital, onde tomou uma injeção e voltou em si.

No bolso do rapaz foi encontrado o número de um telefone. Gilberto Barros conseguiu, “depois de muito sacrifício”, falar com seus pais em São Paulo. Eles ficaram boquiabertos em saber que o tal professor estava em Vilhena. Como? Se viesse de carro, demoraria no mínimo cindo dias para chegar e, na noite anterior, nenhum avião havia aterrissado aqui. E o detalhe: suas roupas estavam absolutamente limpas, como se não tivesse enfrentado uma viagem de três mil quilômetros. 

Os pais do “sequestrado” eram de classe média e chegaram em Vilhena no mesmo dia, de avião. Eles informaram que o rapaz não era epilético, como inicialmente se cogitou, e muito menos estava maluco. Já acordado, ele disse não se lembrar de nada o que ocorrera. Contou apenas que sua última parada foi numa agência do Bradesco, em São Bernardo, de onde sacou 320 cruzeiros (o dinheiro no bolso dele quando foi achado). O Fusca em que estava também foi encontrado na porta do banco.

Não passou disso. Ficou o dito pelo não dito. Mas, mesmo passados 24 anos (já em 1998), Gilberto Barros ainda se intrigava com a história. “Aqui não tinha nada que pudesse atrair um extra-terrestre. A não ser que fosse justamente por isso que o ET resolveu ajudar povoar a cidade”, brinca o bem-humorado Gilberto, depois  diretor do Procon e hoje morando em Cáceres (MT). “Só lamento em não ter anotado o nome do rapaz para acompanhar o desenrolar do caso”, conclui.

www.rondoniadinamica.com

Sem comentários:

Enviar um comentário